Resenha - Halo

Resenha feita pela Luh
Título: Halo  
Título Original: Halo
Série: Halo (#1)
Autora: Alexandra Adornetto
Editora: Agir
Páginas: 468
Ano: 2010
Saiba mais: Skoob  // Goodreads
Comprar: Submarino // Saraiva

Foi um livro difícil de resenhar, porque eu gostei muito dele, mesmo sabendo que é um pouco fraco.

Sinopse: Três anjos são enviados à Terra com planos de se misturarem aos humanos para assegurar a paz e trazer a bondade: Gabriel, o Herói de Deus, um antigo guerreiro que se disfarça de professor de música; Ivy, serafim abençoada com poderes de cura; e Bethany, a mais nova e inexperiente do grupo, enviada como uma jovem estudante para aprender sobre a humanidade. Após Bethany se encantar com a vida humana, ela começa a viver todas as experiências de uma adolescente normal, até se apaixonar por um rapaz e colocar toda a missão em risco. As forças do mal se aproveitarão dessa situação para pôr seus planos malignos em prática. Um romance de tirar o fôlego, que responderá a pergunta: será que o amor é forte o suficiente para vencer as forças do mal?

Halo conta a história de Bethany, um anjo que foi enviado à Terra para 'fazer o bem' e proteger a pequena cidade de Venus Cove. Junto com ela vieram Ivy e Gabriel (sim, o anjo Gabriel famoso), e é bem aí que a história começou estranha para mim. Tudo bem a autora usar um personagem tão famoso, mas pegar o super-poderoso Gabriel e jogar numa cidadezinha? Não fez muito sentido.
Voltando, Bethany é muito inexperiente e essa é sua primeira visita à Terra, sendo que Ivy e Gabriel já são bem antigos e passaram por diversas missões antes. Beth é a única que pode realmente se ferir enquanto está em forma humana e aquilo tudo é uma experiência muito nova para ela, é um pouco engraçado a maneira como ela demora para entender coisas como uma tomada ou eletrodomésticos. O início da história tem um ar mais leve, os 3 anjos se tratando como irmãos e apenas se adaptando ao novo corpo, sem fazer muita coisa.

Terça do Top #2


Top 8 Livros Que Eu Gostaria de Ver no Cinema


Auto-explicativo, não? :D Lembrando que nós gostaríamos de ver muuuitos livros, mas escolhemos 8 que diferem bastante um do outro.

  

Feios - Scott Westerfeld
Para começar, imagina só eles tentarem fazer um filme onde absolutamente todo mundo segue o ideal de beleza? Seria um filme bonito de se ver, mesmo que não tivesse muita variedade entre os atores, mas o que nos faz querer ver Feios no cinema é o mundo que Scott criou. A tremenda tecnologia, aquelas pranchas, uma parede que pode te dar quase qualquer objeto que quiser? Com uma trama muito envolvente, Feios seria uma super adaptação cinematográfica e acredito que ninguém quis tentar ainda porque é um grande desafio.



Hex Hall - Rachel Hawkins 
Efeitos. Esse filme seria cheio de efeitos, daqueles criados no computador mesmo, porque só um estúdio muito talentoso para juntar vampiros, bruxas, metamorfos, fadas e mais outras coisas no mesmo filme. O cenário não seria muito complicado, ao menos no primeiro filme, e os atores não iriam precisar de nada especias. Mas oh, os efeitos. Vejo este filme como um pouco mais infantil, mas ainda assim valeria à pena!



Julieta Imortal - Stacey Jay
Pra mim os atores deste filme teriam que ser muito talentosos. Ter que interpretar uma pessoa que está no corpo de outra não deve ser fácil, porque você tem que agir como se tivesse duas personalidades! Eu ia gostar muito de ver Julieta Imortal no cinema, acredito que teria direito a lágrimas, risadas e até àquele momento de tensão nas cenas de ação!






Academia de Vampiros - Richelle Mead  
Quem nunca quis ver um filme desse livro? Uma das melhores séries de livros, na minha opinião, Academia de Vampiros consegue dar um ar fresco a um dos temas mais comuns e antigos da literatura sobrenatural. A maioria dos personagens é cativante e seria um filme emocionante, com reviravoltas a cada segundo.

Resenha - Não sou este tipo de garota

Resenha feita pela Mari
Título: Não sou este tipo de garota
Título Original: Not That Kind of Girl
Livro Único
Autora: Siobhan Vivian
Editora: Novo Conceito
Páginas: 248
Ano: 2011
Saiba mais: Skoob  // Goodreads
Comprar: Saraiva // Fnac

'Não sou este tipo de garota' é definitivamente o estilo de livro que eu não costumava ler, mas me apaixonei pela história e, seguindo o gênero, pretendo ler 'Anna e o beijo francês'.

Sinopse: Perversa ou inofensiva? Confiável ou hipócrita? Controlada ou insensata? A vida é sobre suas decisões e escolhas, e Natalie Sterling se orgulha de sempre fazer as melhores. Ela ignora os caras populares e babacas da escola, sempre ganha medalhas de honra e está prestes a ser a primeira estudante jovem a ser presidente do conselho estudantil em anos. Se apenas todas as outras garotas fossem tão sensíveis e fortes. Como o grupo de novatas que querem ser brinquedos dos jogadores de futebol. Ou sua melhor amiga, que tomou uma decisão idiota que quase arruinou sua vida. Mas ser sensível e forte não é fácil. Não quando uma brincadeira quase a faz ser expulsa. Não quando seus conselhos dóem mais do que ajudam. Não quando um cara que ela já deu um fora se torna o cara que ela não consegue parar de pensar. A linha entre o certo e o errado foi distorcida, e cruzá-la poderá resultar em um desastre… ou se tornar a melhor escolha que ela já imaginou fazer.


A capa do livro foi o que me convenceu, a Lu sempre reclama que eu mal leio a sinopse e já quero comprar só pela capa (o que não deixa de ser verdade). Ouvi muitos comentários sobre a infantilidade do livro e eu concordo, é mesmo um estilo para garotas de 14 anos mas, é também para as de 30, se você já passou a época da escola vai adorar as lembranças que o livro vai trazer. A princípio não tinha certeza se seria uma boa ideia trocar esse livro (sim, skoob facilitando a minha vida) e até a metade do livro pareceu mesmo não ter uma história em si, só mais uma Natalie (protagonista) contando sobre sua adolescência e todas as responsabilidades como presidente do conselho, é então que você se pergunta porque eu iria me apaixonar pela história de Siobhan Vivian, e eu te respondo Connor Hughes.
"Um único momento tomava toda a minha mente, todo o meu corpo: eu, Natalie Sterling, havia acabado de beijar, e dispensar, Connor Hughes. Senti uma paz estranha carregando esse enorme segredo, pois sabia que ninguém no ginásio acreditaria. Nem eu mesma conseguia acreditar."
Quando esse jogador de futebol de cabelos castanho ondulados começa a se aproximar da Natalie, a história ganha um rumo completamente diferente e a garota certinha e prevenida começa a contrariar tudo o que diz e pensa. A história se torna tão viciante que passei minhas aulas de matemática e física devorando o final do livro. Mas então porque só três nuvens na classificação? Primeiro pois, metade da história, apesar de fluir, não é tão atrativa e viciante, segundo, e o que me deixou mais triste, é que o livro (assim como todos os outros da autora) é volume único e quando você consegue passar toda explicação da vida da protagonista e o romance começa, parece que a história termina tão rápido que te deixa com aquele gostinho de água na boca.
Classificação:
Quer escolher a próxima resenha? É só clicar lá em cima em "Resenhas" e escolher um dos livros da lista!

Promoção: Para começar bem!


Booom dia coisas fofas. Hoje eu e a Mari preparamos uma surpresa bem legal: a primeira promoção do blog.



Resenha - A Seleção

Título: A Seleção  
Título Original: The Selection
Série: A Seleção (#1)
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte (Companhia das Letras)
Páginas: 327
Ano: 2012
Saiba mais: Skoob  // Goodreads
Comprar: BookDepository // Amazon


Em primeiro lugar eu gostaria de avisar que algumas pessoas estão comparando esse livro com "The Hunger Games" ou outros livros distópicos, mas um não tem absolutamente nada a ver com o outro. Se você está procurando um livro cheio de ação pode fechar a página porque The Selection é, do início ao fim, um romance clichê (que me lembra muito Cinderella), mas eu gostei tanto do livro que o 'devorei' em menos de 24 horas.

Sinopse: Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de suas vidas. A oportunidade de escapar da vida estabelecida para elas desde o nascimento. Entrar em um mundo de vestido brilhantes e joias de valor inestimável. De viver em um palácio e competir pelo coração do lindo Príncipe Maxon. Mas para America Singer, ser Selecionada é um pesadelo. Isso significa virar as costas para seu amor secreto com Aspen, que é de uma casta menor que a dela. Deixar sua casa para entrar em uma competição acirrada por uma coroa que ela não quer. Viver em um palácio constantemente ameaçado por rebeldes violentos. Então, America conhece Príncipe Maxon. Gradualmente, ela começa a questionar todos os planos que fez para si mesma- e percebe que a vida que ela sempre sonhou não é nada comparada com o futuro que ela nunca imaginou.

The Selection é escrito em primeira pessoa, do ponto de vista de America Singer (e sim, ela é uma cantora). O livro se passa no futuro, em um novo país chamado Iléa, que fica onde costumavam ser os Estados Unidos. A sociedade de Iléa é dividida em níveis que vão de 1 a 8, sendo 1 a família real e 8 os "mendigos", e desde o início o livro é um pouco chocante, pois America é pobre e vive em uma realidade onde as pessoas passam fome diariamente e alguns até morrem de exaustão. Ela é apaixonada por um jovem chama Aspen, que é ainda mais pobre que ela, e America passa um bom tempo fazendo planos para o futuro dos dois, com direito a casamento e filhos. Infelizmente, tudo muda quando America é escolhida para A Seleção, uma competição onde 35 jovens tentam ganhar o coração do príncipe (e, de quebra, conseguir uma coroa e muito dinheiro).

Resenha - A Busca de Brighid

Resenha feita pela Luh
Título: A Busca de Brighid  
Título Original: Brighid's Quest
Série: Partholon (#5)
Autora: P. C. Cast
Editora: Harlequin
Páginas: 526
Ano: 2011
Saiba mais: Skoob  // Goodreads
Comprar: Saraiva // Submarino

Aviso: Esta resenha contém spoilers do primeiro livro da série, 'A Escolha de Elphame'.

Sinopse: Em vez de seguir as regras restritivas de sua família, Brighid, uma centaura, escolhe partir em busca da sorte, fazendo novos amigos e criando laços com humanos e outros seres de sua espécie. Para sua surpresa, a Grande Deusa despertou nela o poder divino do Xamã. Enquanto se divide entre aceitar uma dádiva com a qual jamais sonhou e o medo de assumir um amor proibido, Brighid tem a premonição de uma tragédia que poderá destruir todos a quem sempre amou…

Falar sobre 'A Busca de Brighid' é um pouco difícil para mim, porque sei que muita gente adorou o livro e eu não. Uma das coisas que não me agradou foi a frase da capa, que é idêntica à do primeiro volume da série, e eu só fui perceber quando já tinha terminado a leitura. Pra quem não consegue ler, a frase diz "Partholon: Um mundo diferente em que os sugadores de sangue são uma verdadeira ameaça..." e não combina nem um pouco com este livro, considerando que no desfecho do primeiro livro descobrimos que os fomorianos não são mais ameaça alguma. A frase da edição americana, entretanto, é perfeita para o livro, "Partholon: Onde tudo é possível... até o impossível!" e achei um descuido da editora não ter arrumado certinho.

Saciando a Fome #1

Hoje teremos nosso primeiro post do Saciando a Fome! Ainda estamos em fase experimental com as fotos, então nem sempre vai ficar perfeito.
"Porque vocês não gravam vídeos?" Eu não gosto nem um pouquinho desse esquema de fazer vídeos porque parece um desperdício de tempo. Não o nosso tempo, mas o dos leitores. Explicando: nos blogs que eu pesquisei, cada vídeo tem entre 8 e 15 minutos. Como eu acompanho uns 16 blogs ao mesmo tempo, seriam mais de 3 horas toda semana só para ver vídeos de "Caixinha do Correio"! Eu acredito que vocês iriam gostar mais de passar esse tempo lendo os seus livros, então farei o post sempre com fotos, que fica muito mais rápido de ver.

Agora vamos aos livros dessa semana:

Minha habilidade em fotografia é aproximadamente nula.

O primeiro livro que chegou essa semana foi Delírio (Lauren Oliver - Intrínseca). Ganhei ele em uma promoção da Intrínseca no Facebook e a Mari já leu e resenhou aqui no blog. Uma coisa que nenhuma de nós tinha notado até o livro chegar foi aquele rosto que é formado pelas letras, sempre pensamos que era só uma superfície metalizada que estava refletindo alguma outra imagem! Apesar de eu gostar mais da outra capa, a capa brasileira é muito bonita e o metalizado deu um diferencial ao livro.

Resenha - Delírio

Resenha feita pela Mari
Título: Delírio  
Título Original: Delirium
Série: Delírio (#1)
Autora: Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
Páginas: 342
Ano: 2012
Saiba mais: Skoob  // Goodreads
Comprar: Saraiva // Submarino

Sinopse: Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas. Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura? Sua escolha poderia levar todos à desgraça. Ou a um futuro em que não estaria sozinha…

Lena tem aguardado ansiosamente por sua intervenção: 95 dias e estará livre do mal que destruiu sua mãe. Ela nunca se importou realmente com o amor, era só uma doença como tantas outras e quando completasse 18 anos estaria finalmente livre de todo o perigo.
"As doenças mais perigosas são aquelas que nos fazem pensar que estamos bem."
No dia em que Lena vai fazer sua avaliação, para que o sistema possa designar-lhe um marido e faculdade adequados, apesar de repassar milhões de vezes as respostas certas, ela acaba comprometendo todo seu futuro com respostas completamente diferentes das esperadas.
   "Parte de meu cérebro - a parte racional, educada, a parte eu lógica - grita Azul! Diga azul!, mas essa outra coisa dentro de mim, mais antiga, está deslizando pelas ondas sonoras, crescendo em um ruído cada vez mais alto. - Cinza - disparo."

Por sorte os Inválidos (pessoas que não passaram pela intervenção e moram na Selva) sabotam o Laboratório onde acontecem as avaliações com uma manada de bois, que iria pra um abatedouro, e a avaliação é remarcada. No meio desse tumulto aparece um garoto que pisca para Lena, mais tarde descobrimos que esse garoto é Alex, e mesmo conhecendo todos os perigos da delíria (doença do amor) a protagonista vai se envolvendo aos poucos e descobrindo que Alex e o mundo que ela conhece não passam de uma mentira.
"Você pode morrer de amor ou da falta dele."
Tenho que admitir que o primeiro terço do livro é fraco, a autora usa as primeiras 50 páginas como introdução, com Lena se apresentando e explicando o mundo 'atual'. Só quando ela conhece Alex e começa a se aventurar um pouco, indo contra o sistema, é que o livro ganha emoção. Mas apesar do começo ruim, o meio e o final compensam; O livro é distópico e segue o enredo de tantos outros do gênero, se você gosta de séries como Feios e Destino, recomendo. O que mais gostei no livro foram os pequenos trechos no início de cada capítulo, onde a autora traz pedacinhos do mundo criado por ela, como a história distorcida de Romeu e Julieta, o "Shhh" (livro de regras), e muito mais.

Classificação:
Quer escolher a próxima resenha? É só clicar lá em cima em "Resenhas" e escolher um dos livros da lista!

Terça do Top #1


Top 6 Autores Com Vários Sucessos

Hoje vamos dar início à nova coluna do blog, a Terça do Top! O assunto escolhido foram os autores que são conhecidos não só por uma série ou livro, mas que conseguem transformar muitas das suas obras em bestsellers.



 Meg Cabot - Meg é conhecida especialmente por sua série de livros "O Diário da Princesa", porém escreveu várias outras séries marcantes como "A Mediadora", "Rainha da Fofoca", "Desaparecidos" (1-800-WHERE-R-U), "Cabeça de Vento" e livros singulares como "Aprendendo a Seduzir" e "Sorte ou Azar?".




Nicholas Sparks - Nem é preciso dizer que Sparks é um dos autores mais bem sucedidos da atualidade. Com diversos livros famosos como "Diário de uma Paixão", "Um Amor para Recordar", "Querido John" e "Um Homem de Sorte", o autor tornou-se o favorito de muitas pessoas, fazendo com que muitas de suas obras fossem adaptadas para o cinema.


 Marian Keyes - Keyes ficou famosa por seu primeiro romance, "Férias", e a partir daí a maioria dos livros da autora chegaram ao nº 1 dos rankings americanos e tornaram-se conhecidos mundialmente. É importante citar "Sushi" e "Los Angeles", livros que até hoje vendem muito bem.




Rick Riordan - Não tem como falar de Rick Riordan e não mencionar a série "Percy Jackson e os Olimpianos", cujo primeiro dos livros já foi até adaptado para as telonas. Entretanto, não é apenas dessa série que ele é feito. Rick já se provou um autor sólido com as séries "Crônicas de Kane" e "Os Heróis do Olimpo", que fazem quase tanto sucesso quanto seu 'hit'.



 Richelle Mead - Se você ainda não conhece a série "Academia de Vampiros", a mais conhecida da autora, não faz ideia do que está perdendo. Além de escrever livros para adolescentes, Richelle tem séries mais adultas como "Georgina Kincaid" e "Filha da Tempestade". A autora também iniciou recentemente a série "Linhas de Sangue", e o segundo volume desta (The Golden Lily) é um dos livros mais esperados do ano.




Bernard Cornwell - Apesar de escrever para um público bem específico, devido à grande quantidade de violência  em seus livros, Cornwell é um dos autores preferidos de quase todos os que já leram seus romances, é praticamente impossível ler um livro só. Suas séries mais conhecidas são "As Crônicas de Arthur", "As Crônicas Saxônicas" e "As Aventuras de Sharpe".

Resenha - A Escolha de Elphame

Resenha feita pela Luh
Título: A Escolha de Elphame  
Título Original: Elphame's Choice
Série: Partholon (#4)
Autora: P. C. Cast
Editora: Harlequin
Páginas: 428
Ano: 2011
Saiba mais: Skoob  // Goodreads
Comprar: Saraiva // Submarino

A Escolha de Elphame é um livro mediano com uma protagonista que não me cativou nem um pouco. Porém, os personagens secundários do livro e o final maravilhoso salvaram a leitura e me deixaram ansiosa pela continuação da história.


Sinopse: Embora muitas garotas pensem que são diferentes, Elphame tem certeza de que é única. Uma mistura perfeita entre humano, centauro e deusa. Ninguém em Partholon possuía as mesmas habilidades que ela. Nem uma ligação tão direta com Epona, a divindade de seu povo. Ainda que ela nunca a tivesse sentido… Para completar, havia chegado a hora de Elphame descobrir seu destino. E ela queria partir logo para o Castelo MacCallan, um lugar amaldiçoado depois da invasão dos fomorianos, e reconstruí-lo das ruínas. Mas eles ainda estavam à espreita, ameaçando a continuidade de Partholon. Elphame seria capaz de salvar seu reino e ainda redimir sua alma gêmea de uma terrível profecia? Sua escolha poderia levar todos à desgraça. Ou a um futuro em que não estaria sozinha…

O primeiro capítulo do livro serve de introdução, nos leva a testemunhar o nascimento de nossa protagonista e a conhecer o mundo mitológico e mágico de Partholon. O capítulo é um pouco confuso, mas serve ao seu propósito e explica o básico sobre o novo mundo. 
Passado o nascimento de Elphame, somos transportados cerca de vinte e cinco anos para o futuro, com a protagonista já adulta, embora por diversas vezes ela ainda me lembre muito uma adolescente. 
Elphame não tem uma personalidade muito cativante, parecendo bem irritante às vezes, e como as primeiras 50 páginas do livro focam muito na garota, minha leitura foi bastante lenta e não muito prazerosa. Mesmo quando a protagonista finalmente chega ao castelo MacCallan, um castelo abandonado há mais de 100 anos que a garota escolheu para reformar e transformar em sua nova morada,  tudo acontece bem devagar. O que salvou o livro nessa parte, para mim, foram os personagens secundários. Cuchulainn é o irmão sedutor de Elphame e, desde suas primeiras aparições no livro, torna a história muito mais divertida. Muitos outros personagens nos são apresentados, todos vindos de diferentes partes do reino com o intuito de ajudar a reformar o castelo, mas há uma em especial que cativou minha atenção.