Resenha - Os 13 Porquês

Título: Os 13 Porquês
Título Original: Thirteen Reasons Why
Livro Único.  
Autor: Jay Asher
Editora: Ática
Páginas: 256
Ano: 2009

Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva 

Você não sabe o impacto que tem na vida dos outros. Tudo afeta tudo.

SinopseAo voltar da escola, Clay Jensen encontra na porta de casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias fitas cassetes. O garoto ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker, uma colega de classe e antiga paquera, que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.

A TramaHannah Baker cometeu suicídio e deixou 7 fitas cassete endereçadas à 13 pessoas, cada lado das fitaa revelando qual a parte delas ao fazê-la tomar essa decisão. Esse livro sempre mexeu muito comigo desde a primeira vez que o li (essa foi a 5ª), e esses sentimentos sempre voltam cada vez que o leio, por isso é um dos meus favoritos. É um daqueles livros que te faz olhar as pessoas a sua volta de forma diferente, te faz repensar seus atos, te faz querer ajudar alguém. A vida de Hannah virou uma bagunça quando ela teve seu primeiro beijo e vários boatos infundados surgiram a partir daí. Como a própria Hannah diz, é o efeito bola de neve, uma coisa não teria acontecido sem a outra. "Tudo afeta tudo".
No quesito literário, é um livro intrigante e instigante, que lemos muito rápido porque queremos saber todos os motivos de terem feito a vida de Hannah descer ladeira abaixo, o que realmente a fez se matar. Já li muitos comentários de pessoas dizendo o quanto esse livro salvou a vida delas, então, sim, esse é um livro para pessoas que estão sofrendo como a Hannah, e esse é um livro para as pessoas ao redor terem mais consciência dos seus atos e também prestarem atenção naquele colega de escola/faculdade/trabalho/vida que era super pra cima e de repente teve uma mudança brusca de comportamento. Essa mudança teve um motivo, e simplesmente ter alguém com quem se abrir sem receios faz uma diferença enorme.

Os PersonagensQuanto mais nós e Clay vamos descobrindo sobre Hannah, mais desejamos que no final das contas tudo tenha sido um mal entendido e ela ainda está viva. Também conhecemos bastante sobre Clay, e ele me irritava em alguns momentos, mas de todos os personagens que conhecemos ao longo da trama, ele (e Tony) definitivamente merece o título que tinha, o "garoto bonzinho", o garoto legal que nunca fez nada de errado. Temos dois paralelos, uma garota que não merecia a reputação que tinha, e um garoto que merecia a sua. A Hannah que não foi destruída pelos atos maldosos dos outros era uma garota incrível, que poderia facilmente ser minha amiga. A outra também, porque eu gostaria muito de poder ajudá-la.
  
Capa, Diagramação e Escrita: A capa brasileira é um das minhas favoritas, porque representa perfeitamente a história (só queria que o "1" fosse azul ao invés de vermelho). Nessa edição também, do lado de dentro da capa e da contra-capa, temos o mapa da Hannah que Clay acompanha ao longo do livro e eu amo esse detalhe. Por dentro do livro, sempre aparece o símbolo de "stop", "play", "pause" quando Clay aperta essas teclas no Walkman, também é um detalhe que eu gosto muito. O livro é narrado por Clay e Hannah (nas fitas) ao mesmo tempo, com a narração da Hannah em itálico para diferenciá-la, e essa foi a melhor forma de contar essa história. Sempre que ela diz algo, já temos na hora o que Clay está pensando sobre aquilo ou se a mente dele está vagando para outro lugar. A leitura é bem imersiva e a forma como você se conecta aos sentimentos dos personagens é um pouco assustadora, mas também a única forma de você se importar com tudo de verdade.

Concluindo: Esse é um daqueles livros que fica com você mesmo depois de terminada a leitura. Talvez (espero que sim) seja uma história que você levará para a vida. Para mim é daqueles livros que sempre que me lembro de alguma passagem eu já sinto meu coração apertado e uma vontade enorme de chorar, de novo vem aquele desejo que tudo tivesse acabado de forma diferente. Felizmente todas as pessoas para quem eu recomendei esse livro o amaram também, então espero que a mesma coisa aconteça com vocês.

Nesse momento que estou escrevendo/terminando a resenha, eu ainda não comecei a assistir a série da Netflix (que estou louca pra ver), mas provavelmente será a primeira coisa que farei quando sair daqui e logo teremos um "O Livro é Melhor?" sobre essa história. Aguardem.

Quotes:
“Era exatamente isso que eu queria para mim. Queria que as pessoas confiassem em mim, apesar de qualquer coisa que tivessem ouvido. E, mais do que isso, queria que me conhecessem. Não aquilo que pensavam saber a meu respeito. Mas eu de verdade.”

“É importante estarmos consciente do modo como tratamos os outros. Mesmo que alguém pareça ignorar um comentário casual ou não se deixar afetar por um boato, é impossível saber tudo o que se passa na vida daquela pessoa e o quanto podemos ampliar sua dor.”


"Aqui vai uma dica. Se você tocar uma garota, mesmo sendo de brincadeira, e ela o empurrar para longe, deixe... Ela... Em paz. Não toque nela novamente. Em lugar nenhum! Simplesmente pare. Ela vai sentir nojo se você fizer isso."

“Ninguém sabe ao certo o impacto que tem na vida dos outros.”