Resenha - Fênix: A Ilha

Resenha feita pela Luh!  
Título: Fênix: A Ilha
Título Original: Phoenix Island
Livro Único.
Autor: John Dixon
Editora: Novo Conceito
Páginas: 336
Ano: 2014
Saiba mais: Skoob
Comprar: Submarino // Fnac // Saraiva

Bem diferente do que eu esperava.

Sinopse: Sem telefone. Sem sms. Sem e-mail. Sem TV. Sem internet. Sem saída. Bem-vindo a Fênix: A Ilha. Na teoria, ela é um campo de treinamento para adolescentes problemáticos. Porém, os segredos da ilha e sua floresta são tão vastos quanto mortais. Carl Freeman sempre defendeu os excluídos e sempre enfrentou, com boa vontade, os valentões. Mas o que acontece quando você é o excluído e o poder está com aqueles que são perversos?

A Trama: O livro já começa com o julgamento de Carl, onde ele é sentenciado a ir para a ilha, e há um resumo breve de seu passado.
Carl é um garoto que costumava ter uma vida feliz, até que sua mãe morre e ele começa a arrumar brigas com alguns garotos. Quando vira órfão, o protagonista sai de controle e vai arrumando uma briga atrás da outra, sempre com os "valentões", e vai se tornando cada vez melhor nisso. Agora, com 16 anos e após passar por incontáveis juízes, Carl é enviado para a ilha Fênix, um lugar remoto com rotina militar onde o garoto precisa mudar de verdade ou irá para a cadeia.
A trama é cheia de ação e suspense, a ilha Fênix tem tantos segredos que o leitor nem consegue descobrir todos, e o ritmo é bem rápido. O final não foi ruim, mas eu esperava algo diferente. Na verdade, eu esperava algo diferendo do livro inteiro, porém ainda gostei bastante. Minha única reclamação é a violência desnecessária, haviam várias cenas bem nojentas gráficas que pareciam não contribuir em nada para a trama.


O ProtagonistaInfelizmente não consegui compreender Carl muito bem, tenho a sensação de que eu não tinha nada em comum com o personagem. Carl tem um temperamento explosivo misturado com um complexo de herói, não consegue ver alguém sendo maltratado e não sair em defesa da pessoa. O meu problema foi que ele também era extremamente arrogante e o autor transformou-o em um verdadeiro Rambo. Não quero dar spoilers, mas o garoto sofria ferimento após ferimento (até tiros) e não morria, eu já estava me sentindo frustrada com a invencibilidade dele.

Os Personagens Secundários: Alguns dos personagens secundários eram muito interessantes, como O Ancião, um homem misterioso e bem lunático, e Octavia, uma garota doce e meio estranha. Por outro lado, a maioria dos personagens parecia ser bem superficial, principalmente os "vilões", que eram cruéis e malvados sem explicação.

Capa, Diagramação e Escrita: A capa não me parecia ter nada de especial, mas ela faz muito sentido após saber que Carl era campeão de boxe. Só não gostei nem um pouco da propaganda toda que a editora está fazendo sobre a série de tv Intelligence ser baseada no livro, a única coisa que os une é um detalhezinho pequeno e se você pegar o livro esperando qualquer coisa semelhante à série, terá uma tremenda decepção.
A escrita do John é muito boa, ele consegue detalhar as cenas muito bem e eu chegava a ter arrepios em algumas cenas de tortura, porém acredito que ele não soube transmitir direito os sentimentos dos personagens.

Concluindo: Foi totalmente diferente do que eu esperava, é um livro bem violento e cheio de mistérios, mas ainda foi bem divertido. As cenas de tortura não são tão ruins se comparadas a um livro do George R. R. Martin ou Bernard Cornwell, porém ainda não recomendo para quem tem estômago fraco.


Classificação: