Resenha - Objetos Cortantes

Resenha feita pela Maay!  
Título: Objetos Cortantes
Título Original: Sharp Objects
Livro Único
Autora: Gillian Flynn
Editora: Intrínseca
Páginas: 256
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Fnac

Simplesmente, leiam!

Sinopse: Recém-saída de um hospital psiquiátrico, onde foi internada para tratar a tendência à automutilação que deixou seu corpo todo marcado, a repórter de um jornal sem prestígio em Chicago (EUA), Camille Preaker, tem um novo desafio pela frente. Frank Curry, o editor-chefe da publicação, pede que ela retorne à cidade onde nasceu para cobrir o caso de uma menina assassinada e outra misteriosamente desaparecida. 
Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri (EUA), oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã, praticamente uma desconhecida. Mas, sem recursos para se hospedar na cidade, é obrigada a ficar na casa da família e lidar com todas as reminiscências de seu passado. 
Entrevistando velhos conhecidos e recém-chegados a fim de aprofundar as investigações e elaborar sua matéria, a jornalista relembra a infância e a adolescência conturbadas e aos poucos desvenda os segredos de sua família, quase tão macabros quanto as cicatrizes sob suas roupas. 

A Trama: Começo a descrever a trama com a mesma frase que resumiu minha opinião sobre Garota Exemplaro livro é surpreendentemente inesperado, e inesperadamente surpreendente.
Tudo começa com Camille sendo obrigada a voltar para sua cidade natal, a fim de escrever uma reportagem sobre os misteriosos casos de duas crianças que foram bizarramente assassinadas. 
Chegando lá, ela se depara com uma cidade devastada pela morte. A polícia se nega a colaborar com a imprensa e as famílias das vítimas também não são das mais receptivas... Como se isso não bastasse, ela ainda é obrigada a se hospedar na casa de sua infância - que mesmo após quase vinte anos, ainda é assombrada pela irmã morta e tem como moradores pessoas completamente perturbadas.
E então as coisas vão se desenrolando. Wind Gap, como toda cidade pequena, é propensa às fofocas e Camille se aproveita disso para começar sua própria investigação. E, assim como ela, você não vai conseguir parar antes de descobrir a identidade desse assassino.

A Protagonistas: Camille vai se revelando aos poucos, mas desde as primeiras páginas já se prova uma personagem extraordinária. A protagonista é altamente complexa e real. E não sei, me faltam palavras... Flynn é um gênio com uma mente maléfica, aterrorizante e fascinante - isso basta.

Os Personagens Secundários: Se em Garota Exemplar eu tive problemas com os personagens secundários, aqui foi o extremo oposto. Extremo é a palavra, eles me provocaram reações e sentimentos extremos.
Odiei Adora, mãe de Camille, com todas as forças e desde sua primeira aparição - a mulher é visivelmente perturbada (leia-se louca). Senti muita pena da protagonista e sua irmã por serem obrigadas a crescer com um ser como aquele, é totalmente compreensível o fato de elas não serem as pessoas mais normais do mundo.
Amma, meia-irmã de Camille, já foi uma personagem mais difícil para mim. Em sua primeira cena eu a odiei. Mas, no decorrer das páginas, ela me pareceu mais uma menina que só precisava de atenção e carinho. Chegou até a me conquistar em certa altura...
Outros personagens se destaram bastante - e absolutamente todos foram muito bem construídos. Desde às discípulas de Amma e o marido submisso de Adora, até às famílias das vítimas e os moradores da cidade que apareceram em uma ou duas cenas. 


Capa, Diagramação e Escrita: A capa segue o mesmo padrão da de Garota Exemplar, simples e sombria - o que, para a pessoa que vos fala (e tem TOC), é ótimo. Adoro padrões (haha).
O livro é narrado em primeira pessoa, por Camille. E a escrita de Flynn é aquela coisa viciante e sinistra. Não conseguia parar de ler, e quando parava não conseguia parar de pensar no livro... E depois de acabar a leitura, cheguei a duas conclusões: 1. A autora é absurdamente digna de todo o sucesso que tem feito, principalmente se você levar em conta que esse foi o seu primeiro livro; e 2. Tenho medo por quem convive com a autora, porque ela realmente me parece aquela pessoa que um dia vai pegar uma arma e matar todos à sua volta (ou talvez fazer isso de uma maneira mais cruel). 

Concluindo: O livro é cheio de reviravoltas, mudei de ideia sobre a identidade do assassino diversas vezes. Em certo momento me convenci absolutamente que já o tinha desvendado e, quando isso de fato ocorreu, fiquei com a maior cara de paspalha e precisei reler três vezes para me convencer de que não estava lendo errado.
Gillian Flynn é o dom da escrita encarnado em uma mente psicopata - simples assim. O livro é muito bem escrito, os personagens são extremamente convincentes e o desfecho é extraordinariamente surpreendente e inesperado. Enfim...
Se após terminar de ler Garota Exemplar minha vontade era de empurrar o livro para que todo mundo lesse, após a leitura de Objetos Cortantes, o que eu quero é enfiar o livro goela abaixo de quem passar pela minha frente. 
Leiam, apenas isso. Não percam mais tempo, e leiam.

PS: Para quem não sabe, esse livro já havia sido publicado no Brasil há alguns anos, pela editora Rocco, e sob o título de Na Própria Carne.


Classificação: