Top Comentarista - Resultado de Outubro

Oi, gente! Tudo bem com vocês?

Eu sei que esse resultado demorou um mês inteiro para sair e todas nós pedimos desculpas para os participantes que ficaram aguardando. Estamos com um pouco de dificuldade em administrar nosso tempo entre vida real e o blog, mas vamos continuar tentando ao máximo voltar o blog aos eixos e aumentar nossas postagens.
Dito isso, fica óbvio que em outubro continuamos com poucas postagens, então a distribuição de pontos foi feita da seguinte maneira: 1 ponto para quem comentou em mais de 3 postagens; 2 pontos para quem comentou em mais de 10 postagens; e 3 pontos para quem comentou em todas as postagens válidas.
Vamos conferir agora todos os participantes e a pontuação de cada um!


Agora vamos ver quem levou o prêmio do R$30,00 do mês passado? E o vencedor é...

Notícias Literárias - Nova série de Julia Quinn!



Resenha - Sorrisos Quebrados

Título: Sorrisos Quebrados
Autor: Sofia Silva
Editora: Valentina
Páginas: 232
Ano: 2017 
Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Submarino

SinopseSorrisos Quebrados gira em torno de três personagens: a jovem Paola, a pequena Sol e seu pai, André. Os três são vítimas de violências distintas, que deixaram marcas profundas em cada um. Trata-se de uma história de superação de dores, magia, estrelas e de como importantes laços humanos podem se formar a partir da autoaceitação, da arte e da tolerância no cotidiano.

A TramaSeis anos após sofrer física e psicologicamente nas mãos de seu ex-marido, Paola vive em uma clínica para pessoas que enfrentam problemas como ela. As marcas da agressão estão estampadas em seu corpo e em seu espírito, e a única coisa que trás luz para seus dias é a pintura, algo com o que ela sente uma conexão muito forte. Isso até ela conhecer Sol, uma garotinha de 4 anos, fazendo com que a pintura e os fantasmas dos passados das duas as unissem. Porém, com Sol também vem André, seu pai, alguém que amedronta Paola desde o momento que se conhecem.
Sorrisos Quebrados é focado na relação de Paola e André e a maneira que eles buscam apoio um no outro com o passar do tempo. Apesar de ter cativado muitos leitores, eu não consegui me sentir tão conectada assim à história. Claro que as circunstâncias e experiências dos personagens são diferentes de outros livros, mas o que envolve o romance (e isso é a maior parte do livro, obviamente) achei bem clichê e, admito, um pouco entediante em alguns momentos. Acho que a única coisa que o diferencia de outros livros do gênero é o inicio, que conta a época em que Paola ainda estava com o ex-marido e a sequência é bem tensa e cruel de se ler.

Resenha - Coraline

Resenha feita pela Lary
Título: Coraline
Autor: Neil Gaiman
Editora: Rocco Jovens Leitores
Páginas: 155
Ano: 2003
Saiba Mais: Skoob
Comprar: Walmart // Submarino

Sinopse: Primeiro livro de Neil Gaiman escrito especialmente para o público juvenil, Coraline é um conto de fadas às avessas que reconhece a subestimada e, por vezes esquecida, maturidade da maioria dos jovens leitores. Nele, Gaiman encara pela primeira vez o desafio de escrever fantasias assustadoras para as crianças e vai além dos tradicionais gigantes padronizados, príncipes encantados, frágeis princesas ou dragões, que habitam esse universo, criando uma personagem com a qual as crianças podem facilmente se identificar. Em uma tarde chuvosa, a menina consegue abrir uma porta que sempre estivera trancada na sala de visitas de casa e descobre um caminho para um misterioso apartamento ‘vazio’ no quarto andar do prédio. Para sua surpresa, o apartamento não tem nada de desabitado, e ela fica cara a cara com duas criaturas que afirmam ser seus “outros” pais. Na verdade, aquele parece ser um “outro” mundo mágico atrás da porta. Lá, há brinquedos incríveis e vizinhos que nunca falam seu nome errado. Porém a menina logo percebe que aquele mundo é tão mortal quanto encantador e que terá de usar toda a sua inteligência para derrotar seus adversários.

A Trama: O livro se foca na vida cotidiana de Coraline ao tentar se adaptar a mudança para uma nova cidade e consequentemente uma nova casa - uma pensão e seus estranhos moradores. Depois de alguns dias, ela se depara com um a porta para outro mundo, muito semelhante ao seu, porém muito mais divertido e interessante. A premissa geral de Coraline me fez lembrar muito de Alice no País da Maravilhas, mas com elementos mais macabros.

Tag - Doenças Literárias

Notícias Literárias - Livro de Guillermo Del Toro " A Forma da Água" será lançado no Brasil

O Livro é Melhor? A Garota Dinamarquesa

Faz um tempinho que li esse livro e assisti ao filme, mas ainda está valendo!!


O LIVRO:

  • Einar e Greta são casados há 10 anos (se não me engano) e vivem na Dinamarca, os dois são artistas e enquanto Einar é muito famoso por suas paisagens pantanosas, Greta que é americana se esforça para conseguir se destacar sem muito sucesso.
  • No inicio da trama , Greta está fazendo o auto-retrato de uma amiga, cantora de ópera - só que na finalização do retrato a modelo não pode comparecer, por isso Greta pede a Einar que vista uma meia calça e pose com um vestido para que ela possa terminar o quadro. Depois de muita recusa, ele aceita e é quando Ullna\Anna\Oona chega se desculpando pelo atraso e os vê - alegando que Einar ficava muito bonito assim e essa sua "versão" deveria se chamar Lili.
  • Depois de mostrar sinais de afinidade á coisas femininas, e já sendo muito quieto e tímido, Einar começa a mudar ainda mais seu comportamento  - o ponto exato de "libertação" se deu quando convidados para um evento , Einar se recusa a ir pois sofrerá muito assédio de seus convidados. Neste momento Greta sugere que ele vá como Lili.
  • O casal se diverte na festa com a ignorância dos convidados e Lili se mostra extremamente feminina e a vontade e é inclusive cortejada por um rapaz. A partir daí, durante a rotina do casal Greta nota em algumas situações que suas meias, camisolas e outras peças de roupas as vezes somem, e muitas vezes nota que seu Marido as está usando. Mais tarde se depara com Lili, em seu estado completo e cada vez com mais frequência.
  •  No geral Greta se mostrou muito companheira, claro que ela ficou triste por de certa forma perder o marido, mesmo ganhando uma amiga, quase uma irmã como Lili. Há muita dualidade em Greta, mas durante a leitura a impressão que tive foi de que o sentimento de felicidade de Einar era mais importante para ela do que seu amor e relacionamento com ele.


O FILME

  • A retratação dos personagens foi incrível, fiel á trama de uma forma adorável, o início do filme claro, comparado ao livro foi muito curto.
 


  • Temos uma pequena dinâmica em relação á vida do casal e já passamos para a "criação de Lili. Preciso dizer que apesar  de Alicia Vikander ter ganhado o Oscar, acho que Eddie Redmayne devia levar todas as glórias, pois suas personificação de Einar e Lili são perfeitos, muito me admirei em como ele conseguiu encarnar toda a feminilidade de Lili e o quão bonito ficou! 



  • O filme aborda a transformação de Lili de forma muito abrupta, quase nada das semanas em que Greta via seu marido aos poucos se tornando mais e mais uma mulher é mostrado, assim como o interesse artístico de Greta em Lili.




  • Embora tenha cortado algumas coisas, o filme foi fial ao livro sem mudar acontecimentos importantes, ou sumir com muitos personagens, porém o entendimento do relacionamento de Lili e Greta e o passado dessa última são prejudicados pela rapidez que a história é abordada. 



  • Senti na Greta do filme uma raiva reprimida que não consegui enxergar na Greta da literatura, talvez por que pelo senso comum qualquer mulher apaixonada iria ficar muito revoltada que de repente seu marido desaparecesse. E de novo toda a grande elaboração da personagem se perde em algo mais superficial.

Qual é melhor?
Embora a ambientação do filme seja divina (tanto em cenário, figurino, elenco e etc), a trama e a dramaticidade se perdem muito, e são parte muito importante do livro, por que ele é justamente sobre a luta que as duas enfrentaram juntas e separadas e como isso as afetou. Obviamente o livro é muito melhor, mas para quem gostou da leitura o filme é uma ótima adaptação artística, como uma quadro - o que combina muito bem com essa trama não??
Para quem têm interesse em ler a resenha, acesse aqui!

Quinta das Capas #98

Capas de Livros de Horror

Olá, Olá!! Pois é, o Halloween já passou e eu esqueci de postar essa coluna... Mas vocês são muito bonzinhos e irão relevar... Certo?

Li Caixa de Pássaros a pouco tempo, e apesar de achar a capa muito simples inicialmente, depois de ler a considero muito adequada ao livro e ao tipo de suspense que o autor queria empreender. Casas "assombradas" ou com aparência de tal sempre me pareceram assustadoras, e também clichês... Horror na Colina Darrington me dá a impressão de ser interessante a primeira vista, mas depois de estudar um pouco a capa, não parece decepcionante? Tratado Oculto do Horror é o meu tipo de livro! Me lembra filmes de terror B - dos quais sou muito fã. Se o interior de Condado Marcabro combinar com a arte da capa, podemos esperar uma boa leitura de terror, coisas fofas ou infantis retratadas com indiferença e esquecimento quase sempre dão arrepios - e eu nunca gosto de palhaços....

Ok...Em Unremitting Horror os zumbis invadiram a caverna do Gollun... piada sem graça. The Last Outpost tem um acabamento horrível, mas esse tipo de arte vêm sendo muito usada nas personagens de terror de hoje - vômitos sobrenaturais, a "condição" dos mortos, zumbis, possuídos e etc é ostentada com muito suor, veias, colorações em tons de cinza, aspecto pegajoso ou rachado... E isso somado á movimentos animalescos ou inumanos, nos assusta justamente por parecer selvagem, não natural e passível de contaminação - seria um medo advindo de nosso subconsciente, um medo primitivo - que claro causa mais agonia do que medo de fato, pelo menos no meu caso. A capa de Cannibal me chama mais  a atenção pela sensualidade do que pela temática canibalista abordada, haha. Amityville não precisa de muito para dar "frio na espinha", mas essa mistura de sangue e sombra da Darkside se adequa perfeitamente a trama, além de gerar curiosidade e incomodo.

Coraline é uma daquelas histórias criativas e emocionantes que escondem temáticas e abordagens mais macabras do que podemos observar a primeira vista - depois de ler muito Neil Gaiman, posso dizer que suas obras as vezes me lembram Tim Burton. Goodebumps está aqui como uma homenagem a minha infância, eu lia, assistia e sim, me apavorava. Comprei O Menino que Desenhava Monstros há algum tempo e estou ansiosa para ler, amo a capa - ela é simples mas promete alguma coisa! O Vilarejo tem a capa quase decepcionante, se não fosse o mistério gerado pela conjunto da imagem e do título.

Juntei e deixei essas capas por último, pois são de uma mesma série (não de livros, apesar do primeiro e do terceiro realmente serem da mesma série, mas digo quando uma editora lança por ex, "Clássicos de Romance" e lança vários autores com a mesma padronização de capas). A simplicidade e abordagem das capas em si já são um clássico, e em alguns casos realmente me fazem olhar duas vezes, imagino qual foi a reação das pessoas que se depararam com eles, quando foram lançados.

Resenha - O Estranho Mundo de Jack

Título: O Estranho Mundo de Jack
Livro Único.
Autor: Tim Burton
História e Arte: Jun Asuka
Editora: Abril
Páginas: 176
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon

"This is Halloween!!"


Sinopse: Seja bem-vindo ao estranho mundo de Jack, mestre e senhor absoluto do Halloween. Infalível propagador de sustos nas noites de 31 de outubro, Jack se empolgou com uma outra festa que também ocorre apenas uma vez por ano: o celebrado Natal. Mas como fica a ordem das coisas quando uma criatura acostumada a espalhar o terror decide comandar um evento tão colorido, terno e reconfortante? Você mesmo vai descobrir a resposta se tiver coragem e mantiver os olhos abertos e grudados nesta versão em mangá da premiada animação escrita e produzida por Tim Burton.

A Trama: Jack - o Rei da Abóbora é o mestre da Cidade do Halloween, e o responsável por levar o Dia das Bruxas parar todos no mundo. Infelizmente Jack está entediado com sua função - depois de anos fazendo a mesma coisa, ele busca inspiração e um objetivo em sua existência imortal, e é nesse momento que ele descobre a Cidade do Natal.

Resenha - Todos, Nenhum: Simplesmente Humano

Título: Todos, Nenhum: Simplesmente Humano
Título original: Symptoms of Being Human
Autor: JeffGarvin
Editora: Plataforma21
Páginas: 400
Ano: 2017 
Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Submarino

Sinopse“A primeira coisa que você vai querer saber sobre mim é: sou menino ou menina?”
Riley Cavanaugh é um ser humano com muitas características: perspicaz, valente, rebelde e… gênero fluido. Em alguns dias, se identifica mais como um menino, em outros, mais como uma menina. Em outros, ainda, como um pouco dos dois. Mas o fato é que quase ninguém sabe disso.
Depois de sofrer bullying e viver experiências frustrantes em uma escola católica, Riley tem a oportunidade de recomeçar em um novo colégio. Assim, para evitar olhares curiosos na nova escola, Riley tenta se vestir da forma mais andrógina possível. Porém, logo de cara recebe o rótulo de aquilo.
Quando está prestes a explodir de angústia, decide criar um blog. Dessa forma, Riley dá vazão a tudo que tem reprimido sob o pseudônimo Alix.
Numa narrativa em que o isolamento é palpável a cada cena, Jeff Garvin traça um poderoso retrato da juventude contemporânea. Somos convidados a viver a trajetória de Riley e entender o quê, afinal, significa ser humano.

A TramaRiley é gênero fluido, mas ainda não contou para ninguém, já que isso é algo novo até mesmo para si. Depois de se transferir de uma escola particular católica para uma escola pública, Riley acha que sua vida vai melhorar e os dias de bullying ficaram para trás. Mas a primeira coisa que ouve a seu respeito ao chegar na escola nova é a recorrente frase "é menino ou menina?" e "aquilo". Para extravasar um pouco sua ansiedade, Riley decide seguir o conselho de sua psicóloga e abrir um blog anônimo usando o nome Alix. É lá que Riley vai postar seus pensamentos mais íntimos, ganhar seguidores e conseguir uma fama que nunca pediu - e que toma um caminho inesperado quando seus conselhos começa a realmente afetar a vida de outras pessoas. Além de ser uma história bem informativa, Todos, Nenhum: Simplesmente Humano foi uma delícia de ler - mas não se engane, porque essa não é, definitivamente, uma história fofa ou bobinha, falando sobre diversidade de gênero de forma trivial. Ele trás sim esse lado mais "descontraído" algumas vezes, mas a história é bem mais profundo e real do que isso.

Pilha de Leitura da Lary #6

Estou com problemas sérios para manter essas pilhas atualizadas, haha!!
Se você não conhece a Pilha de Leitura, é uma coluna em que nós vamos falar um pouquinho sobre os próximos livros que pretendemos ler, como está indo nosso ritmo, quais livros gostamos, e quais não, e muito mais. Está sem paciência para ler resenhas? Aproveite, aqui eu faço um resuminho.

A Última Pilha:



Sim, Com muita vergonha admito que alguns dos livros acima ainda não foram lidos, embora eu tenha lido alguns outros pelo menos! Da pilha acima, não consegui ler nenhum dos mangás, Persuasão, Atrás do Espelho, Qualquer Outro Lugar, Sussurros no País das Maravilhas e Onix. Estou atualmente lendo A Garota - Corvo.

O Livro é Melhor? Scott Pilgrim Vs O mundo

Ok... Vou tentar ser imparcial, por que quando se trata de coisas geeks, eu gosto - mesmo que não seja realmente bom.

O LIVRO:

  • No livro acompanhamos a vida de Scott, um jovem de 24 anos distraído e  desempregado que depois de uma desilusão amorosa resolve "namorar" com uma garota de 17 anos - ainda cursando o ensino médio.
  • Scott passa seus dias passeando com Knives - mesmo contra protestos diários de seus amigos - e ensaiando com o Sex Bob Omb, onde toca baixo.
  • Tudo muda quando Scott conhece a americana Ramona Flowers, e passa a cortejá-la
  • Tendo conseguido a atenção de Ramona, Scott descobre que precisa derrotar os 7 "ex-namorados-do-mal" para poder continuar com ela.
  • O livro é uma HQ e na edição brasileira foi dividida em três partes. A história é detalhada, criativa e divertida. Há vários elementos fantásticos relacionados a cultura geek, inclusive com alusões a vídeo games, o que é inovador até certo ponto, mas na minha opinião tornaria a adaptação pouco realista (o que acaba por dificultar o sucesso desses tipo de adaptação - quem assistiu Super Mario Bros. entende muito bem do que estou falando.

O FILME

  • O filme seguiu relativamente a risca o conteúdo das HQs, e o que mais me admirou foi a semelhança física do elenco com os personagens da HQ (inclusive por causa do traço mais simples elaborado pelo autor, que deviria dificultar a assimilação dos personagens aos atores)
  • O diretor conseguiu exprimir a criatividade e a alegria de toda obra, que na minha opinião é o cerne da trama.
  • A elaboração das cenas, e a forma como adaptaram as sequências interligadas a vídeo games foi adequada, sem exagero - de forma que tudo ficou muito divertido. O ponto principal é que não tentaram aplicar realidade a esse "mundo" paralelo criado por O'Malley, somente o replicaram.
  • O final do filme difere ligeiramente dos livros, assim como o desenvolvimento da personagem Knives, mas tudo buscando o mesmo objetivo final da trama.
  • A adaptação em si e a finalidade da trama foi bem feita e manteve a "qualidade" divertida e duvidosa. Para os fãs da temática geek, ou de uma comédia relativamente pastelão e com pitadas de ironia é um prato cheio.

Qual é melhor?
Na verdade a comparação é um pouco injusta, a HQ é claramente mais completa e criativa, mas é absolutamente incrível poder ver esse tipo de obra em Live Action, principalmente as lutas.
De qualquer maneira, recomendo os dois! Eles têm seus pontos fortes e  praticamente se completam, e O' Malley é um gênio de qualquer forma!

Resenha - Maria Antonieta e o Gnomo

Título: Maria Antonieta e o Gnomo
Livro Único.
Autora: Índigo e Mika Takahashi
Editora: Vergara & Riba
Páginas: 80
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Extra // Americanas

Sublime


Sinopse: Maria Antonieta se perde dos pais em uma estação de trem. Mesmo com medo, ela escolhe desbravar o desconhecido. É quando surgem gnomos falantes, palácios secretos, florestas com árvores poderosas... Daí, outra mágica aflora, quase imperceptível a olho nu- a descoberta de um novo mundo dentro de si.

A Trama: Maria é uma garotinha brasileira que está viajando com os pais pela Europa. Enquanto esperava o trem para Roma, ela acaba se perdendo, e para passar o tempo resolve brincar com seu boneco - um gnomo. Inesperadamente este ganha vida e sai correndo da estação, Maria desesperada corre atrás dele e acaba por se perder.

Notícias Literárias - Grande Ivan Ganha Adaptação para o Cinema


Resenha - Dumplin'

Título: Dumplin'
Título Original: Dumplin'
Livro Único
Autora: Julie Murphy
Editora: Valentina
Páginas: 336
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Extra // Amazon // Submarino

Absolutamente hilário e honesto.


Sinopse: . Gorda assumida, Willowdean Dickson (apelidada de Dumplin’ pela mãe, uma ex-miss) convive bem com o próprio corpo. Na companhia da melhor amiga, Ellen, uma beldade tipicamente americana, as coisas sempre deram certo... até Will arrumar um emprego numa lanchonete de fast-food. Lá, ela conhece Bo, o Garoto da Escola Particular... e ele é tudo de bom. Will não fica surpresa quando se sente atraída por Bo. Mas leva um tremendo susto quando descobre que a atração é recíproca. Ao contrário do que se imaginava – a relação com Bo aumentaria ainda mais a sua autoestima –, Will começa a duvidar de si mesma e temer a reação dos colegas da escola. É então que decide recuperar a autoconfiança fazendo a coisa mais surreal que consegue imaginar: inscreve-se no Concurso Miss Jovem Flor do Texas – junto com três amigas totalmente fora do padrão –, para mostrar ao mundo que merece pisar naquele palco tanto quanto qualquer magricela.

A TramaDumplin' traz um certo ar fresco ao mundo dos livros contemporâneos. Will, a protagonista, é totalmente original, divertida, e principalmente muito honesta. A trama parece simples no início, uma garota comum, com um trabalho comum, que tem um momento de insanidade e se inscreve em um concurso de beleza. Entretanto, Dumplin é muito mais do que parece, conseguindo trazer à tona inúmeros problemas comuns de autoestima sobre os quais ninguém realmente conversa, mas que todo mundo tem.
Ainda, apesar de eu ter me divertido muito lendo e ter gostado do final, devia avisar que alguns pontos no livro me irritaram um pouquinho, como as interações entre Will e as "novas amigas" dela, além de toda a obsessão com Dolly Parton, que eu não entendia ou achava interessante.

Quinta das Capas #97

Crianças

Hoje é Dia das Crianças e nada mais justo do que trazer um Quinta das Capas especial pra essa data. Capas com crianças podem variar das mais fofinhas às mais creepy (quem também tem mais medo de crianças assustadoras em filmes de terror do que de muito monstro por aí levanta a mão! \o/). Selecionei algumas para nós comentarmos hoje, a maioria de livros que já li, vamos conferir!


Começando com um clássico que eu gosto muito, essa edição de Alice é muito fofa! É um pocket de luxo em capa dura e, para mim, tudo nela funciona, deixando a coleção de qualquer leitor mais bonita (além dessa cena que ela ilustra trazer uma das citações mais icônicas do livro). Não podia deixar Harry Potter de lado, e trouxe uma das minhas capas favoritas da série. Tudo ali tem referência a momentos da história e acho incrível como o ilustrador conseguiu trazer tantos elementos da história para a capa sem deixá-la poluída. A capa de Mau Começo mostra perfeitamente a infelicidade que os irmãos Baudelaire estão vivendo no momento, e também ilustra uma das cenas do livro. Eu gosto como as ilustrações da série trazem esse tom mais antigo para as ilustrações, mantendo um tom simples na capa, mas ainda assim dizendo bastante sobre a história. Eu amo a capa de Crenshaw, a escolha de cores foi perfeita e ela também ilustra bem o sentimento passado pelo livro. É uma das capas mais bonitas e fofinhas que eu tenho na estante.

Notícias Literárias - Adaptação de Caixa de Pássaros terá a participação de John Malkovich



Resenha - Caixa de Pássaros

Título: Caixa de Pássaros
Título Original: Bird Cage
Autor: Josh Malerman
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino

Não Abra os Olhos e Não Pare de Ler!!

Sinopse:
Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.

A Trama: Há cinco anos um surto atingiu a terra, as pessoas em diversos lugares do mundo se tornaram violentas de uma hora para outra, machucando os demais e culminando por acabar com a própria vida, depois de muita especulação os jornais anunciam que todos os envolvidos têm algo em comum - viram algo antes de enlouquecer. Malorie acaba de se mudar para uma casa nova com a irmã e se recusa a acreditar nas notícias e a se juntar a população em pânico. A premissa de Caixa de Pássaros é inquietante, é impossível não ficar extremamente curioso antes mesmo de começar a ler - a trama é simples mas muito criativa.

Lançamentos de Outubro #1

Oi, gente! Hoje finalmente daremos início aos lançamentos de outubro! Pra começar trouxe as editoras Rocco, Novo Conceito e Intrínseca. Alguns me deixaram curiosa, e vocês?

Vidas Muito Boas - J. K. Rowling - Rocco

“Como podemos aproveitar o fracasso?” “Como podemos usar nossa imaginação para melhorar a nós e os outros?”. J.K. Rowling responde essas e outras perguntas provocadoras em Vidas muito boas, versão em livro do famoso discurso de paraninfa da autora da série Harry Potter na Universidade de Harvard, que chega às livrarias brasileiras no dia 7 de outubro. Baseado em histórias de seus próprios anos como estudante universitária, a autora mundialmente famosa aborda algumas das mais importantes questões da vida com perspicácia, seriedade e força emocional. Um texto cheio de valor para os fãs da escritora e surpreendente para todos que buscam palavras inspiradoras.


Em Dorothy tem que morrer, Amy Gumm é uma garota do Kansas levada por um tornado para o mundo encantado de Oz. O que ela encontra por lá, porém, é uma paisagem bem diferente da descrita no clássico de L. Frank Baum, governada com mão de ferro por uma certa Dorothy Gale. Para fazer de Oz uma terra livre novamente, Amy precisa remover o coração do homem de lata, roubar o cérebro do espantalho e tomar a coragem do leão. E aí Dorothy morreria. Mas, em A ascensão do mal, aguardada sequência da série de Danielle Paige, ela continua viva. E o passado de Oz guarda muitos segredos que Amy ainda desconhece. Em quem ela poderá confiar para cumprir sua missão?

Resenha - O Conto da Aia

Título: O Conto da Aia
Título original: The Handmaid's Tale
Autor: Margaret Atwood
Editora: Rocco
Páginas: 368
Ano: 2017 
Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Submarino

Que livro!

SinopseEscrito em 1985, o romance distópico O conto da aia, da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump. Em meio a todo este burburinho, O conto da aia volta às prateleiras com nova capa, assinada pelo artista Laurindo Feliciano.

A TramaEm O Conto da Aia, após uma proliferação de DSTs, readiação e outros desastres, os Estados Unidos entraram em crise e a maioria das mulheres ficaram inférteis. Um grupo conseguiu derrubar o governo regente e se instaurou um regime totalitário teocrático, em que o governante agora é o Deus cristão e o povo segue apenas as "leis da Bíblia". As mulheres perderam todos os seus direitos mesmo antes do assentamento do caos (e quando eu digo todos, eu quero dizer TODOS), e foram divididas em grupos de acordo com o que elas conseguiriam fornecer para o atual governo. As aias são mulheres que ainda são férteis, e foram tomadas como propriedade do governo para serem designadas à casa de algum comandante e sua esposa com o único objetivo de procriar.
Esse é um livro angustiante de se ler, principalmente se você for mulher. Apesar de ser uma distopia, a autora usa situações que conseguimos identificar na história da humanidade, e também situações que conseguimos relacionar a algumas sociedades nos dias de hoje (e olha que o livro foi publicado originalmente em 1985). Acho que dentre as distopias que existem na literatura, essa é uma das mais assustadora e daquelas que não podemos deixar acontecer de jeito nenhum. O livro tem um final aberto de deixar roendo as unhas, que mesmo o capítulo extra (passado muitos anos depois) não conseguiu saciar minha curiosidade.

Top Comentarista - Outubro

Oi, gente! Tudo bem com vocês?

Gostei muito de vocês terem continuado comentando e bastante e participando do top em setembro, mesmo que não tenhamos postado tanto assim ❤️
Então, já que em setembro tivemos bem pouquinhas postagens, a distribuição dos pontos foi feita da seguinte maneira: 1 ponto para quem comentou em mais de 3 postagens; 2 pontos para quem comentou em mais de 5 postagens; e 3 pontos para quem comentou em todas as postagens válidas.
Vamos conferir agora todos os participantes e a pontuação de cada um!


Agora vamos ver quem levou o prêmio do R$40,00 do mês passado? E o vencedor é...

Eu Gostei e ela Não! #TayeLary

Ok, minha primeira vez nessa coluna... Vou tentar ser imparcial, por que quando se trata de coisas geeks, eu gosto - mesmo que não seja realmente bom. Esta coluna irá reunir livros lidos por mais de uma resenhista, mas que causaram opiniões muito diferentes!



                                    LARY                               X                                     TAY


  Selva de Gafanhotos

  • Eu gostei muito desse livro, não digo que cheguei a amar por que ele claramente tem defeitos - mas me atrai muito essas histórias inusitadas, principalmente se incluir animais revoltados, ou insetos gigantes. Só essa premissa já é o suficiente para eu amar - sim também amo os filmes do mesmo tipo como "Malditas Aranhas", "Pânico do Lago", "O Ataque dos Vermes Malditos" e etc.












  •  A Menina da Neve tem uma evolução lenta, mas eu acho que a "magia" do livro está justamente no clima bucólico do lugar, no cotidiano do casal e sua relação com a Menina da Neve.
  •  

  Cidade dos Ossos
  • Aqui precisamos de um adendo - independente de qualquer coisa, eu amo essa série e sim ela cheia de defeitinhos e estereótipos, mas ao longo dos anos, dos livros e spin offs, ela já tem um lugarzinho no meu coração. Cidade dos Ossos em particular é criativa, emocionante e completa - há romance (praticamente de todos os tipos, heterosexual,homosexual,inter-espécies e etc), há drama, mistério, ação, fantasia. Cassandra conduz o leitor de forma fluida e firme, por isso a leitura costuma ser rápida e prazerosa.






  • Por favor, não me odeiem mas eu não gostei de Como eu Era Antes de Você, depois de ler uns 5 livros do mesmo tipo eu percebi que não gosto de Sick Lit ou de literaturas parecidas... O romance é fofo, tudo bem - mas eu não vejo qual é a graça e o propósito de ver pessoas se derramando de amor e depois destruir o mundo delas! Quem tem prazer no sofrimento alheio? Eu não gosto de ver essas coisas, e não digo isso como uma pessoa sentada em um pedestal e ignorando o sofrimento alheio. Digo como quem já sofreu com pessoas muito próximas doentes, com perdas muito dolorosas minhas e de pessoas próximas a mim. Por que então, quando eu faço algo tão gratificante como ler, eu vou querer vivenciar isso novamente? Na minha opinião nenhum desses livros te dá algo em troca do sofrimento dos personagens e do próprio leitor. Não estou dizendo, claro, que ninguém pode ser tocado por esse tipo de leitura e que não pode mudar vidas. Mas eu acho que essas são leituras diferentes - há livros "sofridos" que te ensinam algo, acrescenta algo. Só que na minha opinião Como eu Era Antes de você não faz isso...Talvez só não seja pra mim - de novo, é só minha opinião.

  Os Três

  • Eu concordo que Os Três promete muito e não cumpre quase nada, mas eu acho que a trama geral desse livro só poderá ser entendida depois que todos os livros forem lançados. Eu espero que Sarah esteja tentando fazer um quebra cabeça, e que o final seja se não memorável, no mínimo de acordo - mas infelizmente é só isso que posso falar em defesa de Os Três.











  • Eu achei o início do livro até interessante, mas o desenvolvimento dele foi tomando rumos muito esquisitos até para o meu gosto. Eu não gostei do protagonista e foi um sacrifício aguentar ficar na cabeça dele (já que ele é o narrador). A leitura foi tão difícil que eu cheguei ao ponto de começar a pular capítulos e, no fim, acabei abandonando a leitura mesmo.
                      A Menina da Neve


  • Para mim, A Menina da Neve não tem evolução nenhuma, na verdade. O mistério da menina me manteve interessada até o final, mas no fim a leitura foi bem frustrante, pois nada realmente aconteceu e eu fiquei entediada quase que a leitura inteira.











  • Em minha defesa, eu gostei desse primeiro livro. Apesar de ter demorado bastante para concluir a leitura, eu gostei, só não achei nada de mais. Meu maior problema é que achei a narrativa da Cassandra Clare cansativa, e acabei abandonando o segundo livro na metade, mas pretendo dar uma segunda chance pra série algum dia. 
  Como Eu Era Antes de Você 
  • Eu entendo o motivo de algumas pessoas não gostarem de Como Eu Era Antes de Você, mas ele tem sim algumas mensagens poderosas para passar, mesmo que não sejam fáceis de aceitar. Ele fala sobre se encontrar e aprender a viver o melhor da vida, e também a respeitar as escolhas dos outros, principalmente alguém na situação de Will, por mais doloroso que isso seja. Esse é aquele tipo de livro que cada leitor vai interpretar certas coisas de formas diferentes após a leitura, pro bem ou pro mal.































  • Os Três tem uma premissa interessante, mas a forma como o livro é escrito fez com que o desenvolvimento da história não fosse tudo isso. O final me desapontou um pouco e, apesar de na época que li eu achar que fosse livro único, não fiquei interessada em ler as continuações, ainda mais depois de tanto tempo.


Do Livro pra Panela - Focaccia de Azeite


 


Ok, eu vou trapacear, normalmente essa coluna é compostas por receitas citadas em livros ou de pratos inspiradores mencionados nos mesmos. No meu caso, meu livro não se encontra em nenhuma dessas opções, mas como gostei muito dele resolvi trazer um pouco mais para vocês! leia a resenha aqui!


Seguindo o nível de facilidade do livro - por conselhos de minha amada mãe, vamos começar pelos mais fáceis, então decidi fazer a Focaccia de Azeite.







Pilha de Leitura da Tay #31

Apesar de não estar lendo muito ultimamente, precisava vir aqui dar uma atualizada na minha pilha, não é mesmo?!

A Última Pilha: 


Finalmente consegui terminar O Fio Dourado! Apesar de não ser o melhor da trilogia, valeu a pena ler. Paola é um livro nacional bem interessante. A Zona Morta apesar de não aproveitar bem os dois plots principais, é um ótimo livro que vale a pena ler, principalmente se você for fã do autor. Outro do King, A Hora do Lobisomem não trás nada de novo, mas também é uma boa pedida para dos fãs do autor.

O Pior da Pilha: Fico feliz em dizer que nenhum se encaixa no título de "pior".
O Melhor da Pilha: Apesar dos pesares, A Zona Morta foi o melhor entre esses.

Resenha - Pão Quente

Título: Pão Quente

Autor: Jessamyn Waldman Rodriguez
Editora: Cia das Letras
Páginas: 304
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon //  Americanas

Livro Delícia!!

Sinopse: A Hot Bread Kitchen não é uma padaria comum. Sediada no East Harlem (também conhecido como El Barrio), tem padeiras vindas de todas as partes do mundo. Com a real missão de ajudar mulheres imigrantes a desenvolver suas habilidades e a se recolocar no mercado de trabalho, o estabelecimento é um modelo único que combina incubadora e programa de treinamento. O resultado são receitas ricas em cultura, que reforçam a importância do pão nas mais diferentes tradições culinárias. Pão quente nasceu a partir dessa grande mistura e reúne pratos típicos de ao menos vinte países, incluindo uma receita de pão de queijo exclusiva da edição brasileira. Recheado de técnicas e truques, este livro permite que até mesmo os mais inexperientes reproduzam em casa estas receitas de sucesso — dos elementares pães sem fermento aos mais elaborados chalés trançados.

As receitas: Como já exemplifica o nome, a maioria das receitas trata de pão - chatos, doces, salgados, recheados, etc, De todos os tipos e de várias nacionalidades, além disso o livro também mostra receitas de acompanhamento para alguns pães, como guacamole, café, chocolate quente e até curry. O livro ainda inclui dicas de preparo para panificação e informações e indicações de uso para os utensílios envolvidos. Há também pequenas cronicas entre as receitas, que contam a opinião ou vivência da escritora na vida e no mundo da panificação.

O Livro é Melhor? O Apanhador de Sonhos

Em "O Livro É Melhor?" vamos comparar alguns livros às suas adaptações, sejam filmes ou séries de tv, e explicar um pouquinho sobre suas diferenças para, no final, escolher um vencedor!

Olá, Olá, vamos comentar hoje do excêntrico e único " O Apanhador de Sonhos" de Stephen King você pode conferir a resenha aqui.



O LIVRO

  • No interior do Maine, um grupo de amigos vê uma criança ser atormentada por um bando de adolescentes, e o salvam. Como agradecimentos Duddits - uma criança especial lhes dá poderes peculiares, entre eles um sexto sentido e a habilidade de telepatia.
  • Quando cresce o grupo se afasta um pouco mas continua a manter um encontro anual. Em uma cabana na floresta alguns deles já estão reunidos e recordando Duddits quando se deparam com um caçador passando mal de uma doença estranha e misteriosa.
  • Enquanto a doença vai evoluindo, temos a introdução do problema principal do livro - do qual não vou dar spoilers e a volta de Duddits já adulto.
  • No livro King faz questão de elaborar e explicar muito bem o ecossistema da doença, o que é muito interessante. Normalmente eu não me importo que uma trama desafie a lógica, dês que tenha sua lógica própria.
  • O final do livro é simples de certa forma e pra lá de esquisito, mas faz um "sentido King" e eu gostei.


O FILME

  • Inicialmente a adaptação está muito boa, adequada ao livro tanto no ambiente quanto nos personagens.
  • Ok, até aqui tudo bem, claro que eles cortam um pouco toda a convivência que solidificou o laço de amizade do grupo, por que o filme tem um limite de tempo, mas até aí foi fidedigno e razoável para uma adaptação cinematográfica.
  • É a partir dessa parte que o o filme começa a tomar caminhos estranhos e até um tanto maçantes, principalmente em relação aos militares, e ações do Sr Cinza. Acho que esqueci de comentar, mas a referência á "Alien" é deliciosa - mas sou suspeita, é umas das minhas franquias preferidas.
  • O filme esquece completamente de fazer sentido e só mostra a "maré vermelha" se alastrando e teoricamente espalhando a doença por aí. A única coisa que fica explicito é o perigo da incubação e como ela acontece de fato.
  • Bom, é aqui que a porca torce o rabo, perde a circulação, necrosa e cai...por que olha... Além de inventar acontecimentos, o diretor praticamente muda o cerne da trama com um final tosco, pobre e um tanto sem nexo.