Resenha - A Menina Que Não Acredita Em Milagres

Título: A Menina Que Não Acredita Em Milagres
Título Original: The Probability of Miracles
Livro Único.  
Autor: Wendy Wunder
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Ano: 2017

Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Submarino

SinopseCampbell tem 17 anos. Ela não acredita em Deus. Muito menos em milagres. Cam sabe que tem pouco tempo de vida, por isso quer viver intensamente e fazer tudo o que nunca fez, no tempo que lhe resta. Mas a mãe de Cam não aceita o fato de perder a filha, assim, ela a convence a fazer uma viagem com ela e a irmã para Promise, um lugar conhecido por seus acontecimentos miraculosos. Em Promise, Cam se depara com eventos inacreditáveis, e, também, com o primeiro amor. Lá encontra, finalmente, o que estava procurando mesmo sem saber. Será que ela mudará de ideia em relação à probabilidade de milagres? “A Menina que não Acredita em Milagres” vai fazer você rir, chorar e repensar sua conduta de vida.

A TramaCampbell tem câncer e ele já está em um estágio que não a permite ter esperanças. Mas sua mãe não desistirá assim tão fácil, então ela junta Cam e Perry (sua filha mais nova) em um trailer para um road trip de Orlando até Promise, no Maine, uma cidade com fama de ser milagrosa. A sinopse dá a entender que o livro é mais religioso do que ele realmente é (aliás, a única manifestação de religião aqui é a avó de Cam ser católica), só queria deixar isso claro para ninguém ir ler esperando algo que não vai ter. Vários dos acontecimentos são bem apressados e algumas outras coisas têm uma explicação bem rasa que me deixou confusa em alguns momentos, além de eu não ter conseguido me conectar de verdade com os personagens. Câncer é um assunto delicado de se tratar, mas eu não consegui me sentir muito ligada emocionalmente com o que estava acontecendo, mas confesso que derramei uma lágrima ou duas no final.

Os PersonagensGostei de Cam ser uma protagonista diversificada (ela é metade samoana e metade italiana) e de ter a habilidade de dançar hula. Ela cresceu em Orlando e sua família sempre trabalhou na Disney, então dançar é uma coisa que ela faz desde sempre. Cam é cética quanto à cidade milagrosa, mas vê em Promise a chance de completar sua Lista do Flamingo (uma lista de coisas a fazer antes de morrer, mas ela e sua amiga Lily não quiseram chamá-la assim). Achei bem bizarra a forma como Cam completa o primeiro item da lista na cidade, principalmente pela autora depois tratar aquilo como se não fosse nada. Cam é uma boa protagonista, mas a forma da autora de conduzir a história não me deixou me importar muito. Também gostei da mãe e da irmã de Cam, elas eram bem espirituosas e divertidas. Asher também foi legal e achei os dois bem fofos juntos. Mas, num todo, para mim os personagens secundários ficaram bem unidimensionais, sem muito pano de fundo, quase sem personalidade em alguns aspectos.
  
Capa, Diagramação e Escrita: Achei a capa bem fofa, principalmente pelos flamingos (que têm outra participação na história além da lista de Cam e Lily). A diagramação também está boa, bem simples, mas confortável para leitura. Na minha opinião, faltou um pouco de personalidade na escrita da autora. Mesmo com a diversidade em alguns aspectos da trama, ainda me pareceu um livro genérico enquanto lia. Ainda assim, a resolução da briga entre Cam e Lily e o final foram bem reais.

Concluindo: Esse não é um livro ruim, de forma alguma. Mesmo com os problemas que eu encontrei, ele conseguiu me entreter enquanto lia e algumas passagens conseguiram ser bem divertidas. Se você gosta desse tipo de leitura, vale a pena dar uma chance e tirar suas próprias conclusões.

Quotes:
Talvez se ela pensasse sobre as pessoas elas nunca desaparecessem de verdade. Parecia muito brega, mas havia uma explicação científica para isso também. Se você acreditava qye os pensamentos eram energia e energia é matéria (E=mc²), e a matéria aparece, então uma pessoa nunca pode realmente deixar você, a menos que você pare de pensar nela. Tudo que você dividia com uma pessoa ainda está girando ao redor do universo. O amor, Cam tinha de admitir, poderia ser real. E o amor permanece. As relações permanecem. Porque os pensamentos são energia, energia é matéria, e a matéria nunca desaparece.