Resenha - Três Coisas Sobre Você

Título: Três Coisas Sobre Você
Título Original: Tell Me Three Things
Autora: Julie Buxbaum
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Ano: 2016
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Submarino // Amazon 

Nunca pensei que um livro seria capaz de despertar a Felícia que vive em mim!


Sinopse: Setecentos e trinta e três dias depois da morte da minha mãe, 45 dias após o meu pai fugir para se encontrar com uma estranha que ele conheceu pela internet, 30 dias depois de a gente se mudar para a Califórnia e apenas sete dias após começar o primeiro ano do ensino médio numa escola nova onde conheço aproximadamente ninguém, chega um e-mail. Deveria ser no mínimo esquisito, uma mensagem anônima aparecer do nada na minha caixa de entrada, assinada com o bizarro nome Alguém Ninguém. Só que nos últimos tempos a minha vida tem estado tão irreconhecível que nada mais parece chocante.

A Trama: É muito difícil falar sobre um livro que eu amei tanto... Não sei como expressar em palavras o nível de fofura presente nessa história - sabem aquela coisa bem Felícia? Vontade de apertar e esmagar? Então... É muito estranho sentir isso por um livro, mas essa é a reação que Três Coisas Sobre Você despertou em mim. 
A trama é tão simples, e nessa simplicidade ela se torna especial e conquista perdidamente o leitor. Minha única reclamação é que 288 páginas é muito pouco! Eu queria mais, muito mais. 

A Protagonista: Jessie é uma protagonista... A menina tinha todos os motivos do mundo para estar no fundo do poço, mas tem uma força absurda que não sei de onde sai. Ela é real e, portanto, sim, ela tem defeitos - como qualquer pessoa tem. Mas tem inúmeras qualidades que a tornam extraordinária - é o tipo de personagem que eu queria que existisse só para poder ser amiga. E estou me sentindo maluca falando sobre esse livro, então vocês precisam ler para entender do que eu estou falando. 

Os Personagens Secundários: Alguém-ninguém é a melhor pessoa do mundo! Não tem como não amá-lo. Ele é incrível, divertido, apaixonante, e faz meus olhos brilharem (olha que boba, haha). E o fato de não conhecermos sua identidade torna o personagem ainda mais interessante - apesar de que a autora deu algumas dicas bem óbvias e não foi muito difícil deduzir quem ele era... Mas ainda assim foi lindo ver essa dedução confirmada. O livro todo é lindo. Leiam gente, por favor! 
Quanto aos outros personagens secundários, é difícil falar deles porque em algum momento do livro você desconfia de quase todos, então eu estaria dando spoillers. O que posso dizer é que absolutamente todos são extremamente bem escritos - a autora não colocou ninguém ali apenas por colocar, cada um tem alguma relevância para a história e isso me conquistou ainda mais.

Capa, Diagramação e Escrita: Pelo amor de deus, o que é essa capa? Eu confesso que antes mesmo de ler a sinopse, o livro estava nos meus desejados por causa dela. Porém, tem um porém, ela é daquele emborrachado que mancha muito fácil - a minha ficou toda marcada só de segurar durante a leitura.
A escrita de Julie é viciante, delicada, leve e me prendeu desde a primeira página. É daquele tipo que você lê sem se dar conta e, quando vê, o livro acabou. Se tornou, definitivamente, uma nova autora favorita

Concluindo: Essa história é tão boba, mas ao mesmo tempo tão única. O livro me ganhou pela capa. Mais ainda quando li a sinopse. E completamente depois da leitura. Apesar de toda a temática do luto, é uma história que vai te deixar mais leve e com um sorriso no rosto. Entrou não somente para os melhores do ano, mas para os favoritos da vida. 
E, assim, acho que eu já fui clara o suficiente ao longo de toda a resenha né? Leiam. Sério. Leiam, leiam, leiam!

Quotes:
Existe história melhor do que a da garota que descobre que o seu verdadeiro amor morava o tempo na casa ao lado? Claro, o meu vizinho viria a ser mais como um zumbi com saliva misturada com refrigerante, mas tudo bem. Vivendo e aprendendo.

Os dias perfeitos são para pessoas com sonhos pequenos, possíveis de serem realizados. Ou talvez para todos nós eles só aconteçam em retrospecto: só são perfeitos agora porque contêm alguma coisa irrevogável e irrecuperavelmente perdida.


Não acredito que fui idiota de mandar uma mensagem enquanto etava bêbada. Preciso arrumar um bafômetro que bloqueie o telefone. Isso existe? Se não existir, vou inventar, esfacelar o setor e ganhar um trocilhão de dólares.