Resenha - O Primeiro Dia do Resto da Nossa Vida

Título: O Primeiro Dia do Resto da Nossa Vida
Título Original: Miss You
Autora: Kate Eberlen
Editora: Arqueiro
Páginas: 432
Ano: 2016
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Submarino // Amazon 

Um livro fofo.


Sinopse: Tess e Gus foram feitos um para o outro. Só que eles não se encontraram ainda.
E pode ser que nunca se encontrem... Tess sonha em ir para a universidade. Gus mal pode esperar para fugir do controle da família e descobrir sozinho o que realmente quer ser. Por um dia, nas férias, os caminhos desses dois jovens de 18 anos se cruzam antes que os dois retornem para casa e vejam que a vida nem sempre acontece como o planejado.
Ao longo dos dezesseis anos seguintes, traçando rumos diferentes, cada um vai descobrir os prazeres da juventude, enfrentar problemas familiares e encarar as dificuldades da vida adulta. Separados pela distância e pelo destino, tudo indica que é impossível que um dia eles se conheçam de verdade... ou será que não?
O Primeiro Dia do Resto da Nossa Vida narra duas trajetórias que se entrelaçam sem de fato se tocarem, fazendo o leitor se divertir, se emocionar e torcer o tempo todo por um encontro que pode nunca acontecer.

A Trama: Eu esperava muito desse livro. Essa narrativa que passa por vários anos (16, para ser precisa) das vidas dos personagens é uma coisa que me atrai bastante, e os comentários que já havia lido sobre a história elevaram ainda mais minhas expectativas - e isso complicou bastante a leitura. 
O livro é bom, isso é inegável. Kate Eberlen criou uma narrativa bastante original, na qual você teoricamente torce por um casal que sequer se conhece. Porém, três coisas fizeram com que ele não fosse assim tão marcante para mim. 
Primeiro, eu não estava no clima para romance. Li, há pouco tempo, um outro romance que me devastou, então esse não era o estilo que eu queria ler no momento - e isso atrapalhou muito, sem a menor sombra de dúvidas. Segundo, expectativas. Quando mais você espera de uma obra, mais provável é que ela te decepcione. Terceiro, eu não consegui torcer pelos protagonistas como casal - eu torcia muito para cada um deles superar seus próprios obstáculos e finalmente ser feliz, isso sim, mas como casal... Não me cativou canto. 

As Protagonistas: Tess é ingênua demais e isso me irritou muito, perdi a paciência com ela em diversos momentos. Tinha vontade de entrar no livro e dar com a cabeça dela na parede para ver se a menina tomava alguma atitude radical. 
Gus, por sua vez, é bem cabeça quente no começo da obra, e essa foi uma das razões pelas quais ele ganhou meu coraçãozinho (haha). Outra delas foi o seu amadurecimento com o passar dos anos - acho que vocês já devem ter percebido que eu gosto muito quando os personagens vão crescendo durante a leitura. 
Agora um comentário besta, cada vez que Gus era chamado pelo seu nome inteiro, Angus, eu me lembrava do sanduíche de Angus Beef do McDonalds (eu disse que era besta, hahaha). 

Os Personagens Secundários: Tenham em mente que são dezesseis anos da vida dos protagonistas e, por isso, é muito complicado falar sobre os personagens secundários sem lotar a resenha de spoilers. O que posso adiantar é que absolutamente nenhum deles me agradou - mas esse parece ter sido o propósito da autora mesmo, então não vi como um ponto negativo. 

Capa, Diagramação e EscritaAté gostei da capa nacional, mas preciso ser honesta com vocês: a capa original, assim como o título, combinariam muito mais coma obra. 
A escrita de Kate Eberlen me surpreendeu pela quantidade de simbolismos que carrega. Ela é cheia de detalhes sutis, que se você não estiver prestando atenção, passará batido pelas mensagens que eles carregam. E essas pequenas mensagens foram, definitivamente, o meu ponto favorito de toda a obra. 

Concluindo: Esse livro me fez refletir muito sobre o quanto pequenas escolhas podem afetar todo o nosso destino - o tal do efeito borboleta né. Porém, infelizmente a leitura não fluiu como eu esperava. 
Ainda assim, recomendo fortemente. Essa é uma obra muito bonita e tenho plena consciência de que, no momento certo e com as expectativas controladas, ele poderia, sim, ter se tornado um dos melhores do ano. 

Quotes:
É só que, às vezes, quando estou olhando para o céu limpo da noite, o universo parece tão vasto e aleatório que é estranho pensar em como nossos pequenos momentos na Terra podem conter tanto significado.