Resenha - A Cidade Sombria

Resenha feita pela Luh!
Título: A Cidade Sombria
Título Original: The Dark City
Série: O Mestre das Relíquias
1- A Cidade Sombria
2- A Herdeira Perdida (1999 UK)
3- A Corda Oculta (2000 UK)
4- O Margrave (2001 UK)
Autor: Catherine Fisher
Editora: Bertrand
Páginas: 334
Ano: 2013 (Será lançado em breve)
Saiba mais: Skoob
Comprar: Em Breve!

Um série divertida, mas precisa ser melhor desenvolvida.

Sinopse: A única esperança para Anara, um mundo às portas da total devastação, reside em um mestre, seu aprendiz e nas antigas e ilegais relíquias com poderes misteriosos que eles colecionam. Ao saírem à procura de uma relíquia secreta com grande poder escondida há séculos, Raffi e Galen serão caçados, espionados e testados além dos seus limites, pois existem monstros — alguns deles humanos, outros não — que também desejam o poder desta relíquia até consegui-la.

A Trama: Esse é um daqueles livros que já começa repleto de ação. O leitor tem algumas poucas páginas para conhecer Galen, um velho Mestre das Relíquias que perdeu seus poderes recentemente e Raffi, seu aprendiz de dezesseis anos, antes que eles sejam "enganados" e forçados a partir em uma aventura. O início pode parecer um pouco confuso, já que a autora não perde tempo explicando nada e deixa que o leitor deduza o que está acontecendo, mas aos poucos é possível compreender melhor a situação.
O ritmo é frenético em certos trechos e lento em outros, porém é um livro rápido que mantém o leitor interessado. A trama é simples e direta, mas promete algumas reviravoltas e cenas incríveis. O final deixa o leitor muito curioso pelo próximo volume, entretanto também fiquei com muitas dúvidas.
O mundo criado por Catherine é um dos mais interessantes que já vi, uma mistura de fantasia e distopia que me deixou fascinada, porém me decepcionei muito com a falta de explicação para as coisas, a autora não nos oferece a história de como a situação ficou daquela maneira. Exemplificando, os "Mestres das Relíquias" tem certos poderes mágicos, mas eles parecem ser descendentes dos humanos comuns e não sabemos como essa magia surgiu. Além disso, não consegui definir se o livro se passa no presente, passado, futuro ou em alguma realidade alternativa, já que temos uma mistura de tecnologia, itens como caixas de fósforos, raças alienígenas e magia.

O Protagonista: Apesar de Raffi já ter dezesseis anos, eu imaginava ele com treze ou catorze. É um jovem muito perceptivo e esforçado, mas também tem um lado engraçado e meio medroso. Gostei muito dele como protagonista, é aquele tipo de personagem capaz de te fazer bufar em uma página e rir na próxima, sem ficar forçado, mas ao mesmo tempo ele não é um personagem muito complexo (ou desenvolvido).

Os Personagens Secundários: Carys me ganhou desde sua primeira menção na trama. Uma garota inteligente, corajosa e independente que recebeu uma missão difícil e faz o possível para ser bem-sucedida, porém, ao mesmo tempo, é amável e tenta proteger as pessoas com quem se importa. Apesar de não ser a protagonista, ela recebeu muito espaço na trama e provavelmente gostei tanto dela porque seus capítulos eram escritos em primeira pessoa, em forma de diário, enquanto os capítulos comuns eram narrados em terceira pessoa. O velho Galen conseguiu me irritar às vezes, com seu jeito teimoso e inconsequente, mas foi um bom companheiro para Raffi.
Há alguns outros personagens, mas eles não recebem muito espaço na trama e parecem estar lá só para 'cumprir uma função', desaparecendo logo em seguida.

Capa, Diagramação e Escrita: Não sou apaixonada por essa capa, mas ela combina bastante com a trama e ficou muito melhor que a original. Como recebi uma prova do livro, não posso comentar muito sobre a diagramação, mas no início de cada capítulo há um trecho de algum livro fictício que seja importante no mundo criado pela autora, e as páginas dedicadas à esses trechos parecem ter ficado maravilhosas.
Não sou fã da escrita da Catherine nesse livro, senti muita falta de descrições e detalhes, mas isso provavelmente está relacionado ao fato de ser um livro infanto-juvenil, onde o público alvo não tem paciência para longas descrições. Ainda assim, a escrita da autora é envolvente e manteve a trama interessante até nos trechos mais lentos.

Concluindo: É um livro divertido para quem está procurando um passatempo, mas precisa de muito mais desenvolvimento para se tornar uma fantasia de qualidade. Os personagens, entretanto, são muito carismáticos e a trama tem ação e mistério do início ao fim.

Classificação: