Resenha - A Estrela

Resenha feita pela Maay!  
Título: A Estrela
Título Original: Cartwheel - A Novel
Autora: Jennifer duBois
Editora: Rocco
Páginas: 448
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Extra

Sabem quando você tem vontade de ignorar o final de um livro? Pois é.


Sinopse: Uma jovem norte-americana é presa na Argentina, acusada de assassinato. E sua inocência parece cada vez mais improvável. Eleito livro do ano por veículos como Salon e Cosmopolitan, A estrela, da promissora Jennifer duBois, surpreende com um suspense digno dos grandes mestres. Inspirado no caso real de Amanda Knox, americana acusada de matar sua colega de quarto na Itália, o romance é um thriller psicológico vigoroso e de rara sutileza moral. À medida que as investigações sobre a morte de Katy Kellers avançam, sua ex-colega de quarto Lily Hayes aparece ora como suspeita, ora como inocente, deixando o leitor em suspense até a última página.

A Trama: A Estrela é um romance inspirado no caso de Amanda Knox - uma jovem intercambista norte-americana que foi condenada pelo assassinato da colega de quarto na Itália. Não acompanhei muito de perto o desenrolar desse caso, mas se vocês quiserem saber mais, no google tem bastante informações (haha).
Enfim... Lily, nossa protagonista, foi presa pelo assassinato da colega de quarto, Katy, na Argentina. E assim a história se desenrola, mesclando fatos presentes e passados. Apenas um conselho: prestem atenção a tudo o que vocês lerem, porque às vezes uma informação que parece inútil, pode fazer falta mais para frente - principalmente porque a autora dificilmente entrega informações de bandeja ao leitor, a maioria dos fatos precisa ser muito interpretado a analisado. 
Agora, preciso fazer um desabafo, achei a visão da autora sobre a América do Sul bem preconceituosa viu. Deixei passar porque realmente gostei da leitura.

A ProtagonistaMe julguem, mas para mim, desde a primeira frase proferida Lily é inocente e ninguém me convence do contrário. 
A personagem me conquistou completamente, e achei uma verdadeira injustiça Lily ser julgada por sua espontaneidade - porque acho que esse é o único motivo pelo qual ela foi "pega para Cristo" nesse caso. 
Torci para que ela conseguisse provar sua inocência do início ao fim, e odiei todos os personagens que diziam o contrário - sou dessas mesmo, quando gosto de um personagem, sou fiel a ele. 

Os Personagens Secundários: Os personagens secundários em grande maioria me irritaram. Sebastian, por sempre estar coberto por sua máscara de ironia indecifrável. Nunca conseguia entender realmente quais eram suas intenções. Andrew e Maureen por ficarem tão fissurados por sua filha morta, que praticamente não tomavam nenhuma atitude para ajudar a filha viva que estava na cadeia. Anna, irmã de Lily, por ser uma personagem tão dispensável.
Mas, mais do que todos, Eduardo. Gente, ninguém tira da minha cabeça que Freud explicaria perfeitamente a fixação do promotor em provar a culpa de Lily, mesmo quando todas as evidências levam para outro lado. 

Capa, Diagramação e Escrita: A capa é bonita, a garota me lembrou Lily, e gostei bastante. Pena que a lombada seja tão simples, já que é ela quem aparece na estante. 
A escrita de Jennifer duBois me lembrou muito a de Elsa Lewin (autora de Eu, Anna), é uma escrita densa, porém muito envolvente. A narrativa é em terceira pessoa, alternando o foco entre cada personagem, e explorando o viés psicológico de cada um. Gostei bastante, e entendi perfeitamente o fato de a autora já ter recebido tantos prêmios.
Agora, tem uma coisa que me incomodou bastante: os capítulos são imensos, e os parágrafos também. E eu sou daquelas fãs de parágrafos curtos (isso vocês já devem ter percebido) e capítulos médios - até umas 15 páginas no máximo.

Concluindo: Eu ainda não consigo definir se amei ou odiei esse livro. Até o último capítulo eu estava decidida de que a nota seria um sólido 46, mas então... A minha vontade é simplesmente esquecer que li esse último capítulo, e ficar com a história inacabada mesmo.
E não me entendam mal, não é porque as coisas aconteceram ou não da maneira que eu esperava - é porque os personagens, tão convincentes e bem construídos (apesar de irritantes) até então, simplesmente desmoronaram. Suas atitudes nem de longe condiziam com aquelas apresentadas ao longo das 400 páginas anteriores. 
Mas tirando esse pequeno grande detalhe, recomendo muito a leitura - principalmente para aqueles que gostam desse estilo de livro mais psicológico.

Quotes:
Devemos agir como se nosso entendimento, por limitado que seja, fosse o entendimento mais panorâmico e completo possível. Devemos agir como se tudo nesta vida fosse importante, como se tivéssemos apenas uma chance de acertar as coisas. Devemos agir como se ninguém fosse ver a verdade, se nós não víssemos a verdade.

Classificação: