Resenha - A Poeta X

Título: A Poeta X
Título Original: The Poet X
Autor: Elizabeth Acevedo
Editora: Galera Record
Páginas: 322
Ano: 2018
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Saraiva 

Sinopse: 
Best-seller do New York Times sobre uma adolescente que conta sua história através de uma poesia intensa, crua e poderosa. Xiomara Batista se sente sem voz e incapaz de se esconder no Harlem. Desde que seu corpo ganhou curvas, ela aprendeu a deixar os punhos e toda sua raiva falarem. E, em contraste com as regras da mãe religiosa, Xio tenta expressar suas próprias crenças através da poesia: a garota derrama toda frustração e paixão nas páginas de um caderno, recitando as palavras para si mesma como orações. Em seu romance de estreia, Elizabeth Acevedo aborda dúvidas e experiências frenquentes da adolescência – religião, relacionamento e autoaceitação –, apresentando essas questões por meio das lentes da herança afro-latina de Xiomara. Acevedo elevou o romance escrito em verso a uma ferramenta poderosa, fornecendo aos leitores uma narrativa incrivelmente viciante e deliciosamente rítmica, implorando para ser lido em voz alta. A autora traz um ponto de vista único para aqueles que convivem com todo tipo de preconceito e procuram por si mesmos na literatura e na vida.

A TramaO livro conta a história de Xiomara, uma adolescente que aprendeu a usar a poesia como forma de expressão de toda a raiva que sente por dentro. Em casa, ela tem uma relação de repressão por ter crescido em um ambiente religioso e rígido que não condiz com como Xio gosta de encarar a própria vida. A narrativa acompanha Xiomara enquanto ela experimenta o primeiro relacionamento, o desenvolvimento de sua família e seu crescimento pessoal enquanto adulta que passa a respeitar as próprias vontades e o próprio corpo.

Os Personagens: Eu gosto muito de como a personagem principal, Xiomara, foi retratada. Poesias são geralmente uma forma muito pessoal de escrita e, quando ela é feita em formato de poesia slam (poesia lida em voz alta), é uma conexão não só de escrita, mas de alma do autor para com o leitor. Por conta do livro ser inteiro escrito em formato de poesia, o contato que o leitor tem com a personagem principal é um contato muito íntimo e cru. Nós podemos destrinxar cada pedaço de Xiomara por meio de suas poesias e entender todos os sentimentos da personagem.

Capa, Diagramação e EscritaPrimeiro vamos falar dessa capa que eu, particularmente, acho muito bonita e muito condizente com o restante do livro. Além da capa já dizer muito sobre a personagem principal, gosto que há traços das poesias internas já escritas coloridas na capa para dar um impacto inicial. Por dentro, o livro é feito exatamente como promete: um fluxo contínuo de poesias que, se lidas em ordem, desenvolvem a história de Xiomara. Essa foi um dos livros que eu li com a escrita mais criativa possível. Não tinha forma melhor de escrever esse livro do que em formato de poesia, por isso, acho que ele merecia um lugar muito especial na estante de todos.
Queria fazer um adendo aqui e dizer que eu tive a oportunidade de ouvir esse livro em audiolivro. Por conta disso, ele é recitado como poesia slam (poesia que é lida em voz alta) que é justamente um dos tópicos do livro em si. Foi a melhor experiência que tive até agora com audiolivro e a narradora conseguiu passar tanto sentimento que me emocionei muito ouvindo as poesias. Se você tiver a oportunidade de ouvir o audiolivro desse A Poeta X, ouça.


Concluindo: Eu AMEI esse livro. Muito. É um livro que, como a própria capa diz, é para ser lido em voz alta. Talvez o formato em que eu tive contato com a obra tenha interferido no quanto eu gostei dela? Talvez. Mas de qualquer forma, é um livro essencial para quem gosta de jovens-adultos de protesto, de livros que te tocam a alma e até mesmo para os curiosos de plantão que estão entrando nesse mundo maravilhoso de poesia slam.