Resenha - A Bela e a Fera


Título: A Bela e a Fera - a versão clássica e a surpreendente versão original
Título Original: La Belle et la Bête
Autoras: Madame de Beaumont e Madame de Villeneuve
Editora: Zahar
Páginas: 240
Ano: 2016
Saiba mais: Skoob
Comprar: Americanas // Submarino // Livraria Cultura

Meu conto de fadas favorito. ♥

Sinopse: Adaptado, filmado e encenado inúmeras vezes, o enredo de A Bela e a Fera vai muito além da jovem obrigada a casar com uma horrenda Fera que no final se revela um lindo príncipe preso sob um feitiço. Nessa edição bolso de luxo da coleção Clássicos Zahar você encontra reunidas duas variantes da história.
A versão clássica, escrita por Madame de Beaumont em 1756, vem embalando gerações e inspirou quase todos os filmes, peças, composições e adaptações que hoje conhecemos. A versão original, que Madame de Villeneuve publicara em 1740, é de uma riqueza espantosa, que entre outras coisas traz as histórias pregressas da Fera e da Bela e dá voz ao monstro para que ele mesmo narre seu destino.
Toda em cores e ilustrada, essa edição conta com ótima tradução do premiado André Telles, uma apresentação reveladora e instigante assinada por Rodrigo Lacerda e cronologia das autoras. A versão impressa apresenta ainda capa dura e acabamento de luxo.

A Trama: A trama de A Bela e a Fera não deve ser novidade para ninguém né. Claro que, dependendo da versão lida, há uma ou outra diferença na história, mas a essência é a mesma: a história mágica da bela princesa que se sacrifica para salvar o pai e acaba se apaixonando por seu algoz. 
Confesso que, apesar de essa ser a minha história favorita da Disney, eu nunca havia lido sua versão original. E me surpreendeu bastante porque, apesar de obviamente não ser tão romantizada quanto a da terra do Mickey, ela é muito mais leve do que os contos de fadas originais a que estou acostumada.
A versão clássica e mais conhecida, de Madame de Beaumont, é bastante curta e muito corrida - ao terminar a leitura tive a sensação de ler uma história pulando páginas que continham informações cruciais. 
A versão original, escrita por Madame de Villeneuve, no entanto, me conquistou completamente. Mais detalhada e poética, ela vai além da história apresentada nos filmes - nela, conhecemos a fundo a história da Fera e de como o belo príncipe foi atingido pelo feitiço que escondeu sua beleza e inteligência na pele do monstro. Conhecemos, também, bastante sobre a origem de Bela e a família ambos. Nessa versão, encontrei os personagens que tanto me cativam, que marcaram minha infância e mexem comigo até hoje. 


Capa, Diagramação e Escrita: As edições de bolso de luxo da Zahar são insuperáveis né? O livro é lindo, só não é perfeito porque as ilustrações interiores não são lá as mais agradáveis aos olhos. Porém, isso não foi suficiente para fazer com que eu me encantasse menos pelo trabalho da editora.
A linguagem é bem rebuscada, mas isso era esperado, considerando-se que ambas as versões datam do século XVIII. A obra traz, também, uma apresentação de ambas as versões e a cronologia de vida das autoras, o que a torna ainda mais interessante.

Concluindo: Eu sou absurdamente suspeita. A Bela e a Fera tem um apelo emocional bem forte para mim. Sempre me identifiquei muito com a princesa que encontrava nos livros uma fuga para sua solidão. E confesso que esse é um detalhe que senti falta na versão escrita da obra, a biblioteca do palácio é citada muito rapidamente na versão original, e na clássica, então, sequer é mencionada. 
Porém, todavia, entretanto... É claro que eu recomendo a leitura! Esse é um livro que vai alegrar o coração daquelas pessoas que, assim como eu, esqueceram de crescer e ainda se encantam com os contos de fadas.


Quotes:

Ame quem a ama, não se deixe enganar pelas aparências e liberte-me da prisão.