Do Livro Pra Panela - Chocolate Quente

Sabe quando você está lendo um livro e, de repente, o personagem aparece comendo algum prato tão sensacional que te dá água na boca? Em Do Livro pra Panela vamos trazer receitas - rápidas e fáceis, daquelas que qualquer um consegue fazer - inspiradas nesses momentos.

Sim, eu ainda não superei a nova adaptação de A Bela e A Fera e sim, vocês terão overdose dessa história! A história da garota viciada em livros que abre mão de sua liberdade para salvar o pai e acaba se apaixonando pela Fera que a mantém prisioneira é maravilhosa demais! É um dos meus contos de fadas favoritos da vida e se tornou ainda mais especial depois que eu finalmente conheci sua versão original. E, se você ainda não leu o livro, clique aqui para ler a resenha.


Foto retirada do blog Na Estante por Michella Souza

Em um dos momentos do livro em que Bela mais precisava de conforto, surgiu em sua mesinha de cabeceira uma badeja com um serviço de Chocolate Quente - depois de tomá-lo, ela mergulhou em um sono profundo e relaxante. E eu, depois de ler essa cena, não consegui sossegar antes de encontrar uma receita deliciosa dessa bebida tão aconchegante para trazer para vocês!


O Livro É Melhor? - Cujo

Em "O Livro É Melhor?" vamos comparar alguns livros às suas adaptações, sejam filmes ou séries de tv, e explicar um pouquinho sobre suas diferenças para, no final, escolher um vencedor!

Hoje eu vou falar um pouco sobre essa história de Stephen King, que eu terminei de ler no início do mês passado e vocês podem conferir a resenha aqui.


O LIVRO

  • O livro começa com Tad amedrontado pelo "monstro no armário", logo depois mostrando Cujo perseguindo um coelho e tentando se enfiar em um buraco para pegar o animal, o que resulta em seu focinho sendo mordido por um morcego com raiva que estava lá dentro.
  • Uma das coisas que mais gosto no livro é o ponto de vista de Cujo, porque podemos ver o quanto o cachorro está sofrendo com aquela doença e como ele quer muito que isso pare.
  • Os personagens não me interessaram exatamente, mas eles foram bons para contar a história. Temos tanto o ponto de vista do drama da família Trenton, quanto o da família Camber ao longo da história, sendo que o da última é um pouco cansativo por não acrescentar quase nada à história.
  • Uma das coisas que mais me irritaram no livro foram as páginas e mais páginas destinadas a falar sobre a crise na agência publicitária em que Vic trabalha, aquilo foi entediante pra caramba.
  • O ápice da história é quando Donna e Tad finalmente ficam presos no carro com Cujo ameaçando-os do lado de fora. As cenas são bem tensas e me fizeram ficar sem ar como os personagens.

O FILME

  • O início é basicamente como o do livro, apesar de não acrescentar a mesma aura sombria que a escrita do King apresenta.
  • Como é de se esperar, há algumas alterações no roteiro, sendo que algumas me incomodaram um pouco por não demonstrar exatamente os sentimentos dos personagens (como a relação de Donna com Steve Kemp), e outras foram até bem vindas, já que não passamos muito tempo falando sobre a agência de Vic ou acompanhando os Camber no filme.
  • Outra coisa que não me agradou muito no filme foi terem logo apresentado Cujo como o "cão raivoso" e "vilão" da história, sem mostrarem como ele era bem dócil antes. É compreensível que num filme não há tanto tempo para esse tipo de desenvolvimento, mas tenho certeza que com um pouquinho de esforço teriam conseguido passar ao telespectador o mesmo sentimento por Cujo que o livro consegue passar ao leitor.
  • As cenas do carro são boas, mas estão longe de passar toda a tensão que o livro consegue. São muitos jump scares e Donna não é tão esperta quanto no livro.
  • Vi muitos comentários falando o quanto o menininho (Tad) foi irritante nesse momento, mas achei a reação dele bem coerente e fiquei até surpresa com atuação do menino (embora eu ache que ele tenha ficado assustado de verdade, porque aquele desespero dele foi agoniante de assistir).
  • Um acontecimento no final foi alterado, acho que por terem ficado com medo de acabar a história de tal forma. Prefiro o final dado pelo autor no livro, mais corajoso.
  • É um filme do início dos anos 1980, então já saibam que os efeitos não são exatamente espetaculares, mas estou impressionada com o que conseguiram fazer com o cachorro (o melhor ator de longe).

Qual é melhor?
Embora eu também não tenha sido a maior fã do livro, ele consegue superar incontáveis vezes o filme no quesito tensão e envolvimento do público nessa parte. O filme é daquelas adaptações que não incomodam muito quem leu o livro, mas está longe de se comparar à obra original.

E vocês, já viram ou leram Cujo? Pretendem? Compartilhem suas opiniões comigo!

Resenha - A Anatomia de um Coração

Título: A Anatomia de um Coração
Título Original: The Anatomical Shape of a Heart
Livro Único
Autora: Jenn Bennett
Editora: Plataforma 21
Páginas: 340
Ano: 2016
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino

Sinopse: Beatrix se sente num limbo quando o assunto é relacionamento. Estranha demais para os esportistas, não estranha o suficiente para os geeks. O fato é que ela é uma jovem artista, mas geralmente os rapazes se assustam com um detalhe: seu talento peculiar em fazer ilustrações da anatomia humana. E, na real, ela não está nem um pouco preocupada em se encaixar num padrão. Determinada a ser uma grande ilustradora, ela sabe muito bem o que fará nas férias de verão antes de concluir o Ensino Médio: seguir os passos de grandes mestres como Leonardo da Vinci, ou seja, desenhar cadáveres de verdade. Contudo, enquanto tenta se infiltrar nas aulas de anatomia da universidade, Beatrix conhece um rapaz misterioso que vira seus planos de cabeça para baixo. Jack é encantador, irresistivelmente atraente e... um dos grafiteiros anônimos mais procurados de São Francisco. Entre passeios noturnos, fugas da polícia e palavras douradas dominando a cidade, ela começa a desvendar quem Jack realmente é, assim como o grande segredo escondido sob sua melancolia. E Beatrix também precisa enfrentar os próprios fantasmas, como os problemas financeiros, o pai ausente e a solidão. Numa paixão irreprimível, os dois vão descobrindo um ao outro – e como transformar essa profusão de sentimentos em expressão, arte e amor.


Resenha - Universos Afins

Título: Universos Afins
Título Original: Kindred Spirits
Livro Único.  
Autor: Rainbow Rowell
Editora: Novo Século
Páginas: 96
Ano: 2017

Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Submarino

SinopseEstar numa fila não é uma situação das mais agradáveis. Porém, para a jovem Elena, acampar na frente do cinema só para acompanhar a estreia do mais novo Star Wars é nada menos que uma grande jornada. O problema é que em dias de internet (e compras de ingressos on-line), essa vibe de fila não é compartilhada por muitos outros fãs. Ao chegar ao cinema, dias antes da estreia, só há mais duas pessoas ali acampadas: Gabe e Troy, que entendem a fila como um ritual obrigatório para tornar aquela experiência algo realmente memorável. Universos afins é um saboroso conto geek sobre expectativas e sobre compartilhar paixões. Rainbow Rowell mais uma vez apresenta uma obra inocente e engraçada, com aquela pontinha de nostalgia que nos deixa com um nó na garganta, como há muito tempo atrás, numa galáxia muito, muito distante.

A TramaA sinopse já diz o suficiente sobre a trama, então vou me concentrar no que eu achei de tudo, já que é um conto com menos de 100 páginas. A leitura é bem rápida e, apesar de ser um conto, está longe de ser superficial. Nesse pouco tempo (ou quatro dias em que Elena passa na fila com aqueles desconhecidos), conseguimos nos envolver com os personagens e ficar curiosos sobre alguns "plots" que surgem durante conversas e que eu gostaria muito de ver serem desenvolvidos em um romance. Eu só assisti aos episódios III e IV de Star Wars, mas ainda assim consegui me divertir muito com a leitura.

Resenha - Sempre Haverá Você


Título: Sempre Haverá Você
Título Original: Us Minus Mum
Autora: Heather Butler
Editora: Novo Conceito
Páginas: 256
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Amazon

Uma história simples e cativante. 

Sinopse: A mãe do George e do Theo é genial. Ela conta histórias incríveis, acena mais rápido do que qualquer pessoa do planeta e, o mais importante, foi ela que sugeriu que eles adotassem um cachorro porcalhão chamado Goffo. Os meninos acham que ela é invencível. Mas eles estão errados. Porque a mamãe está doente. E cabe ao George e ao Theo fazer a mamãe continuar sorrindo. O que, muito provavelmente, vai envolver galochas, tortas de carne e a participação do Goffo no Concurso de Talento Animal...
Agora que a mamãe ficou doente, está cada vez mais difícil sorrir e inventar versos com o Theo. Sempre haverá você conta sobre uma família diferente da sua, mas um pouquinho parecida. E de um menino que está aprendendo algumas coisas. Você quer ser amigo dele?

A Trama: Sob os olhos de George, um garotinho de 10 anos, Sempre Haverá Você apresenta ao leitor a rotina de uma família comum - e então tudo muda quando eles descobrem que a mãe está sofrendo de uma doença bastante séria
E, ver essa mudança através do ponto de vista de uma criança tão pequena  e ingênua, que apesar de ter alguma noção do que está acontecendo, não consegue entender o real impacto que aquilo terá na sua vida, é bastante difícil. Porque George continua se divertindo com pequenas coisas, valorizando momentos simples e alegrias bobas... Mas, ao mesmo tempo, ele se preocupa com o que irá acontecer com sua mãe, sofre por perceber que ela está mudando e já não é mais a mesma. E então ele fica perdido, sem saber o que fazer para que as coisas voltem a ser como antes.
Me envolvi muito com a história, e em diversos momentos me flagrei querendo pegar George e Theo (seu irmão mais novo) no colo e dizer que tudo ficaria bem - mesmo sabendo que talvez isso não fosse verdade.