Resenha - A Estrela que Nunca Vai se Apagar


Resenha feita pela Maay!  
Título: A Estrela que Nunca Vai se Apagar
Título Original: This Star Won´t Go Out
Livro Único.
Autores: Esther Earl com Lori e Wayne Earl
Editora: Intrínseca
Páginas: 448
Ano: 2014
Saiba mais: Skoob
Comprar: Fnac // Saraiva // Extra

Simplesmente é impossível ficar indiferente à história de Esther.

Sinopse: Diagnosticada com câncer da tireoide aos doze anos, Esther Grace Earl era uma adolescente talentosa e cheia de vida. Fazendo jus ao nome, que em persa significa “estrela”, ela marcou todos em seu caminho com sua generosidade, esperança e altruísmo enquanto enfrentava com graciosidade o desgaste físico e mental causado pela doença. Filha, irmã e amiga divertida, alto-astral e inspiradora, Esther faleceu em 2010, logo após completar dezesseis anos, mas não sem antes servir de inspiração para milhares de pessoas por meio de seu vlog e dos diversos grupos on-line de que fazia parte. A estrela que nunca vai se apagar é uma biografia única, que reúne trechos de diários, textos de ficção, cartas e desenhos de Esther. Fotografias e relatos da família e de amigos ajudam a contar a história dessa menina inteligente, astuta e encantadora cujos carisma e força inspiraram o aclamado autor John Green a dedicar a ela sua obra best-seller A culpa é das estrelas.

A Trama: É difícil falar sobre a trama de uma biografia, principalmente sobre essa, pois dizer que o livro conta a história de Esther parece pouco. A obra reúne, sim, pensamentos dela e daqueles que tiveram a sorte de tê-la em sua vida - mas é muito mais do que isso.
É uma história real, de uma garota incrível que buscava a felicidade não só para ela, mas para qualquer um que estivesse por perto. Uma pessoa genuinamente boa, altruísta, engraçada, alegre, daquelas que a gente tem até dificuldade em acreditar que existem. Porém, ao mesmo tempo, apenas por saber que uma pessoa assim habitou o mundo, a nossa esperança se renova.
Mas é, também, a história de uma menina com uma doença, de uma família obrigada a conviver com a morte eminente de uma pessoa jovem e que soube aceitar isso brilhantemente. E é claro, de uma criança que partiu cedo demais.

Capa, Diagramação e Escrita: A editora fez um ótimo trabalho com esse livro. Num primeiro momento o excesso de detalhes nas páginas pode até parecer incômodo, mas sejamos honestos, dá um toque de realidade imenso à obra - parecia que eu estava lendo o diário verdadeiro de Esther, aquele que ela segurou em suas mãos.
Agora, sobre a escrita... A narrativa epistolar faz com que a leitura seja fluída e rápida, e é um fator que me agrada muito. Mas, também não vou desmerecer o dom da "autora". Realmente, com a sua morte o mundo perdeu uma brilhante escritora.
No final do livro, existem alguns trechos de ficções inacabadas de Esther, e olha, se com (no máximo) 16 anos ela tinha tanta criatividade, imagino o que seria dessa garota se chegasse a idade adulta.

ConcluindoNão vou dizer que o livro é triste, pois tiraria todo o mérito dos momentos bons que Esther viveu ao lado da família e amigos. Agora, que é absurdamente tocante, isso é. E confesso, chegou um momento em que tive que parar de ler, respirar fundo, e só pegar o livro no dia seguinte. Havia tempo que um livro não me fazia chorar tanto.
Esther não merecia ter partido tão cedo, mas, se ela tinha medo de morrer sem fazer algo importante, agora ela pode descansar em paz. Porque, sinceramente, eu duvido que essa obra não mude, ao menos um pouquinho, a vida de cada um que tiver a oportunidade de lê-la.
Se vale a leitura? Vale. Para quem leu A Culpa é das Estrelas, para quem não leu, para quem é ou não fã de biografias, para qualquer um. É uma verdadeira lição de vida, e meu único "arrependimento" é não ter tido a oportunidade de conhecer Esther ainda em vida.

Quotes:
Quando o dia chegar, seja em um, dez ou cem anos, eu não quero que vocês pensem em mim e fiquem tristes. Mesmo agora que estou viva, não pensem em mim e digam "Pobrezinha. É uma pena que ela esteja doente". Não que vocês façam isso. Pensem em mim e pensem na luz do sol e no quanto amo animais e desenhar coisas bonitas.

Ela só me abraçou, me apertou com força, não disse nada, não disse nada. E agora eu percebo que aquilo foi… Aquilo foi a melhor maneira de demonstrar amor por alguém. Abrace essa pessoa com força, faça-a se sentir amada, deixe que o amor passe por vocês.
 

Classificação: