Resenha - O Perfume


Resenha feita pela Maay!
Título: O Perfume
Título Original: Das Parfum
Autor: Patrick Süskind
Editora: Record
Páginas: 256
Ano: 1995
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Fnac

Um livro não se torna clássico se não tem algo de especial.

Sinopse: França, século XVIII. O recém-nascido Jean-Baptiste Grenouille é abandonado pela mãe junto a restos de peixes em um mercado parisiense. Rejeitado também pela natureza, que lhe negou o direito de exalar o cheiro característico dos seres humanos, pelas amas-de-leite e por instituições religiosas, o menino Grenouille cresce sobrevivendo ao repúdio, a acidentes e doenças. Ainda jovem descobre ser dotado de imensa sensibilidade olfativa e parte em busca da essência perfeita, do perfume que lhe falta para seduzir e dominar qualquer pessoa. Nessa busca obsessiva, ele usurpa a essência dos corpos de suas vítimas.

A Trama: Acredito que a maioria de vocês já ouviu falar desse livro, ou pelo menos assistiu ao filme. E se você é um dos que assistiu apenas ao filme, se permita conhecer a história escrita. 
Grenouille, como a sinopse já adianta, é um garoto que não tem cheiro próprio, mas é dono de um nariz único - e na busca de criar um perfume humano para si, ele se torna assassino.
A história mescla um pouco de fantasia com realidade. Mas essa mistura é muito sutil, como a maior parte da narrativa, diga-se de passagem. Tudo é muito cheio de sutileza, até mesmo as descrições dos assassinatos. É bonito de ver. Meio macabro, mas bonito (haha).
  
O Protagonista: Grenouille é doido, estranho, maluco... Sério. Admiro a criatividade do autor por criar um personagem assim. E admiro também sua coragem de criar um protagonista pelo qual quase nenhum leitor terá empatia.
Eu me envolvi pela sua história, fiquei curiosa e queria saber o que aconteceria. Mas em momento algum torci por ele. Pelo contrário, queria ver ele se #@%&$ mesmo é que ele fosse descoberto o quanto antes.

Os Personagens Secundários: Apesar de o livro ser narrado em terceira pessoa e ter um narrador onisciente (aquele que conhece o íntimo dos personagens), não temos tempo de conhecer muito bem os personagens secundários. Não somente porque o foco está mesmo no protagonista, mas também porque ele não fica muito tempo no mesmo lugar.

Capa, Diagramação e EscritaA edição que eu li é maravilhosa. De capa dura, cara de livro antigo mesmo, sabem? Aqueles que aparecem nas bibliotecas de filmes e a gente fica babando. Coisa mais linda da vida, me apaixonei.
A narrativa consegue ser sutil e grotesca ao mesmo tempo. O autor faz uma metáfora comparando o protagonista a um carrapato que torna quase palpável a riqueza de sua escrita. Só nisso ele já tinha me ganhado.

Concluindo: Apesar de alguns trechos mais lentos, eu gostei bastante. Pode não ter marcado minha vida, mas preciso reconhecer a qualidade dessa obra. Agora, não vou dizer que esse é um livro para qualquer um, porque não é. A história vai além do bizarro, sério. Mas... Tem a escrita. E a escrita de Patrick é uma coisa indescritível.
Vale para quem gosta de clássicos, para quem quer se aventurar em outros estilos e tal. Porém, tem o seu lado esquisito, e prefiro prevenir vocês sobre isso.

Classificação: