Resenha - Vinte Garotos no Verão

Resenha feita pela Luh!  
Título: Vinte Garotos no Verão
Título Original: Twenty Boy Summer
Livro Único;
Autora: Sarah Ockler
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Ano: 2014
Saiba mais: Skoob
Comprar: Extra // Saraiva // Fnac // Submarino

Diferente, fofo e um pouquinho triste.

Sinopse: Quando alguém que você ama morre, as pessoas perguntam como você está, mas não querem saber de verdade. Elas buscam a afirmação de que você está bem, de que você aprecia a preocupação delas, de que a vida continua. Em segredo, elas se perguntam quando a obrigação de perguntar terminará (depois de três meses, por sinal. Escrito ou não escrito, é esse o tempo que as pessoas levam para esquecer algo que você jamais esquecerá). As pessoas não querem saber que você jamais comerá bolo de aniversário de novo porque não quer apagar o sabor mágico de cobertura nos lábios beijados por ele. Que você acorda todos os dias se perguntando por que você está viva e ele não. Que na primeira tarde de suas férias de verdade você se senta diante do mar, o rosto quente sob o sol, desejando que ele lhe dê um sinal de que está tudo bem.

A Trama: O início me pareceu muito apressado, nas primeiras 20 páginas Anna já descreve seu breve romance com Matt, por quem ela sempre foi apaixonada, e o acidente de carro que o matou, cerca de um mês depois. Foi difícil me conectar aos personagens, que estavam sofrendo tanto, sendo que mal conheci Matt. O livro é sobre o luto de um personagem que parece um fantasma, pois tudo o que sabemos sobre ele é através das histórias que os personagens contam e das lembranças da protagonista.
Entretanto, Vinte Garotos no Verão foca em Anna e sua tentativa de seguir em frente. Já faz cerca de um ano da morte do garoto quando Anna resolve viajar com sua melhor amiga, Frankie (irmã de Matt), e os pais dela, para a casa de verão onde eles iam todos os anos. Há praias, muitos garotos bonitos e aventuras bem espontâneas, o que dá um clima mais leve e descontraído, porém é fácil perceber que todos os quatro viajantes estão com dificuldade em superar a perda. É um livro meio complicado,  oscilando o tempo todo entre a alegria e a tristeza, e o tema principal é o luto. Eu gostei, porém esperava algo um pouco diferente, não foi uma história que me tocou de verdade.

A Protagonista: Anna é um enigma. Às vezes ela é aquela pessoa certinha e segura, porém tenta sair desse esteriótipo e seguir a melhor amiga em "aventuras loucas" sempre que pode. Anna ainda não consegue relaxar totalmente, escreve cartas secretas à Matt em seu diário e pensa nele com frequência, porém gostei bastante do amadurecimento da personagem.

Os Personagens Secundários: Não consegui gostar de Frankie. Ela é quase uma protagonista, aparece na grande maioria das cenas e é o foco dos pensamentos de Anna. O problema é que Frankie era uma garota infantil e mimada que ignorava o luto dos outros e só pensava em si mesma. Ela foi, honestamente, uma das pessoas mais egocêntricas que eu já vi, e não entendo porque Anna gostava tanto dela.
Os pais de Frankie eram boas pessoas, faziam o possível para ajudar a filha e a amiga, porém ao mesmo tempo tentavam encontrar uma maneira de superar a morte do filho mais velho. Alguns garotos também aparecem, porém bem superficialmente e mal os conhecemos.

Capa, Diagramação e Escrita: Já amava essa capa antes, porém agora ela se tornou uma das minhas prediletas, tendo tanto significado no livro. A edição nacional está caprichada, com uma diagramação linda, apesar de eu ter encontrado alguns poucos errinhos de revisão.
A escrita da Sarah Ockler tem seus momentos. Há algumas frases incríveis, porém na maior parte do tempo não tem nada demais.

Concluindo: Eu esperava algo diferente, talvez um pouco mais maduro, porém é um bom livro e entendo que seja complicado escrever um livro sobre luto sem realmente focar nisso. Acredito que se tornará um queridinho de alguns, porém não me conquistou por completo.

Quotes:

Apesar de a Anna no maiô amarelo jamais concordar com uma disputa tão escandalosa, a menina louca no espelho usando o biquíni verde-oliva não resiste ao sorriso sincero de Frankie. É um sorriso de orelha a orelha, quase atravessando seus olhos azuis, e, antes mesmo que eu pudesse pensar no quanto a ideia era ruim, nossa missão é ativada.
- Vinte dias - digo, alegre com seu entusiasmo duradouro. - Vinte garotos. Estou dentro.

"Querido Matt,
Qual é o período para se sentir culpada por trair um fantasma?
"

Classificação: