Resenha - A Sociedade Cinderela

Resenha feita pela Luh!
Título: A Sociedade Cinderela
Título Original: The Cinderella Society
Livro Único.
Autor: Kay Cassidy
Editora: Galera Record
Páginas: 308
Ano: 2013
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Ponto Frio // Siciliano

O livro tem pouco de 'Cinderela' e muito de sociedades secretas!.

Sinopse: Aos 16 dezesseis anos, Jess Parker se acostumou a ser invisível. Depois de mudar de escola várias vezes por conta do trabalho do pai, ela se conformou com o status de eterna garota nova. Mas agora Jess tem a chance de uma vida: um convite para participar da Sociedade Cinderela, um clube secreto das garotas mais populares da escola, onde makeovers fazem parte do pacote. Mas há mais a ser uma Cindy que apenas reinventar o visual. E Jess está prestes a descobrir.

A Trama: A autora não perde tempo e a trama começa bem rápido, logo nas primeiras páginas Jess recebe o broche especial e entra para a Sociedade Cinderela. Vou confessar que achei a ideia da Sociedade Cinderela bem infantil, um grupo de garotas do ensino médio que fica lutando contra as 'meninas más' da escola? Desnecessário. Além disso, as garotas da tal sociedade agiam como se estivessem salvando o mundo, mas não é como se as meninas más realmente fizessem muita coisa. Além disso, só o que vi na Sociedade eram as garotas tentando se sentir melhor sobre elas mesmas, deveria se chamar "Sociedade da Autor-Estima". Por fim, há uma menção há clarividentes que foi completamente desnecessária e só tornou a trama mais confusa.
No geral, entretanto, ainda foi uma história divertida e com diversas cenas engraçadas. Eu gostei da ideia da Sociedade, só acho que houve uma diferença gritante entre o suposto objetivo dela e o que realmente acontecia.

A Protagonista: Eu até gostava um pouquinho de Jess no início por sua originalidade, era uma líder de torcida excluída, praticamente o contrário do clichê. Infelizmente, isso mudou rapidamente. Jess só se preocupava com sua aparência e popularidade, era muito insegura e dizia o tempo todo que não merecia isso ou aquilo. A protagonista acabou se desvalorizando tanto que acreditei nela e não entendi como foi escolhida para tal sociedade.
Além disso, Jess prova o quanto é superficial em sua obsessão por Ryan, um garoto que ela nem sequer conhece, mas é apaixonada por ele simplesmente porque é muito bonito.

Os Personagens Secundários: A autora tenta dividir as pessoas, fazendo as Cinderelas parecerem uns anjinhos e as Malvadas... bem, malvadas, mas ninguém é assim de verdade. A autora até chega a citar que "ninguém é totalmente bom ou ruim", mas cria personagens que contrariam essa ideia.
Minhas prediletas foram Paige, uma das líderes das Cinderelas, e Lexy, a garota que atormenta a protagonista, por serem as únicas que parecem ter uma personalidade mais complexa.

Capa, Diagramação e Escrita: Amei essa capa! Ela é bem simples, mas combina com o título e com a própria ideia do livro. O sapato é encantador e gostei da fonte para o "Cinderela".
A letra tem um tamanho ideal e a página é muito bem aproveitada, só acho que as margens poderiam ser um pouquinho maiores. Adorei o detalhe das orelhas, que são rosa-choque.
A escrita da Kay é bem medíocre, senti falta de descrições melhores e o livro podia ficar confuso às vezes.

Concluindo: A mensagem do livro deveria ser amar e aceitar quem você é, mas parecia difícil focar nisso quando tudo o que a protagonista falava era da sua transformação em 'garota popular'. Não deixa de ser uma história muito divertida e, para quem procura algo mais leve para passar o tempo, é muito bom.

Quotes:
Com as palmas das mãos suando, resisti à tentação de me encolher de medo diante do desconhecido e fiz aquilo que mais me assustava. Dei um voto de confiança.

Todos nos viramos, e ali, em carne e osso - uma maravilhosa carne -, estava o garoto dos meus sonhos.
Classificação: