Resenha - Nuvens de Ketchup

Resenha feita pela Tay!
Título: Nuvens de Ketchup
Título Original: Ketchup Clouds
Livro Único.
Autor: Annabel Pitcher
Editora: Rocco
Páginas: 270
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Submarino

SinopseIndicado ao prêmio Edgar Allan Poe na categoria juvenil, Nuvens de ketchup é o segundo romance da inglesa Annabel Pitcher, autora do também premiado Minha irmã mora numa prateleira. A trama gira em torno da jovem Zoe, que narra, por meio de cartas enviadas a um prisioneiro condenado à morte, seu dia a dia com a família, seus envolvimentos românticos e um segredo sombrio que ela não tem coragem de contar a mais ninguém. As inúmeras dimensões dramáticas da jovem protagonista e a narrativa cativante mostram o desabrochar da juventude e percorrem temas como amor, culpa, luto, erros e acertos de forma sensível e bem-humorada.

A TramaZoe decide escrever cartas para um prisioneiro condenado à morte, dizendo que ela cometeu praticamente o mesmo crime que ele, com a única diferença de ter saído impune. Nessas cartas, ela conta o que aconteceu um ano antes, quando se apaixonou. O livro tem um tom de mistério que se arrasta até o final e é isso que mantém o leitor preso, querer saber com quem aquilo acontece, pois ao mesmo tempo que a autora dá algumas pistas, na verdade ela não deu nenhuma.

A Protagonista: Para manter sua identidade reservada, Zoe inventa um nome diferente para escrever suas cartas (sim, esse não é o verdadeiro nome da protagonista). Demorei um pouco para perceber que ela deveria ter uns 17 anos, porque em alguns momentos ela agia e falava de uma forma bem infantil e em outros ela agia de acordo com sua idade, indo em festas e se interessando por meninos. Não consegui entender algumas de suas atitudes e fiquei até um pouco irritada com ela em alguns momentos. Várias coisas teriam um desfecho bem diferente se ela não tivesse agito da forma como agiu. Mas em outras ocasiões, como quando estava com as irmãs, eu gostava de como ela era.

Os Personagens SecundáriosAmei a irmã mais nova de Zoe, Dot. Ela tem 6 anos e é surda, mas tem uma energia e uma alegria impressionantes, que me faziam dar risada a todo momento que ela "falava" alguma coisa. Sua ingenuidade infantil foi o que mais me cativou. Já Soph, a irmã do meio, não acredita que tem tanto a atenção da mãe. Os pais de Zoe estão passando por um momento difícil. Não consegui gostar muita da mãe dela por suas atitudes. Adorei Aaron e torci por ele o livro todo. Já Max despertou minha desconfiança desde o início, quando fez uma coisa nada legal.

Capa, Diagramação e Escrita: Eu gosto da capa, com a fonte e as silhuetas dos pássaros ela não precisa de mais nada, na minha opinião. A diagramação está boa, contém até alguns desenhos feitos pela Zoe nas cartas. A autora mantém bem o mistério, o que me deixou muito curiosa para descobrir logo o desfecho dessa história. Ela tem uma simplicidade que encanta e deixa o leitor preso, sempre curioso por mais.

ConcluindoApesar de ter ficado incomodada com algumas coisas no decorrer da história, eu fiquei bastante envolvida com tudo o que estava acontecendo e com os personagens. O final me deixou com o coração na mão, mas nem sempre temos o que queremos, não é mesmo? Recomendo para quem gosta de YAs contemporâneos.

Quotes
(...) Ele pousou a mão no vidro, e eu, a minha, e ele fez aquela cara de "estou imitando você", arregalando os olhos e piscando como se estivéssemos passando por um momento especial. E o mais engraçado foi que, de fato, estávamos, e nós dois sabíamos disso, e por isso nossas bochechas queimavam exatamente com a mesma cor, o vermelho mais brilhante.


(...) Humanos. Somos todos iguais. Não há escapatória. Não importa se você é um careca inglês arrotando o alfabeto ou uma mulher matando galinhas no meio dos Andes. Não importa que língua você fale ou as roupas que vista. Algumas coisas não mudam. Famílias. Amigos. Amores. São os mesmos em toda cidade de todo país em todo continente do mundo.

Classificação: