Resenha - Uma Chama Entre as Cinzas

Resenha feita pela Tay!
Título: Uma Chama Entre as Cinzas
Título Original: An Ember In The Ashes
Série: Uma Chama Entre as Cinzas
1- Uma Chama Entre as Cinzas
2- A Torch Against The Night (2016 US)
Autor: Sabaa Tahir
Editora: Verus
Páginas: 432
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Saraiva

Me jogaram no chão e ainda pisaram em cima com um salto agulha - é assim que sinto depois de ler esse livro.

SinopseLaia é uma escrava. Elias é um soldado. Nenhum dos dois é livre. No Império Marcial, a resposta para o desacato é a morte. Aqueles que não dão o próprio sangue pelo imperador arriscam perder as pessoas que amam e tudo que lhes é mais caro. É neste mundo brutal que Laia vive com os avós e o irmão mais velho. Eles não desafiam o Império, pois já viram o que acontece com quem se atreve a isso. Mas, quando o irmão de Laia é preso acusado de traição, ela é forçada a tomar uma atitude. Em troca da ajuda de rebeldes que prometem resgatar seu irmão, ela vai arriscar a própria vida para agir como espiã dentro da academia militar do Império. Ali, Laia conhece Elias, o melhor soldado da academia — e, secretamente, o mais relutante. O que Elias mais quer é se libertar da tirania que vem sendo treinado para aplicar. Logo ele e Laia percebem que a vida de ambos está interligada — e que suas escolhas podem mudar para sempre o destino do próprio Império.

A Trama: Numa batida à sua casa, os avós de Laia foram mortos por um Máscara e seu irmão levado pelo Império. Ela conseguiu fugir, mas com uma culpa enorme no coração. Para resgatar seu irmão, ela vai atrás da Resistência, já que seus pais eram seus principais líderes antes de morrerem. Elias está quase se formando para se tornar um verdadeiro Máscara, mas tudo o que quer é fugir de Blackcliff e alcançar sua tão desejada liberdade. Esse livro é incrível do início ao fim! Não há tempo para respirar enquanto você está lendo (e você nem quer isso), porque tem sempre alguma coisa acontecendo e é tudo de tirar o fôlego. A autora usou de alguns clichês, sim, mas criou uma história tão incrivelmente fodástica que nada disso importa. Quase tudo nesse universo é brutal, mas as centelhas de esperança que a autora nos dá em forma de personagens faz com que acreditemos que eles podem mudar tudo - ou pelo menos conseguirem ser livres. E a parte do romance, para mim, foi muito boa, mesmo que ele fique muito em segundo plano. Algumas pessoas acreditam que a autora está tentando construir um quadrado amoroso, mas tenho minhas dúvidas de se ela realmente vai fazer dois dos personagens se envolverem.

Os Protagonistas: Eu amei ambos os protagonistas! No início da história, Laia é uma garota ingênua, que se sentia covarde em comparação com a mãe e o irmão. Vemos um amadurecimento enorme na garota durante a leitura e gostei da autora ter conseguido fazer essa transição de forma crível, não abruptamente. Sua determinação em salvar o irmão a manteve forte o livro todo e eu a admirei de mais por isso. Elias é apaixonante. Mesmo sendo um Máscara, ele tem ideais diferentes dos seus colegas da academia, como no início da trama, quando ele quer desertar. Tudo o que ele quer é sua liberdade, e ao longo do livro vemos como é difícil para ele consegui-la e isso o torna ainda mais forte, principalmente quando ele passa a compreender algumas "profecias" que lhe fizeram.

Os Personagens Secundários: Os personagens secundários principais, digamos assim, são muito bem construídos. Eu adorei Keenan! No início ele vai fazer você odiá-lo, mas ao longo da história passamos a compreender algumas de suas atitudes e é impossível não suspirar por ele. Para mim foi um pouco difícil gostar de Helene. Ao mesmo tempo que eu admirava sua força e sua lealdade, eu não conseguia aguentar quando ela defendia o Império e sua forma de governo. Mas eu consigo compreender sua forma de pensar, mesmo não concordando com suas atitudes e, honestamente, ela é uma das melhores personagens. A comandante é uma mulher horrível e sem motivos para ser má - ela simplesmente é. É até mesmo chocante quando descobrimos o que aconteceu em relação a algo do seu passado. Também gostei muito de Izzi e da sua coragem, espero acompanhá-la mais no próximo volume.

Capa, Diagramação e Escrita: Essa capa é maravilhosa e combina perfeitamente com a história. Nos agradecimentos, a autora cita três músicas que a inspiraram a escrever o livro e conseguimos mesmo perceber alguns aspectos de Uma Chama Entre as Cinzas nas letras, até mesmo conseguimos descobrir de onde ela tirou o título (ouça Wicked Blood do Sea Wolf). A diagramação é simples, mas ótima para ler. O livro é narrado em primeira pessoa nos pontos de vista de Laia e Elias, alternadamente, e Sabaa consegue dar uma voz diferenciada a cada um dos seus personagens. Em alguns livros de pontos de vista alternados, às vezes precisamos voltar no início do capítulo para lembrar qual personagem está narrando, mas aqui você consegue distinguir exatamente quem é quem. E a escrita é deliciosa, com um ritmo incrível que não quer te deixar largar o livro nem por um segundo desde o primeiro capítulo. Em um certo ponto da leitura, chega um momento em que é até doloroso virar a página, porque você não quer deixar que algo aconteça com os personagens. Eu senti realmente um peso no coração ao trocar algumas páginas. Me diga que isso não é incrível.

Concluindo: A história é muito viciante e acredito que quem gosta de fantasia vai adorar. Mesmo sendo um YA, a autora tem um jeito bem maduro de lidar com algumas coisas, principalmente com a construção do mundo, que ela não tornou menos brutal só porque o livro se direciona ao público jovem. Eu quero o segundo volume pra ontem! Infelizmente ele só sai em agosto de 2016 e vou ter que me segurar para não ter um infarto de tanta ansiedade.

Ah, e não deixem de participar do sorteio de um exemplar que está rolando, vale muito a pena. É só clicar aqui.

Quotes:

A vida é feita de tantos momentos que não significam nada. Então, um dia, ocorre um único momento que define todos os segundos depois dele. (...)


(...) Toda a beleza das estrelas não significa nada quando a vida aqui na terra é tão feia.


- Existem dois tipos de culpa - digo em voz baixa. - Aquele que é um fardo e aquele que lhe dá um propósito. Deixe que a culpa seja o seu combustível. Deixe que ela te lembre de quem você quer ser. Trace uma linha em sua mente e nunca mais a ultrapasse. Você tem uma alma. Ela foi ferida, mas está aí. Não deixe que tirem isso de você, Elias.


- (...) Prefiro morrer a viver sem compaixão, sem honra, sem alma.


Classificação: