Quinta das Capas #61

Sem Pessoas


Hoje é a segunda parte das capas que não mostram pessoas ou partes delas. Escolhi algumas capas bonitas nesse estilo para mostrar que uma modelo não é necessária para uma capa que chama a atenção!

Nunca canso de admirar os detalhes lindos de O Alquimista, acho que a capa ficou maravilhosa com todos esses símbolos e adorei as fontes utilizadas. Não sei porque Die For Her me conquistou, a capa nem sequer é de um livro (e sim de um conto), porém eu amei as cores. Azul da Cor do Mar foi uma daquelas que não dei muita bola da primeira vez que eu vi, mas aos poucos fui entendendo a beleza simples da imagem, amei que o título parece escrito na areia.

Uma capa que muitos adoram, meu detalhe predileto de Cidades de Papel é que o título parece estar no mapa, ficou super fofo. Se você reparar bem, tem uma pessoa pequenininha em O Universo Contra Alex Woods, mas roubei e coloquei o livro aqui porque a imagem tem algo original e interessante que merece destaque! Outra imagem genial é a de O Menino da Mala, por ser um "chão" com uma mala, e a editora teve o cuidado de não colocar nenhum escrito fora da mala para não estragar a ilusão do chão.

Acho que não gosto tanto de Você Está Sendo Vigiado, a capa não é ruim, porém me lembra algum filme antigo de terror e não é muito original. Ainda assim, passa aquela sensação de que alguém realmente está vigiando a casa. Não sei como algo como um bando de chaves antigas rendeu uma capa tão legal, mas foi o que aconteceu em Jeremy Fink e o Sentido da Vida, só não gostei tanto daquele verde com amarelo. A última capa de hoje também é a minha predileta, como não gostar do contraste entre o castelo e a cidade, ou das cores em Once Upon a Time? Amei!