Resenha - Cinder

Resenha feita pela Luh!
Título: Cinder
Título Original: Cinder
Série: Crônicas Lunares
1- Cinder
2- Scarlet (2013 US)
3- Cress (2014 US)
4- Winter (2015 US)
Autor: Marissa Meyer
Editora: Rocco
Páginas: 448
Ano: 2013
Saiba mais: Skoob
Comprar: Submarino // Fnac // Saraiva

Um dos melhores livros do ano!

Sinopse: Num mundo dividido entre humanos e ciborgues, Cinder é uma cidadã de segunda classe. Com um passado misterioso, esta princesa criada como gata borralheira vive humilhada pela sua madrasta e é considerada culpada pela doença de sua meia-irmã. Mas quando seu caminho se cruza com o do charmoso príncipe Kai, ela acaba se vendo no meio de uma batalha intergaláctica, e de um romance proibido, neste misto de conto de fadas com ficção distópica. Primeiro volume da série As Crônicas Lunares, Cinder une elementos clássicos e ação eletrizante, num universo futurístico primorosamente construído.

A Trama: Cinder tem uma trama extremamente envolvente que, apesar de ter um início meio lento, me prendeu já nas primeiras páginas. Com ciborgues, muita tecnologia futurística e povos quase alienígenas, como não amar a história?
No início conhecemos Cinder, uma ciborgue que é parte humana, parte robô. Ela é uma mecânica que cuida de uma pequena loja de concertos e consegue se virar e levar uma vida relativamente normal até que, um dia, o famoso príncipe Kai aparece na loja e pede a ela que conserte um de seus robôs. É então que a trama se transforma, e começa a ficar extremamente envolvente. O livro é uma releitura de Cinderela e podemos notar algumas semelhanças, mas Cinder tem sua própria trama e surpresas e não senti como se estivesse lendo um conto conhecido, mas sim uma história totalmente original.
Adorei a construção do mundo. A autora não explica exatamente como a sociedade ficou daquela maneira e senti falta de descrições detalhadas, mas adorei as descrições dos prédios e a tecnologia, tudo era bem futurístico.  Como se criar um mundo distópico não fosse difícil o suficiente, Marissa Meyer foi além e também criou Luna (o mundo da lua), com seu próprio povo e costumes. Não vemos muito de Luna nesse primeiro livro, mas já amei a ideia.
O único defeito do livro, para mim, foi que certas partes da trama eram bem previsíveis, porém isso não atrapalhou nem um pouco meu envolvimento na história, só queria que a autora não tivesse dado tantas 'dicas' óbvias. O romance entre Cinder e Kai fica claro desde o início, mas se desenvolve lentamente e de uma maneira natural que fez eu me apaixonar pelos dois.

Os Protagonistas: Apesar de ser tratada como um robô, a protagonista sente todo o tipo de emoções e eu estava em sincronia com ela, ficava alegre e triste conforme o que acontecia na trama e amei cada pedacinho de Cinder. Ela se tornou uma das minhas protagonistas prediletas com sua determinação, insegurança e humor sarcástico e a autora soube colocar apenas o necessário de cada uma dessas características, sem exagerar. Cinder transmite uma mensagem de independência feminina que é tão rara de ver em protagonistas mulheres, ela é uma mecânica que aprende desde criança a resolver seus problemas sozinha.

Os Personagens Secundários: Os personagens são tão bem feitos que, apesar de ter odiado Adri, a madrasta malvada, eu compreendia os motivos por trás de suas ações e ela era uma personagem consistente. Iko é um robozinho que anda com Cinder e é a coisa mais fofa! Ela tem um chip de personalidade 'defeituoso' que a faz parecer quase humana e tem uma quedinha pelo príncipe Kai que só a torna ainda mais divertida.
Minha primeira impressão de Kai foi que, considerando que ele foi criado para ser um príncipe, ele parecia mais um adolescente imaturo e imprudente. Entretanto, ignorando isso, ele era inteligente, divertido e não parecia se importar muito com as aparências. Adorei que ele não julgou Cinder por ser 'pobre' e não era o príncipe mimado que eu esperava.

Capa, Diagramação e Escrita:  Essa capa é maravilhosa e chamou minha atenção desde a primeira vez que a vi. Gostei de como o sapato é vermelho, e não o tradicional sapatinho de cristal, além da perna 'mecânica' deixar qualquer leitor curioso.
A escrita da Marissa é ótima. Senti falta de mais descrições, principalmente dos personagens, mas ela só nos passa as informações necessárias, evitando deixar o livro muito denso e tornando a trama mais dinâmica. Acho que ela deu uma voz perfeita à Cinder, transformando-a em uma protagonista excelente.

Concluindo: Li muitas distopias no último ano e pensei que Cinder seria "só mais uma", mas é muito mais que isso, um livro totalmente original e envolvente e recomendo demais! Gostei de tudo no livro, principalmente a protagonista, mas acredito que vai agradar todos os fãs de distopias, ficção científica e releituras!

Quotes:
- O seu tipo sequer sabe o que é o amor? Você tem algum tipo de sentimento ou é tudo... programado?

Ela estava contente que lágrimas não revelariam sua humilhação. Contente que nenhum sangue em seu rosto revelaria sua raiva. Contente que seu odioso corpo de ciborgue servia para alguma coisa enquanto ela se agarrava a sua dignidade despedaçada.
Classificação: