Resenha - Os Gêmeos

Resenha feita pela Beatriz!
Título: Os Gêmeos
Título Original: Les Éveilleurs
Série: Crônicas de Salicanda
1- Os Gêmeos
2- Separados (2013)
Autora: Pauline Alphen
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 367
Ano: 2011
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Livraria Cultura // Submarino

Um livro que tinha potencial para entrar nos favoritos, mas a autora desperdiçou isso com as falhas.

Sinopse: No meio da floresta de Salicanda, uma espantosa construção ladeada por um farol antigo abriga muitos segredos. Lá vivem os gêmeos Jad e Claris, que na noite em que completam três luadas (anos) perdem a mãe e passam a apresentar alguns poderes estranhos. Estamos no século XXIII, em um mundo de práticas quase medievais; o escambo impera e não há o menor sinal da tecnologia que conhecemos nos dias de hoje. Por que esse retrocesso? Os irmãos não conhecem a história da humanidade, assim como não sabem por que a mãe desapareceu, e estão em busca de respostas. Algumas delas estão escondidas em um jogo proibido, que com suas peças de cerâmica, o tabuleiro em forma de labirinto e o baralho ilustrado vai transformar a vida dos gêmeos e de toda Salicanda - um lugar onde ninguém quer se lembrar do passado.

A Trama: Se esse "Estamos no século XXIII" te fez pensar em uma distopia emocionante, esqueça, passa bem longe disso. A impressão que tenho é de a autora ter se perdido na própria história, pois boa parte do livro é tão monótona que eu me perguntava onde ela tirou toda aquela emoção que a sinopse passa. Tudo bem que o livro é introdutório, mas grande parte das explicações é enrolada demais e certos detalhes podiam ser cortados sem alterar a história, só aumentaria seu ritmo.
Depois de uma grande catástrofe os sobreviventes se isolaram em povoados distantes um do outro. Um clima de idade medieval, quase sem tecnologias. Tudo relacionado a "Os Tempos de Antes" é considerado tabu. Algo que achei irritante é o livro inteiro se passar apenas com a interação dos personagens, sem gerar nenhuma ação. E Os GF seguiu essa receita até o final, e fiquei me perguntando se haveria alguma coisa que não me fizesse meditar.

A Protagonista: As personalidades de Jad e Claris foram bem formadas, e tivemos muito tempo de aturar e apreciar suas diferenças. Enquanto Claris pratica todo tipo de esporte ao ar livre, Jad tem uma saúde fragilizada. Nas cenas de "brigas" entre eles, percebi que a autora fez de tudo para soar engraçado igual toda discussão de irmãos que querem irritar um ao outro, mas achei forçado e não convenceu. Desde o começo do livro, os gêmeos fazem telepatias um com outro, e a autora não se cansou de dizer que desde que nasceram tinham essa habilidade. Mas o crescimento interno e externo de ambos é notável até o final do livro.

Os Personagens Secundários: Os personagens têm personalidades fortes, e atributos específicos e pude visualizar bem cada um. Esse foi o lado bom do livro. E junto com o lado ruim, foi a ênfase que a autora fez repetidas vezes em cima desses detalhes.
Chandra é aquela mãe coruja, que cuida como um filho, de todas as crianças pelas quais é responsável. Não conseguia tirar da cabeça a imagem da sra. Wesley quando ela aparecia. Já Blaise teve maior peso na história, por conhecer a profecia que envolve os gêmeos e faz o típico papel de "sábio sabichão". Meu preferido foi Ugh por ele não ser neurótico e não viver em conflitos. Mas achei que as atitudes dos personagens ficaram repetitivas.

Capa, Diagramação e Escrita: A capa tem um tom sobrenatural místico, algo que só a sinopse reserva. As letras são pequenas e apertadas. O livro é formado de partes e capítulos separados por títulos divisores de foco e tempo. Os elementos descritos são belíssimos, mas a narrativa é tão parada e rebuscada que eu não consegui imaginar nem apreciar, pois fica difícil acompanhar todas as informações. As faltas de pontuação foram o que mais me incomodou. Os diálogos podiam ter mais detalhes, pois eu os achei muito secos, apenas "disse ele" "disse ela" e para uma autora que detalha até a cor da terra, poderia ter moldado melhor as conversas.

Concluindo: Tive de fazer forçar para entrar no universo do livro. Há várias citações e menções de personagens de obras de literatura fantástica contemporâneas, como Eragon, Harry Potter, As Fronteiras do Universo, etc e foi interessante e inovador. Pena que em suma foi falho no requisito “fácil de se envolver.” Uma dica: leia apenas a sinopse, é a melhor parte do livro.

Quotes:


Um relógio soou, desfiando um canto de pássaro, era uma invenção de Blaise, o preceptor dos dois, visando atiçar neles algum interesse por ornitologia: em vez de bater como um relógio comum, badalava cantos de pássaros. Pica-pau às oito, canário às nova etc.


Aspirou, feliz, o cheiro da terra recém-revolvida. A grama encharcada estremecia como um pelo verde e macio, as folhas reluziam destacando-se com nitidez nos troncos mais escuros, a natureza inteira estava lavada. O céu, de um cinza perolado, até parecia maior.


Os humanos gastavam tempo à toa tentando dominar suas emoções ao invés de se entregar a elas.

Classificação: