Resenha - Resistência


Título: Resistência
Título Original: Mischling - A Novel
Autora: Affinity Konar
Editora: Fabrica231
Páginas: 320
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva 

Auschwitz sob o ponto de vista dos gêmeos.

Sinopse: 
Auschwitz, 1944. As gêmeas Pearl e Stasha têm 12 anos quando desembarcam no campo de concentração nazista na Polônia. à medida que conhecem o horror e têm suas identidades fraturadas pela dor e sofrimento, tentam confortar uma à outra e criam códigos e jogos para se proteger e recuperar parte da infância deixada para trás. Mas quando Pearl desaparece sem deixar pistas, Stasha se recusa a acreditar que a irmã esteja morta e embarca numa jornada desesperada em busca de justiça, paz e de si mesma. Livro notável pelo The New York Times; Livro do Ano pela Amazon e pela Publishers Weekly; indicação de leitura dos principais veículos de imprensa norte-americanos, Resistência narra, com uma voz poderosa e única, a trajetória de duas irmãs lutando pela sobrevivência em um dos períodos mais devastadores da história contemporânea e mostra que há beleza e esperança até diante do caos.

A Trama: De início, é bom adiantar que essa não é uma leitura fácil - a história é extremamente pesada, de uma forma que chegar a deixar a leitura angustiante. No entanto, é importante esclarecer que esse não é um defeito do livro.
Livros sobre a segunda guerra não foram feitos para nos deixar mais felizes - essa foi uma época desumana em diversos aspectos, e romantizar isso seria uma forma de desrespeito com as vítimas do holocausto. Porém, não lembro de nenhum outro livro que tenha me deixado tão sufocada. 
Todo mundo tem algumas informações perdidas sobre o que acontecia com as pessoas "incomuns" nos chamados zoológicos, mas ler isso sob o ponto de vista de crianças... É destrutivo.

Os Personagens: Stasha e Pearl me despertaram dois sentimentos bem distintos. Primeiro, admiração imensa pela relação de uma com a outra - fantasiosa ou não, a ligação entre as duas é mágica. Porém, para cada vez que a relação das duas me fazia sorrir, meu coração era esmagado pelo menos três vezes pelas crueldades praticadas contra elas.
Senti falta de conhecer mais detalhes sobre a vida e o desfecho de alguns personagens, como Peter e a Dra. Miri, mas entendo que esse não era o foco real da história.

Capa, Diagramação e EscritaSó agora, após a leitura finalizada há dias, quando sentei para escrever essa resenha, é que me dei conta do quanto a capa é significativa, o quanto ela é perfeita para essa obra linda. 
A escrita de Affinity Konar ainda tem bastante para melhorar, sua narrativa é pesada e a leitura é bastante difícil. Mas a história que ela criou não deixa dúvidas sobre o seu potencial. 

ConcluindoTenho um fascínio muito forte pela Segunda Guerra Mundial, acho que todos aqui já perceberam isso. E, por essa razão, a lista de livros que já li sobre o tema é um tanto quanto extensa.
Porém, nada poderia ter me preparado para Resistência. A forma com que a crueldade é retratada nessas páginas é destrutiva e dá uma sensação terrível de impotência por sabermos que não temos como mudar aquilo que aconteceu. 
É uma leitura mais do que recomendada, mas já adianto: precisa ter estômago.