Resenha - A Garota no Trem

Resenha feita pela Maay!  
Título: A Garota no Trem
Título Original: The Girl on the Train
Autora: Paula Hawkins 
Editora: Record
Páginas: 378
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Extra

Superou minhas expectativas.


Sinopse: Um thriller psicológico que vai mudar para sempre a maneira como você observa a vida das pessoas ao seu redor.
Todas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d’água, pontes e aconchegantes casas.
Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Janson –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida.
Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. 
Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota no trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.

A Trama: A estrutura da trama me lembrou muito Garota Exemplar. E isso é um elogio, só para que fique claro - a estrutura é semelhante, mas a história criada por Hawkins é completamente original e viciante
A trama se desenvolve aos poucos e apenas no final é completamente esclarecida, mas a cada página uma informação nova é entregue ao leitor, a isso torna praticamente impossível uma pausa na leitura. 

A Protagonista: Rachel é uma stalker. Ela pode ser descrita como alcoólatra, psicótica, louca ou o que for - mas é definitivamente uma stalker. Isso fica claro desde a primeira página, e isso prende o leitor desde a primeira página.
Infelizmente, porém, de todos os personagens, ela é quem menos me conquistou. Seu lado louco é fascinante, admito. Mas odeio gente que sente pena de si mesmo, e ela é esse tipo de gente. A sorte é que esse não aquele livro no qual você precisa torcer pela felicidade da protagonista, então foi fácil amar a história mesmo sem sentir simpatia alguma pela senhora sofredora.

Os Personagens Secundários: Scott e Tom foram personagens muito bem construídos, só senti muito o fato de Scott não ter recebido mais destaque no fim. 
Anna, no entanto, que tinha tudo para ser minha personagem favorita, acabou sendo a personagem mais contraditória. O medo absurdo que ela sentia de Rachel não condizia com toda a autoconfiança da personagem. Uma pena - mas esse é outro detalhe facilmente superável. 
Megan, sim, foi uma personagem muito interessante e a alma do livro - com certeza a minha favorita. Mas sobre ela é melhor eu me calar porque, assim como a trama, é revelada aos poucos.

Capa, Diagramação e Escrita: A capa combina muito com o livro, mas achei que a parte do título e do nome da autora ficou um pouco poluída e isso me incomodou um pouco.
O livro é narrado por Rachel, Anna e Megan, alternadamente. Os capítulos são curtos, mas cheios de informação e suspense. A escrita de Paula Hawkins é completamente viciante, eu não conseguia largar o livro. E se você levar em conta que esse é o primeiro livro da autora, sem dúvida alguma ela merece uma atenção especial.

ConcluindoMinhas expectativas pelo livro eram altíssimas, e confesso que eu estava com muito medo de me decepcionar. Mas não - a autora conseguiu me surpreender, pois não somente atendeu a tudo que eu esperava, ela superou minhas expectativas. E isso que eu recebi um spoiler do final do livro antes mesmo de ter ele em mãos. Mesmo assim a história me prendeu, acho que apenas esse fato já deve dizer alguma coisa. 
Então... Apenas leiam, porque além disso não tem muito o que eu falar.

Classificação: