Resenha - Laços de Sangue

Resenha feita pela Luh!  
Título: Laços de Sangue
Título Original: Bloodlines
Série: Bloodlines
1- Laços de Sangue (2013)
2- O Lírio Dourado (2013)
3- O Feitiço Azul (2014)
4- The Fiery Heart (2013 US)
5- Silver Shadows (2014 US)
Autor: Richelle Mead
Editora: Seguinte
Páginas: 432
Ano: 2013
Saiba mais: Skoob
Comprar: Submarino // Extra // Saraiva // Fnac

Um bom início.
Aviso: Apesar de não ser necessário, recomendo ler a série Academia de Vampiros antes de começar essa série, já que ela se passa depois da primeira e contém alguns spoilers. A resenha não tem spoilers de nenhum dos livros.

Sinopse: Sydney estava encrencada. Em sua última missão, ela tinha ajudado a dampira Rose Hathaway a escapar da prisão, e essa aliança foi considerada uma traição grave, já que vampiros e dampiros são criaturas terríveis e antinaturais, ameaça àqueles que os alquimistas devem proteger - os humanos. Com sua lealdade colocada em questão, Sydney se sente obrigada a voluntariar-se para uma tarefa nada agradável - ajudar a esconder Jill Dragomir, uma princesa vampira que está sendo perseguida por rebeldes que querem o poder. Caso ela seja capturada e assassinada, a rainha Lissa ficará sem nenhum parente vivo e, como manda a lei, terá de abdicar do trono - o que culminará numa guerra civil tão sangrenta no mundo dos vampiros que certamente afetará a humanidade.
Assim, pelo bem dos humanos, Sydney aceita se disfarçar de estudante e passa a conviver diariamente com Jill e seu guardião Eddie, quando os três são matriculados como irmãos no último lugar em que qualquer um procuraria a realeza dos vampiros - a Escola Preparatória Amberwood, em Palm Springs, na Califórnia. Mas entre uma pizza e outra, entre um jogo de minigolfe e uma conversa sobre garotos, ela começa a ter a sensação de que talvez esses seres estranhos não sejam tão maus assim, principalmente Adrian, um vampiro muito próximo de Jill que desperta os sentimentos mais contraditórios - e proibidos - em Sydney...

A Trama: Não sei bem como classificar a trama. O ritmo foi lento pela maior parte do livro, porém isso é necessário para criar a "base" da história. Entretanto, o maior defeito do livro é que algumas partes da trama eram extremamente óbvias logo de início para quem já leu a série anterior, entretanto a autora demora centenas de páginas para revelar as respostas. Tendo dito isso, a história do primeiro livro de Academia de Vampiros também não foi extremamente excitante, já que a autora gosta de construir a trama aos poucos, então eu acredito que o próximo livro terá melhorado muito nesse aspecto. Ainda há algumas cenas de ação com direito a magia, assassinos, vampiros malvados e traições e eu amei o final por ter resolvido a maioria dos conflitos e mistérios do livro, mas ainda mantendo uma trama mais geral que provavelmente se estenderá por vários volumes da série. 

A ProtagonistaApesar de Sydney não ser tão ruim, ela não é a melhor das protagonistas. Ela tem certos defeitos irritantes, mas compreensíveis, como um medo irracional de magia e uma obediência sem limites. Minha maior dificuldade com a protagonista é que ela nunca defendia a si mesma na frente de outros Alquimistas. Contudo, com o avanço do livro, o leitor conhece mais de Sydney e seu passado e ela vai melhorando aos poucos.

Os Personagens Secundários: Apesar de não ser o protagonista, Adrian ganhou muito espaço na trama, se tornando meu personagem predileto, e eu adorei acompanhar sua reação ao que aconteceu no livro anterior. Adrian tem uma personalidade complicada, sendo divertido e charmoso na maioria das vezes, e em certas ocasiões ele revelava a tristeza por trás dos sorrisos e eu sentia muita pena dele. Eddie continua o mesmo, com um grande instinto de proteção e sendo muito seguro e confiante em seu papel de "derrotar todos os inimigos".
Jill foi a única personagem que me pareceu totalmente diferente de como era na série anterior. Antes Jill era uma garotinha inocente e alegre que sempre falava demais, agora ela está com um humor muito mais sombrio e não há muita semelhança com a antiga Jill. Outro problema que eu tive é que todos os personagens masculinos com uma idade aproximada se apaixonavam por Jill, enquanto para mim ela era uma personagem bem sem-graça.

Capa, Diagramação e Escrita: Adorei essa capa! Ela parece a de um livro clássico e fiquei muito feliz por não ser a capa americana, que tem os rostos de alguns personagens.
Acho que a escrita da Richelle mudou um pouco para se adaptar à personalidade da protagonista, a autora se tornou mais descritiva, mas é possível reconhecê-la nos diálogos brilhantes e divertidos. 

Concluindo: Eu tinha expectativas muito altas para esse livro e elas não foram correspondidas, por fim a série tem potencial e o livro foi bom, então estou ansiosa pela continuação.


Classificação: