Resenha - Mr. Mercedes

Resenha feita pela Tay!
Título: Mr. Mercedes

Título Original: Mr. Mercedes
Série: Trilogia Bill Hodges
1- Mr. Mercedes
2. Finders Keeper (2015 US)
3. End of Watch (2016 US)
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Páginas: 400
Ano: 2016
Saiba mais: Skoob
Comprar: 
Amazon // Saraiva // Submarino

Sinopse
Nas frigidas madrugadas, em uma angustiante cidade do Centro-Oeste, centenas de pessoas desempregadas estão na fila para uma vaga numa feira de empregos. Sem qualquer aviso um motorista solitário irrompe no meio da multidão em um Mercedes roubado, atropelando os inocentes, dando ré e voltando a atropelá-los. Oito pessoas são mortas, quinze feridos.
Em outra parte da cidade, meses mais tarde, um policial aposentado chamado Bill Hodges é ainda assombrado por um crime sem solução. Quando ele recebe uma carta enlouquecida de alguém que se auto-identifica como privilegiado e ameaça um ataque ainda mais diabólico, Hodges acorda de sua deprimente e vaga aposentadoria, empenhado em evitar outra tragédia.
Brady Hartfield vive com sua mãe alcoólatra na casa onde ele nasceu. Ele adorou a sensação de morte sob as rodas da Mercedes, e ele quer aquela corrida de novo. Apenas Bill Hodges, com um par de aliados altamente improváveis, pode prender o assassino antes que ele ataque novamente. E eles não têm tempo a perder, porque na próxima missão de Brady, se for bem sucedido, vai matar ou mutilar milhares.
Mr. Mercedes é uma guerra entre o bem e o mau, do mestre do suspense, cuja visão sobre a mente deste obcecado assassino insano é arrepiante e inesquecível.

A Trama: Hodges, agora um detetive aposentado, recebe em casa uma carta que traria adrenalina novamente para a sua vida. O remetente se diz ser o Assassino do Mercedes, um caso que Hodges não conseguiu concluir antes da aposentadoria. Mas agora Hodges vê uma saída da monotonia da sua vida e algo mais interessante para fazer além de brincar com seu antigo revólver. O livro não trás um mistério, porque logo no início descobrimos a identidade do Mr. Mercedes - exceto os personagens, claro -, temos até capítulos sob seu ponto de vista. Mas isso torna tudo ainda mais interessante, ver essas duas mentes trabalhando para propósitos diferentes e acompanhamos, basicamente, um jogo de gato e rato. Apesar de não ser um livro perfeito e ter algumas coisas que não me agradaram tanto, não há como negar que é uma história bem escrita e envolvente, tanto que nos últimos capítulos eu mal conseguia respirar enquanto lia

O Protagonista: Hodges é um protagonista interessante. Ele se aposentou, tem 62 anos e está bem acima do peso, além de morar sozinho e a solidão está fazendo-o ter pensamentos sombrios. Mesmo com um mar de empecilhos para ele desistir da ideia de que era capaz de resolver mais esse caso, ele foi em frente e deu seu melhor. Ele também é bem esperto e inteligente, o que fez a leitura se tornar ainda mais legal. Apenas no final o autor tentou emburrecê-lo um pouco para fazer algo na trama funcionar, o que não me agradou muito, porque depois de ver como a mente de Hodges funcionava, sempre pensando em todas as possibilidades sem ignorá-las, aquilo não me convenceu nenhum pouco.

Personagens Secundários: Nosso Mr. Mercedes também é um homem esperto e inteligente, o que faz o leitor quebrar a cabeça de várias maneiras, tentando descobrir como Hodges conseguiria encontrá-lo. Ele é obviamente um psicopata e vamos descobrindo coisas ainda mais bizarras sobre sua vida ao longo do livro, principalmente sua relação doentia com a mãe. Isso, inclusive, me lembrou em alguns momentos de Psicose, embora o Mr. Mercedes e Norman Bates não tenham o mesmo problema. Por ser um personagem tão nojento, ele acaba também sendo bem interessante. Não sei vocês, mas sempre tenho mais medo quando o vilão da história é uma pessoa. Jerome também é um personagem bem inteligente e tem um papel muito importante na trama, gostei muito do espaço que o autor deu para ele. Assim como para Holly, uma personagem a qual não damos nada quando aparece, mas se prova ser bem mais esperta do que aparentava. Ela com certeza me surpreendeu. Conhecemos vários outros personagens durante o livro, mas Jerome e Holly são os que continuarão nos outros livros da trilogia.


Capa, Diagramação e Escrita: Adoro a capa! A chuva de sangue e o guarda-chuva azul tem tudo a ver com a história, além de capas com fundo branco me atraírem bastante quando os elementos contidos nela são bem trabalhados. A diagramação é simples, mas muito confortável para a leitura. Uma coisa que tenho a reclamar da edição é a lombada. Não sei se vocês já perceberam, mas todos os livros da Companhia das Letras têm as lombadas para a direita (daquelas quando você coloca o livro deitado a lombada fica de cabeça para baixo). Agora que eles possuem o selo da Suma de Letras, os livros (que costumavam ter as lombadas do lado certinho) estão vindo com as lombadas para o lado direito, o que vai desigualar bastante dos meus outros livros do Stephen King. Eu sei que é algo bobo para reclamar, mas isso me incomoda muito, vocês não têm ideia! (Dona Maay diria que tenho TOC.) A escrita é maravilhosa, como sempre. Nem todo mundo consegue gostar da escrita do King, por algumas vezes ser bem descritiva e um pouco lenta, mas eu adoro, por ser bem característica. Se eu lesse um texto dele sem saber que era dele, tenho certeza que conseguiria adivinhar mesmo assim. 

Concluindo: Pode-se dizer que esse é um thriller bem envolvente, no melhor estilo Stephen King (ou seja, se você torcer o livro, vai cair uma enxurrada de sangue). O final me deixou com o coração na mão e louca para saber como essa história vai continuar. Sei reconhecer que houve algumas falhas, mas adorei mesmo assim e recomendo muito se você gosta desse tipo de história.

Quotes


(...) Não era justo, mas o que é? A vida é um parque de diversões de bosta com prêmios de merda.


(...) Toda religião mente. Todo preceito moral é uma ilusão. Até as estrelas são miragem. A verdade é a escuridão, e a única coisa que importa é fazer uma declaração antes de se entrar nela. Rasgar a pele do mundo e deixar uma cicatriz. É disto que se trata a história, afinal: cicatrizes. 

Classificação: