Resenha - Red Hill

Resenha feita pela Tay!
Título: Red Hill
Título Original: Red Hill
Livro Único (mas há um conto chamado "Among Monsters" para ser lido depois).
Autor: Jamie McGuire
Editora: Verus
Páginas: 350
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva

SinopsePara Scarlet, cuidar de suas duas filhas sozinha significa que lutar pelo amanhã é uma batalha diária. Nathan tem uma mulher, mas não se lembra o que é estar apaixonado; a única coisa que faz a volta para casa valer a pena é sua filha Zoe. A maior preocupação de Miranda é saber se seu carro tem espaço suficiente para sua irmã e seus amigos irem viajar no fim de semana, escapando das provas finais da faculdade.
Quando a notícia de uma epidemia mortal se espalha, essas pessoas comuns se deparam com situações extraordinárias e, de repente, seus destinos se misturam. Percebendo que não conseguiriam fugir do perigo, Scarlet, Nathan, e Miranda procuram desesperadamente por abrigo no mesmo rancho isolado, o Red Hill. Emoções estão a flor da pele quando novos e velhos relacionamentos são testados diante do terrível inimigo – um inimigo que já não se lembra mais o que é ser humano.
O que acontece quando aquele por quem você morreria, se transforma naquele que pode lhe destruir? Red Hill prende desde a primeira página e é impossível deixa-lo até o final surpreendente. Este é o melhor da autora Jamie McGuire!

A Trama: Acompanhamos a história sob três pontos de vista: Scarlet, uma enfermeira que presencia os primeiros casos do vírus nos EUA; Nathan, um homem que fará de tudo para proteger a filha; e Miranda, uma garota que queria ir com os amigos para o rancho do pai, o Red Hill. Já disse pra vocês que eu adoro histórias de zumbis? O livro não decepciona, mas também ficou bem longe de ser uma história excelente com essas criaturas. O foco é na sobrevivência dos personagens e temos poucas cenas de confronto com os rastejantes/mordedores/tortos (como eles os chamavam). Isso, um pouco mais pra frente na leitura, acabou tornando o ritmo do livro bem lento, porque praticamente nada acontecia, a não ser que os personagens decidissem fazer uma incursão para "limpar" a cidade. O que, em determinado momento, acaba sendo uma decisão estúpida e um tanto egoísta de uma das personagens e uma desculpa para a autora poder falar "Estão vendo? Eu mato personagens! MUAHAHA" - risada malvada. 

Os Protagonistas:  Scarlet quer apenas encontrar as filhas. No meio do caos, ela faz de tudo para rever suas meninas, que estavam com o pai quando tudo aconteceu. A determinação dela é admirável, mas chega um ponto em que não tem como concordar com algumas decisões que ela toma, principalmente tanto tempo depois do ocorrido. Senti que ela poderia fazer qualquer coisa para as filhas chegarem até ela (isso se ainda estivessem vivas), não importando quem morreria por causa disso (sério, tem partes que ela não esboça nenhuma reação com algumas mortes). Nathan está protegendo a filha, Zoe, e precisa de um lugar seguro. Eu gostei bastante do personagem, de sua força de vontade e da proteção que tinha com a menina. Miranda é uma universitária apaixonada por seu carro novo e pelo namorado. Algumas de suas crises por causa do carro me irritaram bastante e, muitas vezes, ela era bem mimada.
Agora, uma coisa que não conseguiu me convencer de jeito nenhum foi o instalove entre dois dos protagonistas. Os dois mal se conheceram e já se apaixonaram e foi tão surreal que quando eles estavam se declarando um para o outro, eu pensei "espera, quando isso aconteceu?". Se tivesse esperado mais um pouco e desenvolvido melhor a relação dos dois, eu teria até comprado a ideia do romance, mas do jeito que aconteceu... Não. Definitivamente não.

Os Personagens SecundáriosBryce agiu incontáveis vezes como um idiota, apenas por ciúmes. Sério, quem tem tempo pra ciúmes enquanto está lutando para sobreviver? Joey sabia o que estava fazendo por ter treinamento militar e foi de grande ajuda para o grupo. Ashley só sabia surtar o tempo todo e apenas conseguiu sobreviver por ter ficado dentro do carro. Skeeter com certeza é um badass, quase um Daryl Dixon. 

Capa, Diagramação e Escrita: Eu gosto da capa, é bem parecido com o que imagino de Red Hill. A diagramação está boa, não encontrei muitos erros de revisão. A Jamie McGuire tem uma escrita que prende o leitor, não há como negar. É gostosa, fluida e ela consegue passar sentimentos quando quer. Nesse livro, eu gostei dela pelo menos ter explicado a origem do vírus que reviveu os mortos, porque muitas histórias por aí não fazem isso. E achei uma explicação até boa. Embora ela tenha pecado um pouco no desenvolvimento dos personagens. Por exemplo Scarlet: num momento ela é apenas uma enfermeira cuidando dos seus pacientes doentes, em outro ela já é uma atiradora excelente, acertando os zumbis bem na cabeça. Acho que dormi enquanto lia, porque várias dessas coisinhas que fazem diferença nos personagens eu não consegui perceber. Ah, não posso me esquecer do toque New Adult que a autora deu ao livro. Um pouquinho de tensão sexual, um pouquinho de sexo, um pouquinho de ciúmes bastante inconvenientes para o momento. Acredito que a história não tinha muito espaço para esses "conflitos" e que ela deveria ter gastado essas páginas com a tensão do que estava acontecendo no mundo naquele momento. 

ConcluindoO livro está longe de ser perfeito, mas eu gostei. Foi uma leitura agradável e conseguiu me entreter, se ignorar as falhas da construção do ambiente. O final foi bem fechado, com a esperança de salvação pairando. Se você é fã de histórias de zumbis bem sangrentas, que causam medo e que os personagens estão lutando pela sobrevivência o tempo todo, com hordas de monstros aparecendo a todos os momentos e aquele medo crescente em nossos corações, esse livro não é para você. Agora, se você tem curiosidade em ler algo de zumbis e quer um livro mais light para começar, Red Hill é uma boa opção, principalmente pelo romance que acontece depois (e até mesmo os personagens) quebrar bastante a aura assustadora.

Quotes:
- Você está agindo como se nunca tivesse visto um filme de zumbi, Ashley. Não temos como sobreviver na cidade. O rancho do papai é o melhor lugar.
- Por que você continua dizendo isso? Não são zumbis, isso é ridículo! - disse ela.
- Surto viral. Os infectados estão atacando e mordendo as pessoas. Usaram a palavra "cadáveres" hoje de manhã. O que você acha que é, Ash? Herpes?


(...) Eu não sabia quanto tempo conseguiríamos sobreviver, mas tinha certeza de que não morreria no primeiro dia da droga do Apocalipse zumbi.


Classificação: