Resenha - Reze Pelas Mulheres Roubadas

Resenha feita pela Luh!  
Título: Reze Pelas Mulheres Roubadas
Título Original: Prayers for the Stolen
Livro Único;
Autor: Jennifer Clement
Editora: Rocco
Páginas: 240
Saiba mais: Skoob
Comprar: Submarino // Amazon // Extra

Original e bem informativo.

Sinopse: Contundente retrato do México atual, Reze pelas mulheres roubadas mostra a dura vida das mulheres na região de Guerrero, a mesma onde mais de 40 estudantes foram mortos em 2014. Narrativa ficcional escrita a partir de mais de 10 anos de pesquisas da autora, o livro acompanha a história da menina Ladydi, que aos 11 anos vê sua melhor amiga ser roubada para o harém de jovens escravas de um chefe do narcotráfico. É para evitar esse destino que as mulheres da região, e de outros recantos esquecidos pelos governos, deixam de frequentar a escola, cortam os cabelos ou até mesmo se mutilam, a fim de ficarem menos femininas e passarem despercebidas aos olhos da elite do tráfico.

A Trama: Esse livro tem um objetivo um pouco diferente do usual, na minha opinião. Enquanto a trama é uma ficção, ela poderia quase ser vista como autobiografia, por tratar com tanta clareza da vida das mulheres na pequena região de Guerrero, no México. A trama segue Ladydi, a protagonista, pela maior parte de sua infância e adolescência, dando destaque especial ao terror que as mulheres da região sentem pelos traficantes que as roubam para vender como escravas ou objetos sexuais.
Não é um livro feliz e também não é uma história fofa. Entretanto, Reze Pelas mulheres roubadas é muito real e vai transportar o leitor para um local que quase parece ficção, ou décadas no passado, porém é completamente contemporâneo.

A ProtagonistaLadydi teve sorte: não nasceu tão bonita. Em um local onde beleza significa a escravidão, as meninas fazem o possível para perder toda a feminilidade e parecer feias - ou horríveis - numa tentativa desesperada de não serem separadas das famílias. Ladydi vê uma de suas amigas serem roubadas e precisa lidar com o desaparecimento constante de mulheres conhecidas, além de seguir as regras silenciosas dos chefes do tráfico.
Apesar de a narrativa ser chocante, na minha opinião a protagonista não tem nada de especial e, por isso, não me cativou.

Os Personagens Secundários: A mãe de Ladydi com certeza tem "um parafuso a menos". Um bêbada má e preguiçosa, a única característica que redimia a personagem era seu amor pela filha, porém eu passei o livro torcendo para ela beber demais e morrer, porque era uma mulher simplesmente detestável. As outras garotas da idade da protagonista eram fofas e foi triste observar pelo que elas tinham que passar.

Capa, Diagramação e Escrita: Essa é uma capa que eu infelizmente não gostei. A original também não é muito boa, o que não ajuda, porém dei uma pesquisada e adorei as versões sueca e finlandesa, que acredito que chamariam mais a atenção.
A escrita de Jennifer foi o grande motivo para eu não ter gostado tanto do livro. Com uma escrita quase infantil, que ignora descrições e parece ser uma sequência infinita de diálogos, eu esperava muito mais de uma autora que tem um diploma em Literatura.

Concluindo: Não é um livro ruim, porém eu esperava mais. Recomendo para quem se interessa em conhecer a realidade das mulheres no México, porém ressaltando que o livro é rápido e não entra em tantos detalhes.

Classificação: