Pilha de Leitura da Lary #6

Estou com problemas sérios para manter essas pilhas atualizadas, haha!!
Se você não conhece a Pilha de Leitura, é uma coluna em que nós vamos falar um pouquinho sobre os próximos livros que pretendemos ler, como está indo nosso ritmo, quais livros gostamos, e quais não, e muito mais. Está sem paciência para ler resenhas? Aproveite, aqui eu faço um resuminho.

A Última Pilha:



Sim, Com muita vergonha admito que alguns dos livros acima ainda não foram lidos, embora eu tenha lido alguns outros pelo menos! Da pilha acima, não consegui ler nenhum dos mangás, Persuasão, Atrás do Espelho, Qualquer Outro Lugar, Sussurros no País das Maravilhas e Onix. Estou atualmente lendo A Garota - Corvo.

O Livro é Melhor? Scott Pilgrim Vs O mundo

Ok... Vou tentar ser imparcial, por que quando se trata de coisas geeks, eu gosto - mesmo que não seja realmente bom.

O LIVRO:

  • No livro acompanhamos a vida de Scott, um jovem de 24 anos distraído e  desempregado que depois de uma desilusão amorosa resolve "namorar" com uma garota de 17 anos - ainda cursando o ensino médio.
  • Scott passa seus dias passeando com Knives - mesmo contra protestos diários de seus amigos - e ensaiando com o Sex Bob Omb, onde toca baixo.
  • Tudo muda quando Scott conhece a americana Ramona Flowers, e passa a cortejá-la
  • Tendo conseguido a atenção de Ramona, Scott descobre que precisa derrotar os 7 "ex-namorados-do-mal" para poder continuar com ela.
  • O livro é uma HQ e na edição brasileira foi dividida em três partes. A história é detalhada, criativa e divertida. Há vários elementos fantásticos relacionados a cultura geek, inclusive com alusões a vídeo games, o que é inovador até certo ponto, mas na minha opinião tornaria a adaptação pouco realista (o que acaba por dificultar o sucesso desses tipo de adaptação - quem assistiu Super Mario Bros. entende muito bem do que estou falando.

O FILME

  • O filme seguiu relativamente a risca o conteúdo das HQs, e o que mais me admirou foi a semelhança física do elenco com os personagens da HQ (inclusive por causa do traço mais simples elaborado pelo autor, que deviria dificultar a assimilação dos personagens aos atores)
  • O diretor conseguiu exprimir a criatividade e a alegria de toda obra, que na minha opinião é o cerne da trama.
  • A elaboração das cenas, e a forma como adaptaram as sequências interligadas a vídeo games foi adequada, sem exagero - de forma que tudo ficou muito divertido. O ponto principal é que não tentaram aplicar realidade a esse "mundo" paralelo criado por O'Malley, somente o replicaram.
  • O final do filme difere ligeiramente dos livros, assim como o desenvolvimento da personagem Knives, mas tudo buscando o mesmo objetivo final da trama.
  • A adaptação em si e a finalidade da trama foi bem feita e manteve a "qualidade" divertida e duvidosa. Para os fãs da temática geek, ou de uma comédia relativamente pastelão e com pitadas de ironia é um prato cheio.

Qual é melhor?
Na verdade a comparação é um pouco injusta, a HQ é claramente mais completa e criativa, mas é absolutamente incrível poder ver esse tipo de obra em Live Action, principalmente as lutas.
De qualquer maneira, recomendo os dois! Eles têm seus pontos fortes e  praticamente se completam, e O' Malley é um gênio de qualquer forma!

Resenha - Maria Antonieta e o Gnomo

Título: Maria Antonieta e o Gnomo
Livro Único.
Autora: Índigo e Mika Takahashi
Editora: Vergara & Riba
Páginas: 80
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Extra // Americanas

Sublime


Sinopse: Maria Antonieta se perde dos pais em uma estação de trem. Mesmo com medo, ela escolhe desbravar o desconhecido. É quando surgem gnomos falantes, palácios secretos, florestas com árvores poderosas... Daí, outra mágica aflora, quase imperceptível a olho nu- a descoberta de um novo mundo dentro de si.

A Trama: Maria é uma garotinha brasileira que está viajando com os pais pela Europa. Enquanto esperava o trem para Roma, ela acaba se perdendo, e para passar o tempo resolve brincar com seu boneco - um gnomo. Inesperadamente este ganha vida e sai correndo da estação, Maria desesperada corre atrás dele e acaba por se perder.

Notícias Literárias - Grande Ivan Ganha Adaptação para o Cinema


Resenha - Dumplin'

Título: Dumplin'
Título Original: Dumplin'
Livro Único
Autora: Julie Murphy
Editora: Valentina
Páginas: 336
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Extra // Amazon // Submarino

Absolutamente hilário e honesto.


Sinopse: . Gorda assumida, Willowdean Dickson (apelidada de Dumplin’ pela mãe, uma ex-miss) convive bem com o próprio corpo. Na companhia da melhor amiga, Ellen, uma beldade tipicamente americana, as coisas sempre deram certo... até Will arrumar um emprego numa lanchonete de fast-food. Lá, ela conhece Bo, o Garoto da Escola Particular... e ele é tudo de bom. Will não fica surpresa quando se sente atraída por Bo. Mas leva um tremendo susto quando descobre que a atração é recíproca. Ao contrário do que se imaginava – a relação com Bo aumentaria ainda mais a sua autoestima –, Will começa a duvidar de si mesma e temer a reação dos colegas da escola. É então que decide recuperar a autoconfiança fazendo a coisa mais surreal que consegue imaginar: inscreve-se no Concurso Miss Jovem Flor do Texas – junto com três amigas totalmente fora do padrão –, para mostrar ao mundo que merece pisar naquele palco tanto quanto qualquer magricela.

A TramaDumplin' traz um certo ar fresco ao mundo dos livros contemporâneos. Will, a protagonista, é totalmente original, divertida, e principalmente muito honesta. A trama parece simples no início, uma garota comum, com um trabalho comum, que tem um momento de insanidade e se inscreve em um concurso de beleza. Entretanto, Dumplin é muito mais do que parece, conseguindo trazer à tona inúmeros problemas comuns de autoestima sobre os quais ninguém realmente conversa, mas que todo mundo tem.
Ainda, apesar de eu ter me divertido muito lendo e ter gostado do final, devia avisar que alguns pontos no livro me irritaram um pouquinho, como as interações entre Will e as "novas amigas" dela, além de toda a obsessão com Dolly Parton, que eu não entendia ou achava interessante.

Quinta das Capas #97

Crianças

Hoje é Dia das Crianças e nada mais justo do que trazer um Quinta das Capas especial pra essa data. Capas com crianças podem variar das mais fofinhas às mais creepy (quem também tem mais medo de crianças assustadoras em filmes de terror do que de muito monstro por aí levanta a mão! \o/). Selecionei algumas para nós comentarmos hoje, a maioria de livros que já li, vamos conferir!


Começando com um clássico que eu gosto muito, essa edição de Alice é muito fofa! É um pocket de luxo em capa dura e, para mim, tudo nela funciona, deixando a coleção de qualquer leitor mais bonita (além dessa cena que ela ilustra trazer uma das citações mais icônicas do livro). Não podia deixar Harry Potter de lado, e trouxe uma das minhas capas favoritas da série. Tudo ali tem referência a momentos da história e acho incrível como o ilustrador conseguiu trazer tantos elementos da história para a capa sem deixá-la poluída. A capa de Mau Começo mostra perfeitamente a infelicidade que os irmãos Baudelaire estão vivendo no momento, e também ilustra uma das cenas do livro. Eu gosto como as ilustrações da série trazem esse tom mais antigo para as ilustrações, mantendo um tom simples na capa, mas ainda assim dizendo bastante sobre a história. Eu amo a capa de Crenshaw, a escolha de cores foi perfeita e ela também ilustra bem o sentimento passado pelo livro. É uma das capas mais bonitas e fofinhas que eu tenho na estante.

Notícias Literárias - Adaptação de Caixa de Pássaros terá a participação de John Malkovich



Resenha - Caixa de Pássaros

Título: Caixa de Pássaros
Título Original: Bird Cage
Autor: Josh Malerman
Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Ano: 2015
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino

Não Abra os Olhos e Não Pare de Ler!!

Sinopse:
Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.

A Trama: Há cinco anos um surto atingiu a terra, as pessoas em diversos lugares do mundo se tornaram violentas de uma hora para outra, machucando os demais e culminando por acabar com a própria vida, depois de muita especulação os jornais anunciam que todos os envolvidos têm algo em comum - viram algo antes de enlouquecer. Malorie acaba de se mudar para uma casa nova com a irmã e se recusa a acreditar nas notícias e a se juntar a população em pânico. A premissa de Caixa de Pássaros é inquietante, é impossível não ficar extremamente curioso antes mesmo de começar a ler - a trama é simples mas muito criativa.

Lançamentos de Outubro #1

Oi, gente! Hoje finalmente daremos início aos lançamentos de outubro! Pra começar trouxe as editoras Rocco, Novo Conceito e Intrínseca. Alguns me deixaram curiosa, e vocês?

Vidas Muito Boas - J. K. Rowling - Rocco

“Como podemos aproveitar o fracasso?” “Como podemos usar nossa imaginação para melhorar a nós e os outros?”. J.K. Rowling responde essas e outras perguntas provocadoras em Vidas muito boas, versão em livro do famoso discurso de paraninfa da autora da série Harry Potter na Universidade de Harvard, que chega às livrarias brasileiras no dia 7 de outubro. Baseado em histórias de seus próprios anos como estudante universitária, a autora mundialmente famosa aborda algumas das mais importantes questões da vida com perspicácia, seriedade e força emocional. Um texto cheio de valor para os fãs da escritora e surpreendente para todos que buscam palavras inspiradoras.


Em Dorothy tem que morrer, Amy Gumm é uma garota do Kansas levada por um tornado para o mundo encantado de Oz. O que ela encontra por lá, porém, é uma paisagem bem diferente da descrita no clássico de L. Frank Baum, governada com mão de ferro por uma certa Dorothy Gale. Para fazer de Oz uma terra livre novamente, Amy precisa remover o coração do homem de lata, roubar o cérebro do espantalho e tomar a coragem do leão. E aí Dorothy morreria. Mas, em A ascensão do mal, aguardada sequência da série de Danielle Paige, ela continua viva. E o passado de Oz guarda muitos segredos que Amy ainda desconhece. Em quem ela poderá confiar para cumprir sua missão?

Resenha - O Conto da Aia

Título: O Conto da Aia
Título original: The Handmaid's Tale
Autor: Margaret Atwood
Editora: Rocco
Páginas: 368
Ano: 2017 
Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Submarino

Que livro!

SinopseEscrito em 1985, o romance distópico O conto da aia, da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump. Em meio a todo este burburinho, O conto da aia volta às prateleiras com nova capa, assinada pelo artista Laurindo Feliciano.

A TramaEm O Conto da Aia, após uma proliferação de DSTs, readiação e outros desastres, os Estados Unidos entraram em crise e a maioria das mulheres ficaram inférteis. Um grupo conseguiu derrubar o governo regente e se instaurou um regime totalitário teocrático, em que o governante agora é o Deus cristão e o povo segue apenas as "leis da Bíblia". As mulheres perderam todos os seus direitos mesmo antes do assentamento do caos (e quando eu digo todos, eu quero dizer TODOS), e foram divididas em grupos de acordo com o que elas conseguiriam fornecer para o atual governo. As aias são mulheres que ainda são férteis, e foram tomadas como propriedade do governo para serem designadas à casa de algum comandante e sua esposa com o único objetivo de procriar.
Esse é um livro angustiante de se ler, principalmente se você for mulher. Apesar de ser uma distopia, a autora usa situações que conseguimos identificar na história da humanidade, e também situações que conseguimos relacionar a algumas sociedades nos dias de hoje (e olha que o livro foi publicado originalmente em 1985). Acho que dentre as distopias que existem na literatura, essa é uma das mais assustadora e daquelas que não podemos deixar acontecer de jeito nenhum. O livro tem um final aberto de deixar roendo as unhas, que mesmo o capítulo extra (passado muitos anos depois) não conseguiu saciar minha curiosidade.

Top Comentarista - Outubro

Oi, gente! Tudo bem com vocês?

Gostei muito de vocês terem continuado comentando e bastante e participando do top em setembro, mesmo que não tenhamos postado tanto assim ❤️
Então, já que em setembro tivemos bem pouquinhas postagens, a distribuição dos pontos foi feita da seguinte maneira: 1 ponto para quem comentou em mais de 3 postagens; 2 pontos para quem comentou em mais de 5 postagens; e 3 pontos para quem comentou em todas as postagens válidas.
Vamos conferir agora todos os participantes e a pontuação de cada um!


Agora vamos ver quem levou o prêmio do R$40,00 do mês passado? E o vencedor é...

Eu Gostei e ela Não! #TayeLary

Ok, minha primeira vez nessa coluna... Vou tentar ser imparcial, por que quando se trata de coisas geeks, eu gosto - mesmo que não seja realmente bom. Esta coluna irá reunir livros lidos por mais de uma resenhista, mas que causaram opiniões muito diferentes!



                                    LARY                               X                                     TAY


  Selva de Gafanhotos

  • Eu gostei muito desse livro, não digo que cheguei a amar por que ele claramente tem defeitos - mas me atrai muito essas histórias inusitadas, principalmente se incluir animais revoltados, ou insetos gigantes. Só essa premissa já é o suficiente para eu amar - sim também amo os filmes do mesmo tipo como "Malditas Aranhas", "Pânico do Lago", "O Ataque dos Vermes Malditos" e etc.












  •  A Menina da Neve tem uma evolução lenta, mas eu acho que a "magia" do livro está justamente no clima bucólico do lugar, no cotidiano do casal e sua relação com a Menina da Neve.
  •  

  Cidade dos Ossos
  • Aqui precisamos de um adendo - independente de qualquer coisa, eu amo essa série e sim ela cheia de defeitinhos e estereótipos, mas ao longo dos anos, dos livros e spin offs, ela já tem um lugarzinho no meu coração. Cidade dos Ossos em particular é criativa, emocionante e completa - há romance (praticamente de todos os tipos, heterosexual,homosexual,inter-espécies e etc), há drama, mistério, ação, fantasia. Cassandra conduz o leitor de forma fluida e firme, por isso a leitura costuma ser rápida e prazerosa.






  • Por favor, não me odeiem mas eu não gostei de Como eu Era Antes de Você, depois de ler uns 5 livros do mesmo tipo eu percebi que não gosto de Sick Lit ou de literaturas parecidas... O romance é fofo, tudo bem - mas eu não vejo qual é a graça e o propósito de ver pessoas se derramando de amor e depois destruir o mundo delas! Quem tem prazer no sofrimento alheio? Eu não gosto de ver essas coisas, e não digo isso como uma pessoa sentada em um pedestal e ignorando o sofrimento alheio. Digo como quem já sofreu com pessoas muito próximas doentes, com perdas muito dolorosas minhas e de pessoas próximas a mim. Por que então, quando eu faço algo tão gratificante como ler, eu vou querer vivenciar isso novamente? Na minha opinião nenhum desses livros te dá algo em troca do sofrimento dos personagens e do próprio leitor. Não estou dizendo, claro, que ninguém pode ser tocado por esse tipo de leitura e que não pode mudar vidas. Mas eu acho que essas são leituras diferentes - há livros "sofridos" que te ensinam algo, acrescenta algo. Só que na minha opinião Como eu Era Antes de você não faz isso...Talvez só não seja pra mim - de novo, é só minha opinião.

  Os Três

  • Eu concordo que Os Três promete muito e não cumpre quase nada, mas eu acho que a trama geral desse livro só poderá ser entendida depois que todos os livros forem lançados. Eu espero que Sarah esteja tentando fazer um quebra cabeça, e que o final seja se não memorável, no mínimo de acordo - mas infelizmente é só isso que posso falar em defesa de Os Três.











  • Eu achei o início do livro até interessante, mas o desenvolvimento dele foi tomando rumos muito esquisitos até para o meu gosto. Eu não gostei do protagonista e foi um sacrifício aguentar ficar na cabeça dele (já que ele é o narrador). A leitura foi tão difícil que eu cheguei ao ponto de começar a pular capítulos e, no fim, acabei abandonando a leitura mesmo.
                      A Menina da Neve


  • Para mim, A Menina da Neve não tem evolução nenhuma, na verdade. O mistério da menina me manteve interessada até o final, mas no fim a leitura foi bem frustrante, pois nada realmente aconteceu e eu fiquei entediada quase que a leitura inteira.











  • Em minha defesa, eu gostei desse primeiro livro. Apesar de ter demorado bastante para concluir a leitura, eu gostei, só não achei nada de mais. Meu maior problema é que achei a narrativa da Cassandra Clare cansativa, e acabei abandonando o segundo livro na metade, mas pretendo dar uma segunda chance pra série algum dia. 
  Como Eu Era Antes de Você 
  • Eu entendo o motivo de algumas pessoas não gostarem de Como Eu Era Antes de Você, mas ele tem sim algumas mensagens poderosas para passar, mesmo que não sejam fáceis de aceitar. Ele fala sobre se encontrar e aprender a viver o melhor da vida, e também a respeitar as escolhas dos outros, principalmente alguém na situação de Will, por mais doloroso que isso seja. Esse é aquele tipo de livro que cada leitor vai interpretar certas coisas de formas diferentes após a leitura, pro bem ou pro mal.































  • Os Três tem uma premissa interessante, mas a forma como o livro é escrito fez com que o desenvolvimento da história não fosse tudo isso. O final me desapontou um pouco e, apesar de na época que li eu achar que fosse livro único, não fiquei interessada em ler as continuações, ainda mais depois de tanto tempo.


Do Livro pra Panela - Focaccia de Azeite


 


Ok, eu vou trapacear, normalmente essa coluna é compostas por receitas citadas em livros ou de pratos inspiradores mencionados nos mesmos. No meu caso, meu livro não se encontra em nenhuma dessas opções, mas como gostei muito dele resolvi trazer um pouco mais para vocês! leia a resenha aqui!


Seguindo o nível de facilidade do livro - por conselhos de minha amada mãe, vamos começar pelos mais fáceis, então decidi fazer a Focaccia de Azeite.







Pilha de Leitura da Tay #31

Apesar de não estar lendo muito ultimamente, precisava vir aqui dar uma atualizada na minha pilha, não é mesmo?!

A Última Pilha: 


Finalmente consegui terminar O Fio Dourado! Apesar de não ser o melhor da trilogia, valeu a pena ler. Paola é um livro nacional bem interessante. A Zona Morta apesar de não aproveitar bem os dois plots principais, é um ótimo livro que vale a pena ler, principalmente se você for fã do autor. Outro do King, A Hora do Lobisomem não trás nada de novo, mas também é uma boa pedida para dos fãs do autor.

O Pior da Pilha: Fico feliz em dizer que nenhum se encaixa no título de "pior".
O Melhor da Pilha: Apesar dos pesares, A Zona Morta foi o melhor entre esses.