Resenha - Coração-Granada

Título: Coração-Granada
Autor: João Doederlein
Editora: Paralela
Páginas: 198
Ano: 2018
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Saraiva 

Sinopse: 
Combinando novos ressignificados e poemas, @akapoeta apresenta textos de sensibilidade e poesia. Segundo o autor, o amor (correspondido ou não) mexe com nossa alma e nosso corpo. A ansiedade, quando nos toma de assalto, também. Outro ponto em comum: os dois fizeram e continuam fazendo artistas de todos os tipos produzirem criações capazes de gerar reflexão e também de dar sentido ao que, muitas vezes, parecia já não ter. É o caso de @akapoeta, pseudônimo de João Doederlein, neste seu segundo livro. Nele, o escritor fala de paixões e crises de ansiedade e da relação entre ambas, com a mesma delicadeza que transformou a sua obra de estreia, 'O livro dos ressignificados'.

A TramaO livro gira em torno de amores não correspondidos e da ansiedade e angústia que só quem passa por isso sabe escrever tão bem. Misturando sua marca autoral, os já tão conhecidos resignificados (que, sejamos sinceras, a gente encontra em tudo quanto é lugar agora), com trechos de poesias, frases e até textos um pouco mais longo, o autor convida o leitor a dividir o fardo que ele carrega. É um livro mais íntimo do que a obra de estreia do autor, que se expõe mais e faz contato direto com o leitor.

Os Personagens: Como é um livro de poesia, não há necessariamente um personagem bem definido, sinto que é mais um contato direto do autor com o público. Nesse sentido, acho que há bastante sensibilidade do autor para tocar em temas mais delicados, como a ansiedade, e também em rever temas já conhecidos, como o amor não correspondido. Certamente é um livro para quem está sofrendo dos mesmos problemas no momento, pois o leitor vai com certeza se identificar e criar um laço com o personagem-autor.

Capa, Diagramação e EscritaO grande destaque dessa obra vai justamente para a diagramação e o cuidado que a editora teve com a parte gráfica. Toda a parte interna do livro segue as mesmas cores da capa e os desenhos e padrões que entrelaçam o texto fazem com que a leitura flua, além de deixar todo o interior com um quê mais poético.

Concluindo: Não dá pra dizer que a ideia do autor não é brilhante. Desde os resignificados, gosto muito do autor e do trabalho dele nesse sentido. Porém, para mim, o livro acabou ficando bastante naquele velho "mais do mesmo". Apesar de eu gostar bastante do estilo da escrita, talvez por eu já acompanhar seus textos em outros lugares, esse livro tenha ficado um pouco batido e eu senti que parecia muito do que eu já tinha lido anteriormente.