O Livro É Melhor? - Simplesmente Acontece

Em "O Livro É Melhor?" vamos comparar alguns livros às suas adaptações, sejam filmes ou séries de tv, e explicar um pouquinho sobre suas diferenças para, no final, escolher um vencedor!

O livro de hoje, Simplesmente Acontece, é um dos romances mais fofos que já li - e ok, é clichê também, mas fazer o que se eu gosto disso? Você pode conferir a resenha do livro aqui.


O LIVRO

  • A história é contada através da narrativa epistolar - cartas, bilhetes, e-mails -, e sou fã assumida desse estilo. Entendo que muita gente torce o nariz para ele, por deixar as coisas meio em aberto, porém é exatamente isso que me encanta.
  • O livro começa com bilhetes escritos pelos protagonistas com apenas 7 anos - e essa fase da infância deles é a coisa mais fofa da vida.
  • No livro, acompanhamos a vida de Alex e Rosie dos 7 aos 50 anos de maneira bem dinâmica e envolvente - mas confesso que não aceitei muito bem o fato de os dois levarem tanto tempo para conseguirem ficar juntos.
  • Um dos pontos altos da obra são os protagonistas, eles são incrivelmente reais  e completos - e fato de eles mudarem e amadurecerem tanto com o passar dos anos torna sua história ainda mais crível.
  • Katie é disparada minha personagem favorita, e confesso que tinha muito medo de como lidariam com ela no filme.
  • Apesar de ser um chick lit, estilo de livro conhecido por não ser muito profundo e bastante clichê, a simplicidade na história de Alex e Rosie me ganhou desde a primeira página, fazendo com que ela garantisse um lugarzinho especial entre minhas favoritas - onde, depois de tantos anos, ainda permanece.

O FILME

  • Como toda adaptação, há muitas mudanças no enredo - e esse era um de meus maiores medos. Algumas me incomodaram (confesso) e outras, na minha opinião, vieram para melhorar uma história que já era perfeita. Porém, no final, analisando o "conjunto da obra", os roteiristas fizeram um trabalho fenomenal. Já perdi a conta de quantas vezes assisti ao filme, e em todas elas acabei exatamente da mesma forma: com os olhos brilhando e um sorriso de orelha a orelha.
  • Achei de um carinho imenso com a obra original o fato de os momentos mais relevantes da trama serem marcados por cartas, bilhetes e mensagens. 
  • Meu medo ao ver Katie adaptada para o cinema se mostrou totalmente injustificado - Lily Laight representou perfeitamente a personagem.
  • Lily Collins e Sam Clafin também representaram lindamente meu casal queridinho de protagonistas. Podem não ter sido assim tão fieis quanto a aparência, mas a química entre os dois era tanta, que o resto a gente perdoa.
  • Voltando a falar sobre mudanças, uma das maiores delas está no final - e apesar de ter gostado muito da escolha da autora no livro, me vi igualmente apaixonada pela alternativa criada na adaptação.
  • Por fim, gostaria de fazer uma menção honrosa à trilha sonora - simples e deliciosa.

Qual é melhor?
O livro está entre meus favoritos da vida há muitos anos, e acho bem difícil que algum dia perca seu posto. O filme é daquele tipo que eu paro para assistir cada vez que vejo passando, independente de estar no começo, no meio ou até no final. Nenhum dos dois é muito profundo, mas ambos trazem aquela sensação de conforto e alegria que muitas vezes precisamos.
Enfim, essa é uma escolha bem difícil, porque tenho um carinho absurdo pela história e sou realmente apaixonada pelos dois formatos. Porém, já falei aqui mais de uma vez que costumo ser bastante fiel aos meus primeiros amores e, exatamente por isso - com o coração bastante apertado -, é que fico com o livro.

E vocês, já leram o livro? Já assistiram ao filme? Se ainda não leram/assistiram, façam o favor de consertar isso e então dividam comigo suas opiniões!