Resenha - Garoto 21

Título: Garoto 21
Título Original: Boy21
Autor: Matthew Quick
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Ano: 2016
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva // Submarino // Amazon

Queria poder colocar esse livro em um potinho e carregá-lo sempre comigo. 

Sinopse: Repetir um movimento várias e várias vezes ajuda a clarear a mente, uma lição que Finley aprendeu muito cedo, nas quadras de basquete. Numa cidade comandada pela violência do tráfico e da máfia irlandesa, vestir a camisa 21 e dar o sangue em quadra é sua válvula de escape.
Vinte e um também é o número da camisa de Russ, um gênio do basquete. Ou pelo menos era. Recém-chegado à cidade de Bellmont depois de ter a vida virada de cabeça para baixo por uma tragédia, a última coisa que ele quer é pegar de novo numa bola.
Russ está confuso, parece negar o que lhe aconteceu e agora se autointitula um alienígena de passagem pela Terra. Finley recebe a missão de ajudá-lo a se recuperar e, para isso, precisará convencê-lo a voltar a jogar, mesmo sob o risco de perder seu lugar como estrela do time.
Contra todas as probabilidades, Russ e Finley se tornam amigos e, por mais estranho que pareça, a presença de Russ poderá transformar a vida de Finley completamente. Uma emocionante história sobre esperança, amizade e redenção, com a prosa sensível e inteligente de Matthew Quick.

A Trama: Num primeiro momento, esse pode parecer só mais um young adult que irá contar a história de jovens que passaram por grandes traumas e tentam reencontrar um sentido para suas vidas. Pode aparentar ser somente a biografia de um adolescente traumatizado que, seguindo cegamente as ordens de seu treinador, tenta resgatar outro menino perdido. Ou talvez apenas um romance bobo entre o garoto que quase não fala e a garota que se apaixonou pelo silêncio e o defende com unhas, dentes, socos e pontapés. Quem sabe, ainda, uma aventura sobre o basquete e a forma como ele pode mudar vidas...
Porém, através dessa aura de banalidade, encontrei um dos livros mais belos e críticos que já li. O inconformismo com a realidade extremamente violenta do mundo está presente a cada página - e sim, isso poderia ter tornado essa uma obra extremamente pesada. Mas, então, temos aquele detalhe, aquela assinatura de Matthew Quick, que consegue regar de esperança o mais incrédulo dos terráqueos. 

Os PersonagensO trio de protagonistas me conquistou profundamente. Finley é um garoto muito peculiar, que nitidamente precisa de ajuda e, ainda assim, abriu espaço em sua vida para o garoto que poderia roubar dele uma de suas maiores riquezas. Russ, o Garoto21, me comoveu com sua aventura terráquea a fim de estudar os sentimentos humanos. E Erin... Erin é esse "feixe de luz mesmo no mais escuro dos dias", é esse coração imenso e essa força sobre-humana. Erin foi minha personagem favorita e o verdadeiro céu estrelado dessa história, capaz de tornar tudo mais bonito e mais leve.

Capa, Diagramação e Escrita: Amarelo não é uma de minhas cores favoritas, porém, a capa faz tanto sentido, combina tanto com a história, que não consigo imaginar como ela poderia ser melhor.
E, além disso... Ela poderia ser horrível, nada me faria amar menos esse livro, nada. Matthew Quick se superou, Garoto 21 me prendeu da primeira à última página, me arrancou lágrimas e gargalhadas, trouxe as melhores referências (#harrypotter) e os melhores quotes possíveis. E, ainda agora, me faz inconstante e infiel em meio a um turbilhão de sentimentos quando me obriga a admitir: esse se tornou o meu livro favorito do autor. 

Concluindo: Garoto 21 é um livro extraordinário sobre uma amizade que se constrói através do olhar, sobre relacionamentos dolorosamente altruístas e sobre confiança incondicional. Mas, principalmente, é uma história comovente sobre a esperança em um futuro melhor. 
Não existem palavras capazes de descrever o sentimento que transborda dessas páginas e das lições de vida que elas tão sutilmente carregam. Absolutamente nada do que eu diga vai fazer jus a essa simplicidade mágica que me ganhou por completo.

Quotes:

Nas minhas lembranças, ela faz cesta dezenas de vezes antes de eu recuperar a bola, mas nunca mais sai do meu quintal - nós dois continuamos jogando por anos e anos. 
É porque você é uma boa pessoa. Porque é fácil ficar perto de você. Porque você é você. Não exige nada de ninguém nem diz qualquer coisa negativa... nunca. Há tanta gente que suga a vida de todos ao redor, mas você não. Você dá força às pessoas, apenas por ser quem você é.
Nem sempre é possível escolher o papel que vamos desempenhar na vida, mas, independente do que se faça, que seja da melhor forma possível. 

1 comentários:

  1. Nossa me animei com a resenha, foi empolgante! Se é extraordinário e mereceu nota 50 deve ser muito bom. E ainda tem uma pitada de romance, que para mim é importantíssimo. Obrigada pela dica. Bjs.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.