Resenha - As Virgens Suicidas

Resenha feita pela Tay!
Título: As Virgens Suicidas

Título Original: The Virgin Suicides
Livro Único.
Autor: Jeffrey Eugenides
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 232
Ano: Ed.: 2013 // Original: 1993
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Submarino // Amazon (e-book)


Sinopse
Num típico subúrbio dos Estados Unidos nos anos 1970, cinco irmãs adolescentes se matam em sequência e sem motivo plausível. A tragédia, ocorrido no seio de uma família que, em oposição aos efeitos já perceptíveis da revolução sexual, vive sob severas restrições morais e religiosas, é narrada pela voz coletiva e fascinada de um grupo de garotos da vizinhança. O coro lírico que então se forma ajuda a dar um tom sui generis a esta fábula da inocência perdida. Adaptado ao cinema por Sofia Coppola, publicado em 34 idiomas e agora em nova tradução, o livro de estreia de Jeffrey Eugenides logo se tornou um cult da literatura norte-americana contemporânea. Não por acaso: essa obra de beleza estranha e arrebatadora, definida pela crítica Michiko Kakutani como "pequena e poderosa ópera no formato inesperado de romance", revela-se ainda hoje em toda a sua atualidade.

A Trama: Esse é um daqueles livros que começamos já sabendo o final da história: as cinco meninas Lisbon cometeram suicídio. Não sabemos exatamente quem é nosso narrador, mas é um dos garotos (ou todos eles) que, durante a breve vida das meninas, eram obcecados pelos segredos da sua existência e, depois, em tentar desvendar o motivo de todas terem se matado. Acredito que o livro é recheado de metáforas que, numa primeira leitura, não conseguimos traduzir todas, mas isso não impede que a leitura seja emersiva, nos mantendo sempre curiosos para desvendar os mistérios que rondam essas meninas.

Os Personagens: As irmãs Lisbon são as protagonistas dessa história, mas tudo o que sabemos sobre elas é o que o nosso narrador-personagem tem conhecimento, seja por relatos de outros personagens que ele está tomando nota anos depois dos suicídios, ou por momentos das vidas das meninas que ele pôde presenciar. De todas, Lux recebe mais destaque, por ser a mais "rebelde" das irmãs e realmente ter uma personalidade que se destaca das outras. Por exemplo, sabemos apenas que Thereze, a mais velha, gosta muito de ciências; Bonnie é quase tão religiosa quanto a mãe; Cecilia, a primeira a morrer, era estranha e a que mais se diferenciava das irmãs; e, na verdade, não me lembro muito do que dizia sobre Mary. 


Capa, Diagramação e Escrita: Eu gosto muito da capa, principalmente da fonte usada no título e no nome do autor. A diagramação é bem simples, mas ótima para ler. O livro é composto apenas de cinco capítulos, então alguns são bem longos, mas durante a leitura você fica tão imerso naquela história, que eles passam bem rápido. O autor tem uma escrita muito boa e adorei a forma como ele resolveu narrar o livro. É daquele tipo de história que terminamos sem realmente descobrir o que aconteceu, porque, como já disse, acompanhamos os relatos de um narrador que também era um personagem, e ficamos nos perguntando o que se passava nas cabeças daquelas meninas.

ConcluindoCom toda certeza é um livro diferente que pode parecer estranho no início, mas ao longo da leitura você consegue se envolver bastante com o que estava acontecendo e provavelmente vai querer reler no futuro para tirar mais uma camada desse livro e descobrir coisas novas, detalhes que deixou passar, etc. 

O Filme: Já tinha visto o filme há alguns anos e acabei revendo depois da leitura do livro. Na minha opinião foi uma adaptação muito bem feita, detalhes da história estão lá (mesmo faltando algumas coisinhas), fazendo com que você tenha as mesmas sensações de quando leu o livro. Recomendo os dois.


Classificação: