Resenha - Kobane Calling

Resenha feita pela Lary
Título: Kobane Calling - Ou como fui parar no meio da Guerra na Síria
Título Original: Kobane Calling
Autor: Zero Calcare
Editora: Nemo
Páginas: 272
Ano: 2017
Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Folha

Sinopse: Viajando como enviado de um jornal italiano, o quadrinista Zerocalcare atravessa os confins da Turquia, do Iraque e do Curdistão Sírio para chegar à cidade de Kobani ao encontro do exército de mulheres curdas, que luta contra o avanço do Estado Islâmico. A partir dessa viagem, Zerocalcare produz uma reportagem de sinceridade pungente, um testemunho indispensável e perturbador que transmite a complexidade e as contradições de uma guerra muitas vezes simplificada pela mídia internacional e pelos discursos políticos. Tudo isso com um tom inimitável, extremamente bem-humorado e ao mesmo tempo tocante – a linguagem e o universo de um autor que sabe como ninguém representar as pessoas, o cotidiano, os medos e as aspirações de sua geração. Blogueiro e autor de quadrinhos com viés autobiográfico, Zerocalcare é um fenômeno editorial de um sucesso sem precedentes na história dos quadrinhos italianos, pronto para conquistar o mundo.
A Trama: ZeroCalcare é um quadrinista italiano, a pedido do jornal em que trabalhava ele vai para a Síria, e na cidade de Kobani se depara com a resistência da população ao Estado Islâmico. Eu amei toda a construção dessa Graphic Novel. Eu não gosto de histórias de guerra, reais ou não - e normalmente absorvo as informações passadas pelos jornais o mínimo necessário para manter meu conhecimento, (me julguem a vontade - mas eu tenho uma parcela e tanto de sofrimento na vida, e simplesmente não me divirto ou me interesso pelo drama alheio como entreterimento, por isso o gênero e histórias desse tipo não me atraem - eu amo livros, por poder viver aventuras, romances, viagens e coisas maravilhosas com eles, e não sofrer os lendo. Com o intuito de fazer a diferença, prefiro fazer algo fisicamente como ZeroCalcare, do que ficar sentada sofrendo e perdendo tempo.) mas eu amo HQs, e imaginei que isso poderia tornar toda a experiÊncia diferente.




Personagens: É assustador "vivenciar" a situação das pessoas no meio dessa guerra tão próxima e ao mesmo tempo tão distante e realmente entender que pessoas passam por dificuldades aterrorizantes todos os dias, enquanto eu ouço spotify e como tranquilamente meu rico café da manhã. Pessoas de todos os tipos, gêneros e idades que admiravelmente ainda se impuseram contra a injustiça independente do perigo que corriam; Mais do que inspirador é quase empolgante - literalmente como um "chamado".

Capa, Arte, Background e Escrita: A capa não é bonita, mas exprime muito bem a característica do livro e do autor, inclusive seu traço e a forma de pensar e agir imposta na sua personagem é tão sincera e tangível que acabei a leitura me sentindo próxima dele - como se já o conhecesse pessoalmente. A arte é debochada, casual e displicentemente cômica, o que se opõe muito a realidade da trama, mas elabora um lado totalmente diferente do que supomos que aconteceria nesse quadrante de guerra - cruel e real. Os cenários seguem a mesma vertente, mas são discretos, é óbvio que o autor quer dar ênfase nas situações e pessoas citadas e não ao lugar.


Concluindo: A leitura foi tão magnética e interessante, que terminei o livro nas duas horas em que passei no avião na minha viagem no final do ano. A mistura do cômico, do suave e despretensioso com essa trama carregada de drama, esforço, fé e superação é maravilhosa. Um leitura obrigatória e fascinante para todos que se dispuserem.