Resenha - A Maldição dos Ancestrais

Resenha feita pela Luh!  
Título: A Maldição dos Ancestrais
Título Original: Curse of the Ancients
Série: Infinity Ring
1- Um Motim no Tempo (2013)
2- Dividir e Conquistar (2013)
3- O Alçapão (2014)
4- A Maldição dos Ancestrais (2014)
5- A Caverna das Maravilhas (2014)
6- Behind Enemy Lines (2013 US)
7- The Iron Empire (2014 US)
8- Eternity (2014 US)
Autor: Matt de la Peña
Editora: Seguinte (Companhia das Letras)
Páginas: 208
Ano: 2014
Saiba mais: Skoob
Comprar: Submarino // Saraiva

Atenção: Essa resenha não contém spoilers de outros livros da série! (Só não leiam a sinopse.)

Sinopse: Quando Dak, Sera e Riq chegam ao próximo destino em sua jornada para consertar falhas históricas, são recebidos por uma tempestade. Eles estão na península de Yucatán, lar dos antigos maias, na época da chegada dos colonizadores espanhóis -ou pelo menos deveria ser assim. Sera tem certeza de que programou o Anel do Infinito corretamente, mas eles parecem estar séculos adiantados. Enquanto tentam descobrir o que aconteceu, os três jovens desconfiam que talvez exista um motivo para estarem ali: bem naquele momento os anciãos da aldeia estão escrevendo um códice importantíssimo, que travaria o destino daquele povo para sempre. Na escola, Dak e Sera haviam aprendido que os maias eram uma civilização violenta e cruel, mas talvez a história e a cultura daquela sociedade tenham sido mal interpretadas...

A Trama: Antes de falar sobre a trama em si, vale lembrar que cada livro é meio que individual e apesar de seguirem um padrão e serem interligados, cada um tem um início, meio e fim distintos, com os protagonistas viajando para épocas diferentes na história.
Infelizmente, A Maldição dos Ancestrais não foi tão bom quanto o livro anterior. Eu adorei os maias e é uma civilização muito interessante, porém acredito que tenha sido mal explorada. A trama inteira me pareceu apressada demais, mesmo para um livro voltado ao público mais jovem, porque o autor optou por dividir a história em duas partes, onde só havia espaço para uma delas. Acho que o livro seria melhor se tivesse mais páginas, ou se a trama tivesse se estendido em dois livros. Entretanto, ainda há muita ação, diversos fatos históricos importantes e até algumas lutas, então acredito que o livro agradaria aos leitores mais jovens.

Os Protagonistas: Já que cada livro é escrito por um autor diferente, os protagonistas tem diferenças sutis de personalidade. Gostei do Dak desse autor, ele ainda tinha algumas piadinhas divertidas e o jeitinho inconveniente de sempre, além da paixão por queijo e outras peculiaridades. Sera não parece ter mudado muito em relação ao livro anterior, continua inteligente, séria e dedicada.
Por outro lado, Riq, que foi a estrela de O Alçapão, estava super chato. Compreendo que o personagem passou por uma situação difícil, porém a impressão que tive é que ele só sabia fazer duas coisas, reclamar e arriscar a própria vida desnecessariamente. Espero que em breve ele volte a ser o personagem ótimo do livro anterior.

Os Personagens Secundários: Tive, como sempre, a impressão de que os vilões eram muito mais organizados e inteligentes que os mocinhos. Amei os maias, mas não tive muito tempo para conhecê-los, já que os personagens só apareciam por algumas poucas páginas.

Capa, Diagramação e Escrita: Adorei a imagem da capa, apesar de não entender bem o que ela significa. A cor ficou ótima ao vivo, um laranja escuro. A diagramação interna é comum, de um tamanho bom para os mais jovens.
Matt não conseguiu capturar muito bem a essência dos personagens. Senti que o autor teve uma ótima ideia para a trama, porém não soube desenvolver essa ideia da melhor maneira.

Concluindo: Ainda pretendo acompanhar a série, porém esse foi um livro que não me agradou tanto. Quero a Lisa, autora do livro anterior, de volta! A vantagem de cada volume ser escrito por uma pessoa diferente é que talvez eu adore próximo.

Classificação: