Resenha - Halo

Resenha feita pela Luh
Título: Halo  
Título Original: Halo
Série: Halo (#1)
Autora: Alexandra Adornetto
Editora: Agir
Páginas: 468
Ano: 2010
Saiba mais: Skoob  // Goodreads
Comprar: Submarino // Saraiva

Foi um livro difícil de resenhar, porque eu gostei muito dele, mesmo sabendo que é um pouco fraco.

Sinopse: Três anjos são enviados à Terra com planos de se misturarem aos humanos para assegurar a paz e trazer a bondade: Gabriel, o Herói de Deus, um antigo guerreiro que se disfarça de professor de música; Ivy, serafim abençoada com poderes de cura; e Bethany, a mais nova e inexperiente do grupo, enviada como uma jovem estudante para aprender sobre a humanidade. Após Bethany se encantar com a vida humana, ela começa a viver todas as experiências de uma adolescente normal, até se apaixonar por um rapaz e colocar toda a missão em risco. As forças do mal se aproveitarão dessa situação para pôr seus planos malignos em prática. Um romance de tirar o fôlego, que responderá a pergunta: será que o amor é forte o suficiente para vencer as forças do mal?

Halo conta a história de Bethany, um anjo que foi enviado à Terra para 'fazer o bem' e proteger a pequena cidade de Venus Cove. Junto com ela vieram Ivy e Gabriel (sim, o anjo Gabriel famoso), e é bem aí que a história começou estranha para mim. Tudo bem a autora usar um personagem tão famoso, mas pegar o super-poderoso Gabriel e jogar numa cidadezinha? Não fez muito sentido.
Voltando, Bethany é muito inexperiente e essa é sua primeira visita à Terra, sendo que Ivy e Gabriel já são bem antigos e passaram por diversas missões antes. Beth é a única que pode realmente se ferir enquanto está em forma humana e aquilo tudo é uma experiência muito nova para ela, é um pouco engraçado a maneira como ela demora para entender coisas como uma tomada ou eletrodomésticos. O início da história tem um ar mais leve, os 3 anjos se tratando como irmãos e apenas se adaptando ao novo corpo, sem fazer muita coisa.
"Mas eu era um anjo na forma mais pura e mais vulnerável. Eu era ingênua e crédula, jovem e frágil. Sentia dor, porque não tinha anos de sabedoria e experiência para me proteger disso. Era por esse motivo que Gabriel desejava que eu não tivesse sido escolhida, e era por esse motivo que eu fora."

Quando os anjos finalmente se acostumam com a vida terrena, Bethany começa a ir para a escola, com o objetivo de influenciar as mentes mais jovens. É lá que ela encontra Xavier. Ele é, de longe, meu personagem predileto na história e consegue prender a atenção do leitor desde sua primeira aparição. Xavier é alegre, um pouco misterioso, de uma personalidade fácil de entender e ainda mais fácil de gostar, e Beth se sente atraída e intrigada com o garoto. Anjos, entretanto, não deveriam desenvolver sentimentos fortes pelos humanos, ou criar laços com eles.
" - É mesmo - disse eu. Acho que este foi o primeiro sinal da minha fraqueza: deixei-me levar por minha curiosidade terrena. Deveríamos interagir com os humanos, mas nunca fazer amizade com eles nem acolhê-los em nossas vidas. Eu já estava desrespeitando as regras da nossa missão. Sabia que deveria ficar calada, afastar-me, mas, em vez disso, apontei para os molinetes do garoto. - Teve alguma sorte?"
Não é mistério algum que Bethany começa a gostar mais e mais de Xavier conforme o livro se desenvolve, e a trama é centrada no relacionamento dos dois. Talvez algumas pessoas achem o livro chato nessa parte, porque tudo acontece lentamente e você precisa passar por páginas intermináveis de dúvidas e anseios de Bethany, mas eu adorei essa parte do livro. Tive tempo para me relacionar com os personagens e senti que as coisas aconteceram sem pressa, de modo que prendessem o leitor sem precisar de uma reviravolta nova a cada página. Eu teria ficado contente se o livro inteiro seguisse essa trama, mas eis que temos nossa primeira surpresa.
"Acho que não poderíamos ter evitado, pois fazia parte da nossa história desde o início. Afinal, as coisas vinham correndo bastante bem, e era de se esperar que houvesse alguma pedra no caminho. Só não contávamos que ela fosse tão grande.
A pedra veio da Inglaterra e tinha nome: Jake Thorn."
Não gostei muito de Jake, por mais que eu tentasse. Entendi o propósito dele na história mas, para mim, ele foi apenas uma sombra do que deveria ter sido. Bethany foi extremamente ingênua por grande parte do livro, mas foi condizente com sua personalidade de anjo inexperiente. Eu vou admitir que não gostei muito do final, mas poderia ser pior. No geral foi uma leitura agradável e eu espero que o segundo livro seja tão bom quanto o primeiro.
E parabéns à autora, que escreveu este livro com apenas 17 anos!

Classificação:
Quer escolher a próxima resenha? É só clicar lá em cima em "Resenhas" e escolher um dos livros da lista!