Resenha - Passarinha

Resenha feita pela Tay!
Título: Passarinha
Título Original: Mockingbird
Livro Único.
Autor: Kathryn Erskine
Editora: Valentina
Páginas: 224
Ano: 2013
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Submarino // Fnac

SinopseNo mundo de Caitlin tudo é preto ou branco. As coisas são boas ou más. Qualquer coisa no meio do caminho é confuso. Essa é a máxima que o irmão mais velho de Caitlin sempre repetiu. Mas agora Devon está morto e o pai não está ajudando em nada. Caitlin quer acabar com isso, mas como uma menina de onze anos de idade, com síndrome de Asperger ela não sabe como. Quando ela lê a definição de encerramento ela percebe que é o que ela precisa. Em sua busca por ele, Caitlin descobre que nem tudo é preto ou branco, o mundo está cheio de cores, confuso e bonito.

A Trama: Nesse livro nós vamos ver o mundo pelos olhos de uma menina de dez anos, autista, portadora da Síndrome de Asperger. A trama foi desenvolvida com base no massacre da Virginia Tech University em 2002, onde 33 pessoas foram mortas. A autora quis mostrar como uma pessoa com necessidades especiais poderia lidar com uma tragédia como essa. O irmão de Caitlin, Devon, foi morto em um tiroteio em sua escola, e agora a vida da menina e de seu pai não é mais a mesma, apesar dela ter dificuldades em demonstrar as emoções certas para aquela situação. Então Caitlin, que todos os dias tem que visitar a psicóloga da escola, começa a aprender que ela tem que tentar se socializar mais, fazer novos amigos, ter mais empatia. Mas tudo isso para ela é muito complicado, ainda mais agora que está sem Devon, que era quem ajudava-a em tudo. Ao descobrir a palavra “desfecho”, Caitlin, mais do que nunca, vai atrás de um significado para ela, procurando o Desfecho em todos os lugares, até ela finalmente Captar O Sentido.
Esse é um livro de sentimentos, onde nós acompanharemos uma garotinha com uma forma diferente de ver o mundo e de compreendê-lo. Eu gostei de acompanhar Caitlin e de entender melhor como alguém como ela enxerga as coisas a sua volta.

A ProtagonistaComo era de se esperar de alguém com Síndrome de Asperger, Caitlin é bastante antissocial e não vê nenhum problema nisso, não entende qual o sentido de precisar fazer amigos e entende as coisas de uma forma bem literal. Mesmo que ela não perceba, as outras crianças tentam se manter afastadas dela, por ela ser especial, o que, consequentemente, gera o bullying entre vários colegas. Ela adora desenhar e é bem inteligente, e não desiste de nada quando coloca aquela coisa na cabeça. Como eu disse, é possível compreender bem essa doença com o livro narrado sobre o ponto de vista dela, e eu gostei bastante de poder acompanhá-la enquanto aprendia coisas novas, fazia alguns amigos, tentava se comunicar com o pai. Era uma criança adorável, apesar de alguns ataques de PIB em público e não aceitar, de forma alguma, quando diziam que ela era autista.

Personagens Secundários: Michael perdeu a mãe no tiroteio na escola de Devon e também está sofrendo muito com isso. Ele é quatro anos mais novo que Caitlin, mas isso não impediu que os dois virassem amigos, mesmo com uma briguinha por parte da menina no meio do processo. A Sra. Brook, psicóloga da escola, tenta ajudar a menina a se socializar da melhor maneira possível. Gostei de como ela era paciente e queria mesmo ajudar. O pai de Caitlin estava sofrendo muito com a morte do filho mais velho, por isso só ficava amuado, triste e não tinha ânimo para nada. Posso dizer que ela conseguiu fazer seu pai “dar a volta por cima” e aprender a viver sem Devon.

Capa, Diagramação e Escrita: Essa capa é muito bonita, com um significado pertinente com a história, inclusive a menina estar em preto e branco. A diagramação está muito fofa, com um pássaro enfeitando o topo da página no início de cada capítulo. O texto é bem centralizado, deixando margens bem grandes, e a fonte é de um tamanho bastante comum, o que faz a leitura ser bem rápida. Eu gostei da escrita da autora, de como ela deu voz à Caitlin. As falas não são escritas da forma convencional, com travessão, são escritas apenas em itálico. E também não há muitas vírgulas, mas entendi isso como sendo a maneira rápida como Caitlin compreendia as coisas. No início temos uma nota do tradutor, onde ela explica que esse livro é cheio de simbolismos e jogos de palavras (no original em inglês) – e é mesmo -, por isso ela nos explica o porquê de ter traduzido tal sentença de tal forma. Além de também ter traduzido de uma forma diferente o título do livro/filme O Sol é Para Todos (original: To Kill a Mockingbird), que ficou Matar Passarinho, mas é compreensível a escolha da mudança, para o sentido do filme para a história não ser alterado.

ConcluindoComo é um livro mais parado, onde nós vamos acompanhar essa menina com autismo, recomendo que você leia esse livro apenas se gostar do gênero ou naquele momento que você estiver bem sensível. Os jogos de palavras, a maneira dela agir, tudo tem um significado importante na história. Eu gostei bastante e me emocionei com Caitlin, adorei acompanhá-la nessa jornada de descobrir coisas novas.

Quotes:
Que tal se nós nos reuníssemos?
Para quê?
Para sabermos em que pé você está.
Olho para meus pés plantados lado a lado no chão da sala. Eu estou em cima dos dois pés ao mesmo tempo.
Desculpe. Eu quis dizer para sabermos como você está se sentindo.
Ah. (...)


A Sra. Brook diz que a gente pode falar com ela a qualquer hora porque as suas portas estão sempre abertas. Na verdade ela só tem uma e está quase sempre fechada. Mas quando a gente bate ela lembra de abrir.


Josh está com um sorrisão aberto no rosto. A gente não deve sorrir quando faz alguma coisa errada porque um sorriso é para mostrar que a gente está sendo legal. (...)


Livros não são como pessoas. Livros são seguros.


(...) Seu comportamento é... bem... perturbador.
Perturbador? Meu comportamento é perturbador? O comportamento daquele garoto que deu os tiros é que foi perturbador. Começo a agitar as mãos porque essa palavra me dá muito medo e eu mal posso respirar.
Ela olha para as minhas mãos que estão tremendo cada vez mais depressa. Isso mesmo. Perturbador.
Eu NÃO SOU perturbadora!

Classificação: