Resenha - Jantar Secreto

Título: Jantar Secreto
Livro Único.
Autor: Raphael Montes
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 360
Ano: 2016
Saiba mais: 
Skoob
Comprar: 
Amazon // Saraiva // Submarino

Aviso de utilidade pública: não comam carne de gaivota!

Sinopse: 
Um grupo de jovens deixa uma pequena cidade no Paraná para viver no Rio de Janeiro. Eles alugam um apartamento em Copacabana e fazem o possível para pagar a faculdade e manter vivos seus sonhos de sucesso na capital fluminense. Mas o dinheiro está curto e o aluguel está vencido. Para sair do buraco e manter o apartamento, os amigos adotam uma estratégia heterodoxa: arrecadar fundos por meio de jantares secretos, divulgados pela internet para uma clientela exclusiva da elite carioca. No cardápio: carne humana. A partir daí, eles se envolvem numa espiral de crimes, descobrem uma rede de contrabando de corpos, matadouros clandestinos, grã-finos excêntricos e levam ao limite uma índole perversa que jamais imaginaram existir em cada um deles.

A Trama: A história desse livro é nenhum pouco convencional e os rumos que a história leva são bizarros e de embrulhar o estômago, mas uma coisa é certa: você nunca quer parar de ler. Já começamos o livro sabendo que a história vai terminar muito mal (o que é já de se esperar se tratando de canibalismo), mas o que impulsiona o leitor a virar as páginas enlouquecidamente é querer saber como esses quatro amigos chegaram àquele ponto, o porquê de começarem a fazer o tal jantar secreto e quais outros rumos bizarros essa loucura teve. É um livro sangrento, de revirar o estômago e com um humor negro que fará você questionar se irá pro andar de baixo quando morrer por estar rindo daquilo.

O Protagonista: Dante está frustrado com a vida (assim como seus outros três amigos), mas não quer admitir que o diploma que conseguiu na faculdade de administração não está servindo para nada. Apesar de toda a bizarrice que está acontecendo, Dante é aquele personagem com quem conseguimos nos relacionar melhor, mesmo que ele também tenha uma culpa gigante no cartório e tome atitudes horríveis e até mesmo covardes ao longo do livro (afinal, ele colaborou com o que estava acontecendo). Uma coisa que eu adorei é o fato de Dante ser gay, mas a história girar ao redor de outra coisa que não essa característica dele.

Personagens Secundários: Hugo quer um chef renomado, mas por enquanto convive com a ira por não ser reconhecido como "o gênio" que é na cozinha. Leitão largou a faculdade na metade e passa os dias enfurnado no quarto e na internet. Miguel é aquele que não queria ter nada a ver com isso e é enfermeiro em um hospital. Além das coisas óbvias que vamos percebendo sobre os amigos de Dante, também vamos descobrindo coisas sinistra sobre eles ao longo do livro. Cora é uma das minhas favoritas. É assustador ver como ela reagiu a toda a situação do jantar com carne humana, mas ela se mostra uma personagem bem interessante ao longo da trama. Umberto é detestável do início ao fim, mas na verdade todos os personagens chegam a esse ponto em algum momento.
  
Capa, Diagramação e Escrita: Eu gosto muito dessa capa clean com um toque de sangue. Não revela muito da história, mas quando você está lendo vê que ela passa a mensagem certa de alguma forma. A diagramação está ótima. Temos, inclusive, uma cena de ação toda narrada em formato de conversa no WhatsApp, com direito a imagens de memes e tudo o mais. Achei isso sensacional! A escrita do Raphael é muito gostosa e extremamente fluida, mesmo que o tema seja tão hediondo. Esse livro me prendeu desde a epígrafe, coisa que não tem sido fácil ultimamente. Jantar Secreto conseguiu me tirar de uma ressaca literária que já durava dois meses. Depois de todo esse tempo, esse foi o primeiro livro que eu peguei e não fiquei com vontade de largar mais até terminar.

Concluindo: Se você não tem estômago forte pra ler umas nojeiras bem escritas, já sabe que não pode nem passar perto disso aqui. Não é um livro super, hiper, mega sensacional, mas com certeza vale a pena o tempo que se dedica a lê-lo. Mesmo com as coisas que estão acontecendo na trama, o autor consegue colocar em debate alguns assuntos bem interessantes e ainda confronta, de certo modo, a hipocrisia humana.

Quotes:
Certa vez, num banheiro público, havia um poema:
"Tudo na vida tem
Um começo
Um meio
E um foda-se."
Certa vez, num banheiro público, havia um poema:
"Você é o que você come
Você come o que você é."
(...) A verdade é que você não precisa comer carne humana para incentivar atos monstruosos, basta curtir um bife e uma linguiça que já está dando sua contribuição para o horror.