Resenha - Alta Fidelidade

Resenha feita pela
Título: Alta Fidelidade
Título Original: High Fidelity
Livro Único.

1 - Névoa
2 - Gelo (2014
Autor: Nick Hornby
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 306
Ano: 2013
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Submarino // Fnac 

Sinopse: Uma história sobre monogamia, relações amorosas, solidão e sensibilidade masculina, temperada por música pop, ironia e bom humor. Assim é o romance de estreia de Nick Hornby, Alta fidelidade. Em Londres, após ser abandonado por Laura Lydon, sua última namorada, Rob Fleming, dono de uma loja semi falida de discos de vinil, faz um balanço das cinco piores separações da sua vida: Alison, Penny, Jackie, Charlie e Sarah. Laura, uma advogada bem-sucedida e atraente, ficou fora da lista por não ter provocado muito sofrimento; além disso, ela o trocou por Ian, um vizinho que ouvia discos horríveis. Rob busca consolo com os balconistas de sua loja, Barry e Dick, com quem mantém conversas tipicamente masculinas sobre outras listas, dos melhores filmes — entre eles Cães de aluguel — aos melhores episódios do seriado Cheers, passando, naturalmente, pelas melhores músicas. Rob tenta sair com uma cantora americana, Marie, mas o caso não dá certo. Ele volta a encontrar Laura e decide reconquistá-la. No meio do processo, no entanto, começa a fazer uma reflexão sobre a vida aos 35 anos, as lições que ela traz e todos os compromissos e desilusões que ela implica. Narrado na primeira pessoa por Rob – um alterego de Nick? – Alta fidelidade é um romance de geração. Por trás do autorretrato de um perdedor, surge uma análise fascinante da desorientação afetiva deste final de milênio, da busca pela felicidade — e pela fidelidade — a qualquer preço. 

A Trama: Alta Fidelidade pode ser descrito como um chick-lit para homens. Na verdade descobri que esse tipo de livro é chamado de dude-lit (EUA) ou lad-lit (Inglaterra), mas isso não impede que o gênero oposto também se divirta com a leitura.
O livro se passa nos anos 90 e conta a história de Rob Fleming, um ex-DJ, agora dono de uma loja de discos, que não consegue se firmar em nenhum relacionamento amoroso e não entende o porque de tanto pé na bunda. Sua última e inesperada separação foi com Laura, e apesar de já ter sido deixado outras vezes, Rob não está conformado, pois ele tem sentimentos fortes por ela. Vivendo sem saber se deve tentar se acostumar a ser solteiro novamente ou tentar reconquistar Laura, Rob se confronta para saber o que tem feito de errado enquanto lida com o trabalho em sua loja, seus velhos amigos e outras novas amizades.

O Protagonista: O Rob é totalmente obcecado por discos e vive fazendo listas de coisas aleatórias preferidas. O cara só pensa em música, mesmo sem estar trabalhando e julga as pessoas diretamente pelos cantores e bandas que elas ouvem. Isso pode ser bem chato e claramente é prejudicial pra vida social dele, mas é óbvio que ele mesmo ignora esse fato e gosta de ser assim como é. Sua mãe vive o pressionando por causa de seus relacionamentos e por causa de seu trabalho, e isso algumas vezes o afasta de seus pais. Apesar de não ter rolado uma identificação com o personagem, foi legal acompanhar a vida dele e até entender um pouco do que se passa pela cabeça dos homens.

Personagens Secundários: Barry e Dick, os funcionários de Rob na Championish Vinil, são bem engraçados, cada um do seu jeito. O Barry é mais arrogante, metido a durão, já o Dick parece sempre se manter na defensiva, inclusive durante diálogos com o Barry.
A Laura é uma personagem legal e é uma pena que no começo do livro não dê para perceber isso pelas atitudes do Rob pra cima dela, mas conforme o livro avança, entendemos melhor a situação, os envolvidos e suas motivações.

Capa, Diagramação e Escrita: Gostei da combinação de cores da capa e mais ainda dela ter tudo a ver com a trama. Diagramação comum e adequada. A escrita do autor é bem fluida e várias vezes eu me vi me perguntando o quanto dos gostos e características dele mesmo, ele colocou no protagonista.

Concluindo: A dica que eu dou é não desanimar com o ritmo lento do começo do livro, se você não se adequar rapidamente com a escrita do autor, porque ele só vai melhorando até o final. Quem curte as músicas dos anos 70, 80 e começo dos anos 90, pode reconhecer muitas das canções citadas, e quem se interessa pela cultura britânica durante essa época vai gostar muito da ambientação do livro. Muitos livros, filmes, séries e atores dessas décadas também são citados pelos personagens.

Quotes:
As pessoas se preocupam que as crianças brinquem com armas e que os adolescentes joguem videogames agressivos; assusta que possam ser dominados por algum tipo de cultura de violência. Mas ninguém se incomoda que esses jovens ouçam milhares - literalmente milhares - de canções sobre corações partidos e rejeição e dor e sofrimento e perda.
"Você tem algo de melancólico?", uma moça pergunta na tarde seguinte. Depende, sinto vontade de responder; tem dias que sim, outros que não. Uns dias atrás não tinha; agora tenho muita melancolia, demais, mais do que consigo administrar. Queria poder distribuí-la melhor, quero dizer a ela, com mais equilíbrio, mas parece que não sou capaz de me organizar. Vejo que a moça não está interessada nos meus problemas de controle interno de estoque, porém, então simplesmente aponto a seção de soul, bem perto da saída da loja, junto à de blues.

Normalmente gosto do meu aniversário, mas hoje não estou no clima. Deviam cancelar o aniversário da pessoa em anos como este: devia haver uma lei, dos homens, senão da natureza, pela qual a idade da gente só pudesse aumentar com as coisas indo bem na vida. Pra que vou querer chegar aos trinta e seis num momento desses? Não quero. Não é conveniente. A vida de Rob Fleming está em suspenso, e ele se recusa a ficar mais velho. Por favor, guardem todos os cartões, bolos e presentes para outra ocasião.
                                 Classificação:
 
Classificação:
Classificação: