Resenha - O Peculiar

Resenha feita pela Tay!
Título: O Peculiar
Título Original: The Peculiar
Série: O Peculiar
1- O Peculiar
2- The Whatnot (2013 US)
Autor: Stefan Bachmann
Editora: Gelera Junior
Páginas: 271
Ano: 2014
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Submarino // Americanas // Extra

SinopseParte romance gótico, parte mistério e aventura steampunk. Após a invasão do mundo pelos seres mágicos, as fadas foram aceitas entre os mortais, mas os mestiços não têm lugar. Os irmãos Barthy e Hettie vivem com medo. Tudo piora quando Peculiares são encontrados, ocos, boiando no Tâmisa. Mas eles estão seguros em Bath, não? Talvez... Se não fosse pela misteriosa dama em veludo ameixa que aparece na vizinhança. Quem é ela? E o que quer?

A TramaHá muito tempo, fadas foram expulsas de sua terra e jogadas em uma cidade chamada Bath, na Inglaterra. Agora, fadas e humanos vivem juntos, mas essa convivência não é muito boa o tempo todo. Muitos anos depois, o país é dividido entre essas duas espécies, além dos autômatos andando pelas ruas em formas de animais ou uma cópia “não terminada” de pessoas. O mundo é bem diferente do nosso, mais fantasioso, mas posso dizer que os defeitinhos da nossa sociedade estão espelhados lá, como preconceitos e intolerância ao diferente, além dos políticos corruptos! Nos últimos dias, foram encontrados os corpos ocos de nove Peculiares (crianças híbridas de humanos e fadas, abominadas por ambas as partes, por isso seus pais as escondem do mundo). No decorrer da trama, nós vamos acompanhando dois protagonistas, enquanto eles fazem suas descobertas sobre o que está acontecendo com o seus mundos. Um deles está mais perto da realidade, enquanto o outro quer apenas proteger sua irmãzinha. Ambos se deparam com um mundo sombrio e cheio de segredos, onde o mal procura tomar forma e causar a destruição de todos.
É fascinante e por vezes cansativo acompanhar os dois em suas respectivas buscas, o mundo criado pelo autor é bem desenvolvido e detalhado, nos permitindo imaginar tudo com perfeição. A trama é bem interessante, apesar de no começo eu não entender onde aquilo tudo levaria. Mas valeu a pena acompanhar e esperar as palavras traçarem um caminho até o desfecho.

Os Protagonistas: Começando por Bartholomew, o garotinho Peculiar que quer proteger a irmã. Como todos os peculiares, ele vive escondido (como sua mãe sempre diz: "não seja notado e não será enforcado"), mas dá para ver a vontade de conhecer o mundo que ele tem. Quando colocava uma coisa na cabeça, ia até o fim, mesmo com as advertências da mãe de que aquilo não teria um resultado muito bom. Persistente e corajoso seriam duas definições muito boas para ele. Gostei bastante do personagem.
Arthur Jelliby trabalha no “governo”, digamos assim, e descobriu o segredo por trás das mortes dos nove Peculiares. A partir desse momento, sua vida vira de cabeça para baixo, e mesmo se dizendo para não se meter com aquilo, ele não consegue deixar baixo o fato de que alguém está matando crianças. Era determinado e, mesmo se questionando várias vezes se aquilo era o certo, acabava optando por tentar a sorte e salvar todo mundo. Gostei dele também, apesar de algumas de suas partes (no início) terem sido um pouco cansativas.

Personagens SecundáriosEu adorei Hettie (irmã de Barthy)! Apesar de termos pouco contato com a personalidade dela, eu gostei da garota. É uma Peculiar, como o irmão, e tem galhos na cabeça ao invés de cabelos. Sua inocência de criança a deixou muito fofa, e eu queria poder conhecê-la. A mulher de ameixa, que Barthy vê do sótão de sua casa, é uma personagem bem importante, e prefiro não falar muito sobre ela para não estragar a surpresa. Quanto aos outros personagens não posso falar muito sem entregar spoilers da história, então prefiro deixar para vocês conhecerem eles aos poucos quando lerem ;D

Capa, Diagramação e Escrita: A primeira coisa que me chamou a atenção foi a capa, que é muito linda (e me lembrou um pouquinho daquela animação “Robôs”) e tem a ver com a história, o que fica mais legal ainda quando você descobre o sentido (principalmente da imagem na contracapa). O pássaro (incluindo o papel escrito o nome do livro) é em alto relevo, e a cidade e as penas pretas têm um vernizinho, o que deixou mais bonito. E a lombada do livro também é linda *-*. A diagramação é a usual da editora, com uma pena embaixo do título de cada capítulo e outra em volta do número da página que inicia o capítulo. A escrita do autor flui bem, apesar de ter me cansado só em alguns momentos. Gostei de suas caracterizações e de como conduziu a história.

ConcluindoO livro vale a pena para quem gosta de infanto-juvenil e quer conhecer uma forma diferente de história com fadas. Fiquei bem curiosa para ler o próximo livro e me aventurar mais uma vez nesse universo com os personagens, e acho que, se o autor conseguir trabalhar bem na trama do próximo livro, a série pode vir a se tornar fantástica.

Quote:
Era um equilíbrio delicado, e Bartholomew se sentia um pouco orgulhoso ao pensar em como sua mãe lidava bem com aquilo. Caso ficassem muito expostos, seriam descobertos; e se eles se escondessem demais, as pessoas começariam a mexericar, preenchendo tudo que não sabiam com as próprias suspeitas horrorosas. (...)

Classificação: