Resenha - Real

Resenha feita pela Tay!
Título: Real
Título Original: Real
Série: Real
1- Real
2- Mine (2013 US)
3- Remy (2013 US)
4- Rogue (2014 US)
5- Ripped (2014 US)
Autor: Katy Evans
Editora: Novo Século
Páginas: 304
Ano: 2014
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Fnac // Extra

SinopseRemington Tate tem a reputação de ser um bad boy, dentro e fora. É conhecido também pelo corpo escultural e pelo poder, sexy e selvagem, que emana de cada gota de suor, levando toda e qualquer mulher que o veja a um verdadeiro frenesi. Em seus olhos, brilha um desejo brutal, devastador e real. Brooke, uma especialista em fisioterapia esportiva, é contratada para manter aquele corpo funcionando como uma máquina mortal. Esse parecia ser seu emprego dos sonhos, mas, ao circular pelo perigoso circuito de lutas clandestinas com Tate e sua equipe, Brooke passa a ser dominada por um novo sentimento, um fogo e uma necessidade com os quais ela não sabe lidar. O que começa com um simples flerte pode virar uma obsessão sexual incontrolável. Terríveis segredos serão revelados, e Brooke deverá lutar para manter-se sã, discernindo o que há de real e o que é pura ilusão em seus próprios sentimentos.

A Trama:  Quando Brooke é arrastada pela sua melhor amiga para a luta de Remington Tate, ela não tinha a menor ideia de que se sentiria atraída instantaneamente por aquele homem assim que ele fixou os olhos nela lá do ringue. Mas foi isso o que aconteceu. E quando acabou com seu adversário, Remy só conseguia olhar para uma direção: a dela. Mesmo quando tenta ir embora, Remingtor “o Arrebentador” Tate, pula do ringue e vai atrás dela, com um desejo primal de saber seu nome. Depois, ele acaba descobrindo o endereço dela e envia ingressos para sua próxima luta, com uma credencial para que ela possa visitá-lo na sala de preparo, e logo depois vem a proposta: Remy quer que ela trabalhe para ele como reabilitadora, cuidando de seu corpo sempre que ele terminar uma luta. Meio desapontada, pois esperava outra coisa desse encontro, Brooke aceita a proposta, pois tem muito tempo que ela estava procurando um emprego. Ela só não esperava que, conforme o tempo e a convivência com Remy fossem se passando, seus sentimentos por ele começassem a se intensificar tanto, que era difícil suportar os momentos ao lado dele sem poder tê-lo.
Honestamente, a trama não trás nada de novo e eu meio que me irritava com algumas situações e ações dos personagens. Um ou outro momento trás partes fofas e que dá até uma sensação de esperança, mas a história em si não tem nenhuma novidade que valha a pena tantos burburinhos e tantas notas altas por aí. Além do mais, até agora não entendi a atração instantânea que Remy sentiu por Brooke só de olhar para ela.


A Protagonista: Eu senti que Brooke era uma adolescente no corpo de uma mulher de 24 anos. Ela perdeu boa parte dessa fase de sua vida treinando para as Olimpíadas, mas com uma fratura no seu joelho foi impossibilitada de continuar. Acho que ela foi o principal motivo de eu ter tido que suportar boa parte do livro. Sério, um pouco mais da metade é ela dizendo, em TODAS AS PÁGINAS, o quanto ela queria ter Remy, e o quanto ele a fazia sentir espasmos e ficar excitada só de olhar para ela, ou de socar outros caras, ou de se mexer, ou de respirar... Acho que até de ver ele peidar ela molhava a calcinha. Desculpa, mas é verdade. Ela precisa ir ao ginecologista urgentemente.

Personagens Secundários: Remy não me conquistaria. Não me importa todos os músculos, toda a testosterona exalando pelos poros ou a voz grave. Ele seria o tipo de cara que eu teria prazer em manter distância. Tá que ele pode ter um coração bom e blá blá blá, mas as explosões violentas do cara de uma hora para outra seriam o suficiente para me manter afastada. Daí a mensagem da autora de que a Brooke gosta dele apesar das dificuldades, mas, sério, mesmo em seus dias normais e quando ele tenta fazer algo legal, eu achei o cara muito um pouco escroto. Eu adoro gosto de bad boys literários, mas Remy seria difícil de engolir.
Melanie, melhor amiga de Brooke, é aquela pessoa radiante e que fala as besteiras que a protagonista não tem coragem de dizer em voz alta. Eu teria gostado dela, se não tivesse sido tão estereotipada ao ponto de nem se destacar. Quanto a Pete e Riley, que sempre estão com Remy, acontece praticamente a mesma coisa. Eles não se destacaram e não me conquistaram, foram tão pouco trabalhados, que pareciam mecânicos.

Capa, Diagramação e Escrita: A capa mata qualquer moça do coração. É bonita e combina com a história, e gostei bastante da fonte do título. A diagramação está bem simples, mas boa de ler. Encontrei pouquíssimos erros durante a leitura. Agora, a escrita da Katy... Não é boa, nem é ruim. Só acho que ela exagerou de mais nas palavras de baixo calão (não apenas nos palavrões). Não vi necessidade da Brooke se sentir daquele jeito o tempo todo. Ela tentou criar um ar sensual e erótico narrando dessa forma, mas foi tudo tão exagerado, que eu praticamente não consegui sentir nada. E não posso deixar de citar uma das coisas que mais me incomodou (e tenho certeza que isso serviu para encher linguiça): depois que Brooke e Remy transam pela primeira vez, é praticamente a única coisa que eles fazem no decorrer do livro.

ConcluindoNão sei se vou continuar a ler a série (que já tem 5 livros). Eu tive que me segurar muito para não pular partes repetitivas e cansativas – mas pulei quando a Brooke se lembra de quando conheceu Remy (a autora só deu ctrl+c + ctrl+v do que já tinha escrito no início). Os personagens não conseguiram me conquistar completamente, mas consegui me divertir e me envolver com algumas partes da leitura, mesmo tentando ignorar os pensamentos de Brooke, que até chegam a dar um pouco de vergonha alheia. Com certeza não foi o melhor New Adult que eu li (meu favorito ainda é Entre o Agora e o Nunca, mesmo com o final flopado), mas se você gosta do gênero, leia e tire suas próprias conclusões. Você pode gostar mais do que eu ;D.

Quotes:
Do outro lado do ringue, à minha frente, uma mulher orgulhosamente sacode no ar um cartaz dizendo "A cachorra nº1 de Remy", e grita com toda a força de seus pulmões na direção do homem, acho que para o caso de ele não saber ler ou não notar as letras rosa neon ou o brilho do cartaz.


(...) Um frisson de energia nervosa passa por mim, não porque ele é extremamente lindo deste perfeito ponto de vista - porque ele é, ele definitivamente é, nossa, ele realmente é -, mas sobretudo porque ele está olhando direto para mim.


Acho que gosto dele, e não gosto disso.


Sei que isso é loucura, que nunca vai acontecer, que nunca poderá acontecer, mas não posso evitar. Ele é como as Olimpíadas para mim, algo que nunca vou ter, mas que desejo com todo o meu ser. (...)


(...) - Você vai me deixar no segundo em que a coisa ficar complicada, e vai me deixar sem nada, quando quero você como nunca quis nada na minha vida. Você é tudo em que penso, tudo com que eu sonho. Fico descontrolado e isso é por sua causa, não se trata mais de mim. Não consigo dormir, não consigo pensar, não consigo me concentrar em mais nada e tudo porque eu quero ser a porra do "único" pra você, e assim que você perceber o que sou, tudo o que eu vou ser será uma porra de um engano!


- Eu machuco tudo o que toco. Eu destruo as coisas! Essa é a única coisa em que sou bom. (...)


(...) E percebo que talvez sinta um pouco de medo, porque nunca dei meu coração a ninguém antes de Remington. E ele tem a força para bater nele tão duro quanto bate em seus adversários.


- (...) Ele não é apenas uma estrela, ele é toda a merda de um céu para mim. Ele é o Sol e todos os planetas nesta galáxia. (...)

Classificação: