Resenha - O Beijo do Vencedor

Título: O Beijo do Vencedor
Título Original: The Winner's Kiss
Série: Trilogia do Vencedor
1 - A Maldição do Vencedor (2016)
2 - O Crime do Vencedor (2016)
3 - O Beijo do Vencedor (2017)
Autora: Marie Rutkoski
Editora: Plataforma21
Páginas: 448
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Americanas

Um final eletrizante.
Aviso: Essa resenha não contém spoilers dos livros anteriores, exceto na sinopse.

Sinopse: A guerra começou. Arin está à frente dela com novos aliados e o império como inimigo. Embora tenha convencido a si mesmo de que não ama mais Kestrel, Arin ainda não a esqueceu. Mas também não consegue esquecer como ela se tornou o tipo de pessoa que ele despreza. A princesa se importava mais com o império do que com a vida de pessoas inocentes – e, sem dúvida, menos ainda com ele. Pelo menos é o que Arin pensa.
Enquanto isso, no gélido norte, Kestrel é prisioneira em um campo de trabalhos forçados. Ela deseja desesperadamente escapar. Deseja que Arin saiba o que sacrificou por ele. E deseja fazer com que o império pague pelo que fizeram a ela. Mas ninguém consegue o que quer apenas desejando.
Conforme a guerra se intensifica, Kestrel e Arin descobrem que o mundo já não é mais o mesmo. O oriente está contra o ocidente, e os dois se encontram no meio de tudo isso. Com tanto a perder, é possível alguém realmente ser o vencedor?

A Trama: É muito difícil falar sobre a trama sem dar spoilers, já que a situação dos personagens muda drasticamente a cada livro. Se você quer uma resenha de quatro palavras, aí vai: Leia-este-livro-agora. É só o que você precisa saber, honestamente.
Não conseguiria imaginar uma conclusão melhor para essa série. O livro consegue reunir as melhores partes dos dois volumes anteriores: romance explosivo, batalhas épicas, intriga política e muito desenvolvimento dos personagens. Na verdade, há tanta história nessas 400 e poucas páginas que o livro parecia ser muito maior!

A minha parte favorita na trama foi a maneira como a autora conseguia mudar a perspectiva exatamente quando as coisas chegavam no ápice. Você está lá, lendo uma cena envolvente, morrendo de vontade de saber o que vai acontecer e BAM, a autora muda para a visão de outro personagem que nem está naquele local. Mas não se preocupe, todos os personagens estão envolvidos em tramas interessantes, então você fica ao mesmo tempo louco pra saber o que vai acontecer e aliviado por descobrir o que está acontecendo em outra parte daquele mundo.

Os Protagonistas: Vou confessar que no início do livro eu não sabia se ia ter coragem de ler as cenas de Kestrel. A mulher tem um talento para se enfiar em situações difíceis, meu deus!
Porém é inegável o desenvolvimento e amadurecimento dos dois protagonistas, tenho a sensação de que evoluíram absurdamente desde o primeiro livro e, mesmo assim, conseguiram manter suas características mais envolventes. Arin continua sendo um pouco mais fechado, e por esse motivo eu acabo gostando mais de Kestrel como protagonista, com a maneira levemente caótica e crua como ela demonstra seus sentimentos. Por outro lado, a personalidade enigmática de Arin vai se tornando menos misteriosa aos poucos e sempre é uma delícia poder entrar em sua mente.

Os Personagens Secundários: A cada livro, a autora traz alguns personagens secundários diferentes que entram em foco. Dessa vez, meu favorito foi Roshar, um príncipe sarcástico e carismático que vai conquistar qualquer leitor! Roshar era aquele personagem que fornecia o maravilhoso alívio cômico em cenas de tensão. Além disso, ele e Arin tem um dos melhores bromances da vida! O relacionamento deles renderia um livro a parte, de tão envolvente.

Capa, Diagramação e Escrita: Em primeiro lugar, apoio demais a decisão da editora de fazer essa capa em verde e não em vermelho, já que o contraste entre as capas ficou bem mais bonito. A diagramação interna e o cuidado com essa série é inegável, desde páginas pretas no início e fim para dar um toque especial, passando pela fonte especial no início de cada capítulo, senti que cada detalhe foi planejado.
Marie já se tornou uma das minhas escritoras favoritas. Ela tem aquela qualidade muito rara entre escritores (ao menos para mim) de fazer a trama se transformar em um filminho na mente do leitor. Eu conseguia imaginar as cenas perfeitamente, tamanha a maestria com que elas foram descritas.
Além disso, se você tiver que escolher um motivo para investir nessa série, esse motivo seria os monólogos internos dos personagens. Eles são muito divertidos!


Concluindo: A conclusão perfeita para uma trilogia que me conquistou desde o primeiro capítulo do primeiro volume. Minha única reclamação é que acabou.

A quem interessar, fica uma citação desse livro lindo (sem spoilers):

"Talvez o amor fosse fácil, ela pensou.
Talvez seu passado não fosse tão importante quanto seu presente, ela pensou.
Mas então ouviu seu pai dizer que ela havia partido seu coração e não conseguiu mais acreditar em nenhum desses pensamentos."