Resenha - Nunca Jamais - parte dois


Título: Nunca Jamais - parte dois
Título Original: Never, Never: part two
Série: Never, Never
1- Nunca Jamais (2016)
2- Nunca Jamais - parte dois (2017)
3- Never, Never - Part Three (2016 US)

Autoras: Colleen Hoover e Tarryn Fisher
Editora: Galera
Páginas: 144
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Saraiva 

Levar um ano para publicar a continuação dessa série é uma tremenda maldade com os leitores!

Sinopse: 
A segunda parte do suspense romântico de tirar o fôlego “Nunca Jamais” Um garoto abre os olhos e sequer se lembra que seu nome é Silas. O telefone toca... “Encontrou ela?”, pergunta a voz do outro lado da linha. Quem é ela? Quem sou eu? Charlie se vê presa em um lugar parecido com quartos de hospital (ou de um manicômio). Também não se lembra de nada, nem sequer do próprio rosto. O tempo passa e ninguém vem salvá-la. Ela precisa escapar por conta própria. Aos poucos, os dois descobrem que vêm perdendo a memória em períodos cíclicos. E também que se amam imensamente. Numa corrida para descobrir a razão dos apagões em suas memórias, Silas e Charlie acabam descobrindo muito mais sobre si e os mistérios que envolvem suas famílias. Mas muito em breve vão esquecer tudo de novo. E precisam estar juntos para evitar o pior.

A Trama: Mais uma vez, preciso ressaltar que falar sobre a trama de Nunca Jamais é bastante complicado, afinal, em um livro tão curto, qualquer pequeno detalhe é um grande spoiller
O que posso dizer é que a obsessão de não poder para para respirar antes de chegar ao final foi a mesma que senti durante a leitura da primeira parte da história - porém, a raiva que senti ao final, quando me dei conta de que a continuação só será lançada ano que vem, foi bem maior. 

Os Personagens: Charlie pareceu ter amadurecido um pouco nessa segunda parte, ou talvez eu é que estivesse mais tolerante com a protagonista e deixei passar as atitudes que me irritaram na primeira parte.
Quando a Silas, bom... Sou uma pessoa fiel e meus amores não costumam ser passageiros (haha), então é óbvio que ele continuou a me arrancar suspiros. 
Por fim, Landon - irmão de Silas -, que já havia me conquistado no primeiro volume, se firmou de vez no posto de segundo personagem favorito. Queria ele como meu melhor amigo (mas também aceitaria como cunhado).

Capa, Diagramação e EscritaA capa é bastante parecida com a primeira, porém é nos pequenos detalhes que ela se adapta e combina ainda mais com a trama do segundo volume.
Mais uma vez o livro é narrado alternadamente por Silas e Charlie. Mais uma vez os capítulos se encaixam e se completam perfeitamente.
As autoras tem talento de sobra - isso não é segredo para ninguém - e conseguem criar uma trama tão viciante que é impossível pausar a leitura antes do fim. 

Concluindo: Sim, eu indico essa leitura. A história não tem nada muito extraordinário e não vai mudar sua vida, mas é aquele livro leve, gostoso de ler e que faz o tempo voar. Também é super indicado para quando a ressaca literária te agarrou e não quer mais soltar - experiência própria.
Porém, vou ser bem ranzinza agora, não havia a menor necessidade de a trama ser dividida em três partes - elas caberiam perfeitamente em um livro único e ele sequer seria grande demais. E quando a editora leva um ano inteirinho para lançar a continuação, acho que ela acaba abusando um pouco da paciência do leitor... Enfim né. 
Eu indico, sem sombra de dúvidas - mas leria tudo de uma vez, se é que vocês me entendem.