Resenha - Vermelho Como o Sangue


Título: Vermelho Como o Sangue
Título Original: Punainen kuin veri
Série: Trilogia Branca de Neve
1- Vermelho Como o Sangue 
2- Branco Como a Neve (2013 Finlândia)
3- Preto Como o Ébano (2014 Finlândia)
Autor: Salla Simukka
Editora: Novo Conceito
Páginas: 240
Ano: 2014
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Amazon // Submarino


Sinopse: No congelante inverno do Ártico, Lumikki Andersson encontra uma incrível quantidade de notas manchadas de vermelho, ainda úmidas, penduradas para secar no laboratório de fotografia da escola. Cédulas respingadas de sangue. Aos 17 anos, Lumikki vive sozinha, longe de seus pais e do passado que deixou para trás. Em uma conceituada escola de arte, ela se concentra nos estudos, alheia aos flashes, à fofoca e às festinhas dominadas pelos garotos e garotas perfeitos. Depois que se envolve sem querer no caso das cédulas sujas de sangue, Lumikki é arrastada por um turbilhão de eventos. Eventos que se mostram cada vez mais ameaçadores quando as provas apontam para policiais corruptos e para um traficante perigoso, conhecido pela brutalidade com que conduz os seus negócios. Lumikki perde o controle sobre o mundo em que vive e descobre que esteve cega diante das forças que a puxavam para o fundo. Ela descobre também que o tempo está se esgotando. Quando o sangue mancha a neve, talvez seja tarde demais para salvar seus amigos. Ou a si mesma.

A Trama: Lumikki de repente se vê presa numa trama perigosa com pessoas da escola com quem ela nunca teve a intensão de se envolver. Num dia aparentemente comum, ela encontra na sala escura da escola, penduradas no lugar de fotos, várias notas de quinhentos euros sujas de sangue. Logo mais, ela descobre quem lavou aquelas notas e, mesmo tentando se manter longe, o destino a trás para aquele redemoinho de acontecimentos. 
Acredito que a autora poderia ter utilizado melhor do potencial da obra. Como já vi em algumas resenhas, o sentido de contos de fadas aqui é quase inutilizado, para uma história que prometeram ser um tipo de releitura. O mistério é bem fraco, já que a autora te entrega tudo de bandeja e você fica apenas com como aquilo vai se desenrolar. Mas ela consegue lançar alguns pontos misteriosos sobre a vida de Lumikki que deixa o leitor curioso sobre como aquilo se desenrolará, mesmo que misturando com a trama inicial do livro se torne um pouco confuso. Ela também deixou várias pontas soltas para desenvolver a história dos próximos livros, então, mesmo que não tenha amado esse, fiquei curiosa para ler os outros.

A Protagonista: Aos 17 anos, Lumikki saiu da casa dos pais para morar sozinha numa quitinete e concluir o ensino médio em uma escola de artes. Ela é bem introspectiva e não quer fazer amigos, se mantém longe de todos e tenta ser o mais invisível possível. Sabemos que ela tem um passado que a deixou traumatizada em relação a outras pessoas, fazendo-a simplesmente não conseguir confiar em ninguém. Mesmo que a autora tenha mencionado isso no livro em certa parte, senti que ela tentou fazer de Lumikki uma versão adolescente da Lisbeth Salander, da Trilogia Millennium, mesmo que ela não seja tão esperta quanto. O estilo, a introspecção, a inteligência para algumas coisas. Vários fatores me fizeram pensar nessa outra personagem. Ainda temos algumas coisas para descobrir a respeito de Lumikki nos próximos livros, e mesmo que eu ainda não consiga aceitar todas aquelas qualidades que ela demonstra no livro para uma menina de 17 anos, estou curiosa.

Personagens Secundários: Conhecemos alguns e eles deveriam ser importantes para a trama, mas não foram bem explorados, aparecendo apenas em momentos específicos e sem muitas ações. Traduzindo: não foram bem construídos. Senti que Elisa poderia ser muito mais do que ela foi na história, mas tudo o que a garota faz é ficar escondida (o motivo, vocês precisam ler para descobrir). Talvez ela tenha participação no próximo volume, mas era aqui que a autora deveria ter mostrado o potencial dela. Tuukka e Kasper foram menos utilizados ainda que Elisa, e eles também tinham potencial para ter mais espaço. O que concluí foi que a autora quis deixar tudo a cargo de sua protagonista, fazendo dos secundários, personagens vazios.

Capa, Diagramação e Escrita: Eu gosto dessa capa, só mudaria a fonte do título, está muito simples. A diagramação da editora também está boa, cada início de capítulo possui o número dentro de uma mancha de sangue. A escrita da autora é boa, gostei bastante da fluidez e de como ela narrava as cenas. Poderia ser uma escrita incrível se ela tivesse demonstrado mais o potencial da história. 


Concluindo: O livro não é maravilhoso e o mistério é quase todo entregue em menos da metade, mas ainda assim é um livro legal para passar o tempo. Em alguns pontos a história ficou um pouco confusa para mim, principalmente em relação a um amor do passado de Lumikki, talvez seja esclarecido no próximo livro. Se você for ler, não espere uma releitura da Branca de Neve, porque você não terá. A única relação das duas histórias é o nome de Lumikki (que quer dizer Branca de Neve em finlandês). Esse volume não conseguiu me conquistar, mas me deixou curiosa, então leiam para tirar suas próprias conclusões.
Quotes:
Não procure o poder por vingança. Procure o poder para evitar situações que a fariam querer vingança. (...)


(...) Uma corda no pescoço ainda era uma corda, ainda que estivesse incrustada de diamantes.


Palavras, palavras, palavras, palavras, palavras, palavras, palavras, palavras. Frases, sentenças, perguntas, gritos. Beliscões, arranhões, tapas, arrastões, puxões, empurrões, chutes.
Você não é essas palavras. Você não é os gritos e os xingamentos. Você não é as coisas horríveis cuspidas em você como um chiclete sem gosto. Você não é os socos ou os ferimentos que elas causam. Você não é o sangue escorrendo do seu nariz. Você não está sob o controle delas. Você não é delas.