Resenha - Quem Sabe Um Dia

Resenha feita pela Maay!
Título: Quem Sabe Um Dia
Título Original: Someday, someday, maybe.
Livro único.
Autor: Lauren Graham
Editora: Record 
Páginas: 367
Ano: 2013
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Extra // Fnac // Submarino

Uma surpresa D-E-L-I-C-I-O-S-A!

Sinopse: Quando se mudou para Nova York, Franny Banks deu a si mesma três anos para conseguir se estabelecer como atriz. E agora, em janeiro de 1995, faltando apenas seis meses para o fim do prazo, ela não conseguiu grandes avanços. Todas as suas fichas estão depositadas na Apresentação, uma mostra dos alunos do curso de teatro do qual faz parte com diversos agentes presentes. Assim, resta a Franny lutar contra a conta bancária, o cabelo indomável, o tempo e a própria sorte para conseguir aquilo que acredita ser seu por direito.

A Trama: Franny Banks tem seis meses para fazer sua carreira como atriz deslanchar. Em seis meses, seu prazo de três anos vence e é claro que a nossa protagonista não vai desistir sem lutar.
Nessa história, não conhecemos somente a história de Franny. Lauren nos apresenta, também, um pouquinho sobre a realidade do show business - e sob a ótica de quem entende, né. Porque, não sei se vocês repararam no nome, mas a autora é nada mais nada menos que a querida Lorelai de Gilmore Girls e Sarah Braverman de Parenthood
O livro se passa em 1995, então, além de tudo, dei boas risadas relembrando a época das secretárias eletrônicas de fita, do fax, da ausência de celular...

Os Personagens: Franny é uma comédia, sério. Eu adorei a protagonista, adorei mesmo. É a típica protagonista de um chick-lit. Engraçada, linda, insegura... Aquele clichê que eu adoro!
Os personagens secundários talvez tenham sido o ponto que menos me agradou no livro. Eles são ótimos, mas não sei, senti que não os conheci o suficiente, sabem? Queria mais de todos eles, todos mesmo! Mas, principalmente, de Barney Sparks.

Capa, Diagramação e Escrita: A capa é uma graça, mas quanto a aparência, a editora me ganhou mesmo foi pela diagramação. No geral ela é simples, mas, há algumas páginas da agenda de Franny entre os capítulos. E gente, são de perfeição sem medida. A Record é conhecida por normamente optar pelo básico, mas mostrou que quando precisa, sabe muito bem humilhar a concorrência (haha). 
O livro é narrado em primeira pessoa por Franny, e a escrita... Você pega o livro de uma atriz super famosa, e não espera uma coisa boa. Pelo menos, eu não esperava. E superou todas as minhas expectativas. Se eu já era fã da Lauren como atriz, como escritora então, sem comentários. Quero o próximo livro dela já!

Concluindo: O livro é um chick-lit típico, mas em 1995. Tem tudo o que um livro nesse estilo precisa ter, e cumpre seu papel de entreter. Não é extraordinário nem nada, mas é bom. Eu indico. 
Agora, explicando minha empolgação... Eu peguei esse livro para ler sem expectativa alguma, e confesso, foi isso o que fez eu gostar tanto. Essa surpresa. Eu subestimei demais a história de Franny, e a reação que tive após ler a última frase realmente me foi inesperada. Eu quero mais! Como assim não tem continuação?!?!?!?


Quotes:
- Meu pai, o grande diretor da Broadway Irving Sparks sempre dizia: "Qualquer um consegue sorrir no seu melhor dia. Gosto de conhecer homens que conseguem sorrir no seu PIOR". 



- Como meu pai, o grande diretor da Broadway Irving Sparks, sempre costumava dizer: "Todos nós temos que começar de algum lugar". Então comece de algum lugar, qualquer lugar, e me dê uma ideia do que você gostaria de fazer. 

Classificação: