Resenha - Oráculo (Livro 1)

Resenha feita pela Tay!
Título: Oráculo
Título Original: Oracle

Série: Oráculo
1- Oráculo #1
2- Oráculo #2
3- Oráculo #3
Autor: Jackie French
Editora: Fundamento
Páginas: 104
Ano: 2014
Saiba mais: Skoob
Comprar: Fundamento (loja da editora)

Sinopse
AS PALAVRAS PODEM MUDAR O DESTINO? Uma pequena aldeia na Grécia antiga. É onde Nikko e sua pequena irmã, Thetis, nasceram. Mas eles estão destinados a coisas muito maiores do que serem simples pastores de cabras. Thetis é abandonada pelos pais logo depois de nascer, mas Nikko a resgata e promete cuidar dela para sempre. A menina cresce sem dizer uma palavra até os 5 anos, quando o dom da fala lhe é concedido. Mas tem um detalhe: ela só diz a verdade. E isso pode ser um grande problema! Um belo dia, a chegada de coletores de impostos muda completamente a vida dessas duas crianças. Elas são vendidas para um animador do rei e se tornam acrobatas para divertir a corte de Micenas. Será que esses dois irmãos terão talento suficiente para cair nas graças do Grande Rei ou irão falhar na hora mais decisiva de suas vidas? Será que Thetis continuará falando a verdade ou irá se calar para sempre? A incrível jornada de dois irmãos determinados a sobreviver de qualquer maneira começa agora.

A Trama: A primeira coisa que eu queria dizer é: ISSO NÃO É UMA TRILOGIA! Bom, a editora brasileira fez da história uma trilogia, mas o original é um livro só. Sinceramente, não encontro outra explicação para eles terem divido um livro de 300 e poucas páginas em 3, além de ser para ganhar dinheiro. Não sei se dá pra perceber, mas isso me deixou muito "p" da vida. Agora falemos do livro. Como eu li apenas 1/3, não acho que devo contar muito sobre a trama, já que poderia facilmente entregar spoilers. O livro vai contar a história de Nikko e sua família, que moram numa aldeia alheia de tudo o que ocorre na "civilização" da época (Grécia Antiga). Quando a mãe de Nikko dá a luz uma menina, o pai logo trata de levá-la para a montanha e abandoná-la, já que custaria muito caro para ele criar uma garota. Sem conseguir aceitar aquilo, Nikko vai atrás da irmã recém nascida e a traz de volta para casa. A partir daquele momento, Thetis seria responsabilidade dele, tanto que o pai nunca trocou uma palavra com a menina. Nessa primeira parte, não encontrei nenhum motivo para o título do livro ser Oráculo, mesmo que Thetis seja bastante inteligente e pareça perceber coisas que ninguém consegue. Na verdade, o início foi bem fraco, e eu realmente queria que a editora não tivesse dividido o livro, porque o final não foi o exatamente o final de um livro (o que já sabemos que é verdade), e fica muito explícito que a história daquele primeiro livro está incompleta.

O Protagonista: Nikko se esforçou muito para proteger a irmã, mesmo tornando-se o filho menos favorito de seu pai por causa disso. O irmão também o tratava mal, principalmente por sempre ser designado a ficar com a mãe e a irmã. Ele é um garoto corajoso, embora possa ser irritante às vezes. Queria ver o desenvolvimento dele na trama sem esse interrompimento que somos obrigados a fazer.

Personagens Secundários: Thetis é uma criaturinha fofa. Até os cinco anos de idade, ela nunca tinha falado nenhuma palavra, até que a mãe decide levá-la numa bruxa, que a dá voz. A partir daí, Thetis não consegue mais controlar a boca, e a menina sempre diz a verdade e tudo o que passar por sua cabeça, sem medir as consequências daquilo. Uma garota inteligente e que sempre parece saber mais do que aparenta, além de ter uma incrível habilidade no que eles chamam de "acrobacias". Eu odiei o pai de Nikko e Thetis. Realmente. Tive vontade de entrar no livro e dar uma boa lição nele (tentei soar o menos assassina possível). Gostei de Orkestres, ele foi meio que a luz no fim do túnel quando tudo parecia perdido para os meninos.

Capa, Diagramação e Escrita: Para mim, a capa seria mais bonita se não tivesse aquele homem caindo ali no fundo, a silhueta do cavalo e da moça que tem perto do título, e aquele rosto meio apagado que está no cabelo da moça que ocupa a maior parte. A diagramação está bem simples, e encontrei alguns erros de revisão enquanto lia. A escrita da autora também é bem simples e flui facilmente.

ConcluindoSe tivessem mantido o livro único, eu teria como avaliar melhor a história, porque não acho justo avaliar apenas o começo, sendo que não li o livro todo ainda, que poderia vir a ter um bom desenvolvimento. Não é a mesma coisa que ler uma trilogia de verdade, porque em uma trilogia, cada livro tem seu começo, meio e fim certinhos, o que não é o caso aqui. Mas vou continuar lendo, porque parece que a história pode vir a ter um bom desenvolvimento nas outras duas partes. 

Classificação: