Resenha - Uma História de Amor e TOC

Resenha feita pela Maay!  
Título: Uma História de Amor e TOC
Título Original: OCD Love Story
Livro Único.
Autora: Corey Ann Haydu
Editora: Galera Record
Páginas: 320
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Amazon // Fnac

Não consegui definir meus sentimentos sobre esse livro, simples assim.

Sinopse: Bea foi diagnosticada com transtorno obsessivo-compulsivo. De uns tempos pra cá, desenvolveu algumas manias que podem se tornar bem graves quando se trata de... garotos! Ela jura que está melhorando, que está tudo sob controle. Até começar a se apaixonar por Beck, um menino que também tem TOC. Enquanto ele lava as mãos oito vezes depois de beijá-la, ela persegue outro cara nos intervalos dos encontros. Mas eles sabem que são a única esperança um do outro. Afinal, se existem tantos casais complicados por aí, por que as coisas não dariam certo para um casal obsessivo-compulsivo? No fundo, esta é só mais uma história de amor... e TOC.

A Trama: Bea e Beck começam a se relacionar meio do nada, e isso me incomodou um pouco - acabou que o romance dos dois não conseguiu me cativar. Sua cumplicidade, porém, é outra história... A forma com um deu suporte ao outro para lidar com suas compulsões é linda. Acho que muito mais do que uma história de amor e TOC, esse livro traz uma história maravilhosa de superação. 
Eu confesso que esperava mais, mas ainda assim a obra me agradou bastante. 

A ProtagonistaBea realmente me convenceu. Sua mente é muito bem construída, suas atitudes, as razões por trás dela, seu sofrimento quando percebeu que as coisas estavam saindo de controle... 
Fico pensando se a autora tem TOC também, pois acho difícil uma pesquisa de campo ser tão rica em detalhes. 

Os Personagens Secundários: Beck é outra pessoa que me conquistou. Cada vez que ele cedia às compulsões e depois voltava para Bea com o olhar derrotado, eu tinha vontade de abraçá-lo (não que ele fosse permitir). 
Lisha, por sua vez, me irritou profundamente. Primeiro, por ser tão condizente com a doença da "melhor amiga". Mas eu poderia perdoá-la se tentasse me convencer de que ela fazia isso por pensar que assim ajudaria Bea. Depois, porém, ela me irritou anda mais por ser tão egoísta. Tudo era sobre como as coisas afetariam sua imagem e seu futuro - e a "melhor amiga" que se dane. Honestamente, Bea merecia uma amiga melhor, bem melhor. 

Capa, Diagramação e Escrita: Eu odeio amarelo, mas nessa capa, toda rabiscada com a frase "não vou stalkear esse cara", preciso admitir: combinou. E os três corações acima do título, que podem parecer detalhes pequenos, deram um toque mais descontraído que fez toda a diferença.
O livro é narrado por Bea, em primeira pessoa, e isso colabora para que o leitor a entenda melhor. A escrita da autora é pesada e truncada em alguns momentos, mas levando-se em conta que esse é seu primeiro trabalho, ainda pretendo acompanhar seus futuros trabalhos.

Concluindo: Eu não sei explicar o que esperava, mas não era o livro com o qual me deparei. A leitura não foi fácil e, em certo ponto, ficou cansativa, porque as coisas não se desenvolviam. 
Ao mesmo tempo, a riqueza de detalhes que a autora traz sobre o comportamento de pessoas com TOC é fascinante. O TOC vai muito além de algumas manias de organização (mas é bom ficar de olho, porque ele pode começar assim). 
Enfim... Eu gostei do livro, mas não consegui definir exatamente se amei ou não. Digamos que criei um carinho por ele. Acho que para quem curte esse estilo, vale a pena ler para tirar suas próprias conclusões.

Quotes:
Podemos ser loucos, mas existe uma lógica por trás até mesmo das coisas mais loucas que fazemos.

Acho que para algumas meninas se apaixonar é uma espécie de fraqueza, uma vontade de desistir de todo o resto. Mas para mim, na minha forma e corpo e coração, se apaixonar é o oposto. É a coisa mais forte que já fiz. 
Classificação: