Resenha - Fraude Legítima

Título: Fraude Legítima
Título Original: Genuine Fraud
Livro Único
Autora: E. Lockhart
Editora: Seguinte
Páginas: 280
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino


Sinopse: Jule West Williams é uma garota capaz de se adaptar a qualquer lugar ou situação. Imogen Sokoloff é uma herdeira milionária fugindo de suas responsabilidades. Além do fato de serem órfãs, as duas garotas têm pouco em comum, mas isso não as impede de desenvolver uma amizade intensa quando se reencontram anos depois de terem se conhecido no colégio. Elas passam os dias em meio a luxo e privilégios, até que uma série de eventos estranhos começa a tomar curso, culminando no trágico suicídio de Imogen e forçando Jule a descobrir como viver sem sua melhor amiga. Mas, talvez, as histórias das duas garotas tenham se unido de maneira inexorável — e seja tarde demais para voltar atrás.

A Trama: Serei honesta com vocês. Eu não costumo ler suspenses, e esse livro trata de um suspense young adult. A narrativa meio que começa pelo fim, e vai voltando poucas semanas ou meses a cada novo capítulo. Eu achei bem confuso até mais ou menos metade do livro, mas provavelmente porque nunca tinha lido algo nesse formato. Definitivamente é interessante e original, cada novo capítulo vai te dando pequenas pistas de quem realmente são Jule e Imogen, as principais personagens, e do que aconteceu com elas.
A trama demonstra, em certos trechos, o estilo young adult com toda a certeza. As personagens são bem jovens e ainda tem um pouco daquele ar de festas, romances e etc. Ao mesmo tempo, conforme me aproximava do fim do livro, eu me sentia como se estivesse lendo um suspense adulto, da mesma qualidade.

A Protagonista: Jule é um completo mistério. Cada vez que eu pensava que a protagonista era uma coisa, ela ia lá e provava que não era bem assim. Levou um bom tempo, admito, para entender todas as nuances da personalidade da garota, mas adorei que não era mais uma adolescente clichê. E, em tempos em que o estilo young adult já é tão popular que fica difícil criar algo novo, eu adorei a personalidade diferente da personagem. Porém, já aviso que ela não é uma daquelas pessoas carismáticas que te conquista na primeira folha.

Os Personagens Secundários: O foco do livro, depois de Jule, é Imogen. A melhor amiga de Jule, que cometeu suicídio ao pular de uma ponte. Imogen era o centro das atenções, com direito a beleza, dinheiro, amigos e tudo o mais. Apesar de não ser de fato uma personagem viva, Imogen é o motivo do suspense da trama e está presente em todos os capítulos - e em quase todos os pensamentos de Jule. Excluindo-se as duas garotas, os personagens não tem muito espaço, limitando-se a seus papeis na trama, razão pela qual por vezes fica um pouquinho cansativo estar na cabeça da protagonista o tempo todo.

Capa, Diagramação e Escrita:  A diagramação do livro, como era de se esperar, está perfeita, e gostei de como a capa já dá um ar de suspense, enquanto combina com a trama. Notei alguns detalhes especiais enquanto observava o livro, como o fato de que os capítulos também vão decrescendo, iniciando em 18 e terminando no capítulo 1.
A escrita da E. Lockhart não é do estilo que eu prefiro. O livro inteiro se passa em terceira pessoa, seguindo a protagonista Jule, porém certos trechos ficaram monótonos, cenas que achei um pouco confusas. Por outro lado, preciso apreciar a originalidade da autora, já que seu modo de escrita e seus personagens fogem do padrão, sem falar que a trama conseguiu de fato me surpreender por boa parte do livro.


Concluindo: Para mim, este livro teve seus altos e baixos, sendo que os altos são a originalidade e o suspense, enquanto o baixo foi a forma como a trama é contada, de trás para frente, o que me deixou confusa e até meio irritada. Porém, acredito que para os fãs de suspense o livro é um prato cheio, assim como para qualquer um que esteja cansado dos clichês clássicos.