Resenha - A Lista Negra

Resenha feita pela Luh!  
Título: A Lista Negra
Título Original: Hate List
Livro Único.
Autor: Jennifer Brown
Editora: Gutenberg
Páginas: 272
Ano: 2012
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Americanas // Submarino // Extra

Me conquistou totalmente.

Sinopse: E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama? O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos. Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, com os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas.

A Trama: Vou confessar que no início pensei que esse seria outro daqueles livros que todos adoram e eu não vejo o que tem de tão bom. Entretanto, conforme a trama foi avançando, compreendi porque a trama se torna tão cativante e me tornei mais uma fã desse livro especial.
Resumidamente, A Lista Negra fala sobre luto e como lidar com situações difíceis até de imaginar. Nick, o namorado da protagonista, levou uma arma para a escola e atirou em várias pessoas. Agora, Valerie precisa aprender a seguir em frente e superar a culpa pelo que aconteceu, além de enfrentar as pessoas que também estavam lá e tem opiniões diferentes sobre seu envolvimento no tiroteio.

A ProtagonistaNão vou fingir que compreendo Val, porque honestamente sua lista e alguns dos pensamentos que ela tinha me pareciam um pouco exagerados. Porém gostei muito da maneira humana como ela é retratada, com muitos defeitos no início, porém demonstrando uma melhora visível a cada novo dia. Valerie é muito corajosa, determinada e criativa, gostei especialmente da maneira como ela se expressava através de sua arte.

Os Personagens Secundários: Jennifer foi minha predileta, demonstrando que as pessoas nem sempre são o que parecem, mas a personagem mais complexa e interessante foi a mãe da protagonista, que parecia sentir raiva dela às vezes, porém amava a filha acima de tudo e não media esforços para ajudá-la. Todos os personagens eram ótimos e gostei muito de conhecer as outras vítimas do tiroteio.

Capa, Diagramação e Escrita: A capa nacional é infinitas vezes melhor que as versões americanas e gostei de como ela combina com a trama. A diagramação é fofa, com o livro dividido em quatro partes e cada "capítulo" tendo uma data no início.
A narrativa é um pouquinho complicada, já que alterna entre o que aconteceu no passado e o que está acontecendo com Valerie no presente, porém torna a trama mais gostosa. A escrita da Jennifer é fácil de compreender, tornando o livro ideal até para adolescentes mais jovens, e não se torna cansativa.

Concluindo: É difícil descrever todas as mensagens que o livro passa, mas garanto que a leitura vale a pena. Me fez chorar, refletir bastante e realmente me deixou uma mensagem que vai durar muito tempo sobre como as pessoas nem sempre são os que parecem. Resumindo, recomendo ele a todos, mesmo que não seja o "seu tipo de livro", é daqueles que merecem uma chance.

Classificação: