Resenha - For Darkness Shows the Stars

Resenha feita pela Luh!
Título: For Darkness Shows the Stars
Série: For Darkness Shows the Stars
1- For Darkness Shows the Stars
2- Across a Star-Swept Sea
Autores: Diana Peterfreund
Páginas: 402
Ano: 2012
Saiba mais: Skoob // Goodreads
Comprar: BookDepository // Cultura (paperback) // Cultura (ebook) // Amazon BR (ebook)

Onde estão as naves espaciais?
Definitivamente o livro mais entendiante que li esse ano.

Sinopse: Generations ago, a genetic experiment gone wrong—the Reduction—decimated humanity, giving rise to a Luddite nobility who outlawed most technology.
Eighteen-year-old Luddite Elliot North has always known her place in this caste system. Four years ago Elliot refused to run away with her childhood sweetheart, the servant Kai, choosing duty to her family's estate over love. But now the world has changed: a new class of Post-Reductionists is jumpstarting the wheel of progress and threatening Luddite control; Elliot's estate is floundering; and she's forced to rent land to the mysterious Cloud Fleet, a group of shipbuilders that includes renowned explorer Captain Malakai Wentforth—an almost unrecognizable Kai. And while Elliott wonders if this could be their second chance, Kai seems determined to show Elliot exactly what she gave up when she abandoned him.

A Trama: Não sei se foi culpa da capa, mas eu tinha certeza que esse livro tinha naves espaciais, então vocês podem imaginar minha decepção ao descobrir que, na verdade, For Darkness Shows the Stars se passa em uma época feudal disfarçada de distopia.
Tive tantos problemas com o mundo criado por Diana que foi difícil ignorá-los e nem vou tentar mencionar todos. Os Reduzidos, pessoas com pouca capacidade mental, vieram de um experimento genético que deu errado, centenas de anos atrás, e atualmente alguns tem filhos que nascem normais, chamados Posts. A origem dos Reduzidos não faz muito sentido, mas a dos Posts faz menos ainda.
A primeira metade do livro é muito confusa e o ritmo é cruelmente lento, foi difícil ler mais de 20 páginas sem cair no sono. A trama é completamente previsível e na segunda metade todos os problemas foram subitamente resolvidos, tornando o final perfeito demais, nada realista.
Eu estava esperando algum tipo de rebelião no livro, algo em uma escala maior que os problemas da fazenda North, mas a história toda é sobre o romance ridículo e inexistente entre Kai e Elliot. Excluindo os dois últimos capítulos, a trama inteira se resume a Elliot se preocupando com trigo e Kai. E trigo novamente, e depois Kai mais uma vez, e assim vai. A parte do trigo e das plantações era super entediante e a protagonista insistia em mencionar seu 'trigo maligno' em todos os capítulos.

Os Protagonistas: Elliot me irritou do início ao fim. Apesar de sua suposta rebeldia oculta, ela era a personagem mais submissa que eu já conheci. Seu pai, irmã e, principalmente, Kai, eram abertamente cruéis com ela e a garota simplesmente aceitava ou ignorava. Sim, ela teve seus momentos interessantes, mas no geral era uma personagem muito irritante. Eu sentia vontade de jogar o livro na parede ao ler frases como "Você pode ser tão cruel comigo quanto quiser e eu suportarei sem reclamar". Até o nome da Elliot é confuso, porque é nome de menino e por ser o mesmo nome que o de seu avô (que é mencionado diversas vezes).

Os Personagens Secundários: Kai é totalmente inconsistente e até agora eu não entendo aquele ódio dele pela Elliot. Eu acho que ele deveria ter sido sexy e misterioso, mas acho que Kai conseguiu me incomodar ainda mais que a protagonista. Outro personagem que não fazia muito sentido era o Barão North, pai de Elliot. A protagonista tenta fazê-lo parecer estúpido e inconsequente, mas em diversas vezes ele se mostra extremamente inteligente, muito diferente do tipo de homem que destruiria parte de sua propriedade para o lazer próprio. Os únicos personagens que eu de fato gostei foram os integrantes da Star Fleet (Frota Estelar), Felicia, Donavan e Andromeda. Cada um tinha uma personalidade vibrante e original que me intrigava.

Capa, Diagramação e EscritaEssa capa é maravilhosa, uma das mais belas que eu já vi, mas não combina muito com a trama e acho que passa a ideia errada (de naves espaciais). A diagramação é bonita, com um detalhe especial em cada número de páginas.
A escrita da Diana não funcionou muito bem pra mim, algumas frases eram confusas e tive que ler várias vezes para entender. Não sei porque o livro foi feito em 3ª pessoa, já que só temos o ponto de vista da Elliot. Os capítulos eram alternados entre a narração do presente e cartas de diversas datas no passado, mas não entendi o objetivo das cartas. Fiquei esperando elas revelarem algo interessante, mas eram completamente previsíveis e mais da metade foi desnecessária.

Concluindo: Honestamente, não consigo pensar em muitas coisas boas para dizer sobre For Darkness Shows the Stars. É um livro que tinha potencial, mas não soube aproveitá-lo e conseguiu me deixar irritada ou entediada pela maior parte da trama. Definitivamente não recomendo.

Quotes:
The old poems said that lovers were made for each other. But that wasn't true for Kai and Elliot. They hadn't been made for each other at all—quite the opposite. But they'd grown together, the two of them, until they were like two trees from a single trunk, stronger together than either could have been alone.
Classificação: